Ministro da Justiça, Sérgio Moro.

O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), solicitou na sexta-feira, 4, ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, apoio da Força Nacional para reforçar o policiamento nas cidades do Estado.

O ministro ainda não se manifestou. Moro autorizou o envio da Força Nacional e de tropas federais ao Ceará para ajudar no combate à onda de ataques no Estado.

Por meio de ofício, o governador do Pará pediu o reforço de 500 agentes da Força Nacional para “imediato reforço do efetivo local e preservação da ordem pública”. Segundo Barbalho, o pedido foi motivado pelos altos índices de criminalidade registrados no Estado.

De acordo com o Atlas da Violência 2018, divulgado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), a taxa de homicídios do Pará no último dado disponível, de 2016, era de 50,8 por 100 mil habitantes. O Estado foi o 4º no ranking nacional neste indicador, ficando atrás apenas do Rio Grande do Norte (53,2), Alagoas (54,2) e de Sergipe (64,7).

Ainda segundo o Atlas, entre 2006 e 2016, o aumento da taxa de homicídios no Pará foi de 74,4%. Tiveram alterações maiores no mesmo período Ceará (86,3%), Bahia (97,8%), Acre (93,2%), Tocantins (119%), Sergipe e Maranhão (121%) e Rio Grande do Norte (256,9%).

Segundo o governador, o pedido visa estruturar novas políticas de segurança pública. A intenção é de que haja 1 reforço do efetivo pelo prazo mínimo de 6 meses, podendo ser renovado por mais 6 meses.

REFORÇO NA SEGURANÇA DO PARÁ

Ao assumir o governo nesta semana, Helder Barbalho anunciou reforço do policiamento em alguns bairros de Belém, como: Benguí, Cabanagem, Guamá e Terra-firme.

Segundo a assessoria do governo, as ações envolvem cerca de 400 policiais. Também haverá policiamento extra nos municípios de Castanhal, Abaetetuba, Marabá, Santarém, Altamira e Redenção. Mais de 50 viaturas estão sendo empregadas. (Poder 360/Foto: Eraldo Peres/AP)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.