O ex-vereador e ex-secretário do governo, Fernando Aires dos Santos, conhecido como Fernando Manduca, foi preso após se apresentar à polícia na tarde desta quarta-feira (9). Ele é suspeito de participar da organização que fraudava licitações na Câmara Municipal de Porto Nacional. No último dia 27 de dezembro a Polícia Civil cumpriu nove mandados de prisão contra parlamentares, empresários e servidores públicos, em Porto Nacional e Palmas.

Ele se apresentou na delegacia de Porto Nacional às 16h e será levado para a cadeia pública da cidade. O interrogatório será nessa quinta-feira (10).

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Ricardo Real, o ex-vereador é suspeito de ser um dos mentores do esquema. Ele era considerado foragido e estava negociando uma apresentação nos últimos dias.

O delegado informou ainda que nessa quinta-feira (10), deve continuar ouvindo depoimentos sobre o caso.

Entenda

Três vereadores e o secretário municipal de governo de Porto Nacional, cidade a 66 km de Palmas, foram presos no último dia 27 de dezembro, em uma operação contra fraudes em licitações na câmara municipal.

Foram detidos os vereadores Adael Oliveira Guimarães (PSDB), Emivaldo Pires de Souza (PTB), Jean Carlos da Silva (PV) e o secretário Geylson Neres Gomes (MDB), que também integrava a Câmara e está licenciado.

A polícia informou que também cumpriu mandados de prisão contra um ex-vereador que teve o mandato cassado; dois servidores da Câmara, além de um empresário do ramo de informática. Todos os investigados foram soltos após o final do prazo da prisão preventiva.

Também foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão em Porto Nacional e em Palmas. A operação é um desdobramento da Negócio de Família, deflagrada pela Polícia Civil.

Segundo a polícia, a operação recebeu esse nome porque o suposto esquema teria envolvido três pessoas da mesma família e um amigo. O grupo teria desviado cerca de R$ 700 mil.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.