A promotoria de justiça de Rurópolis, por meio da promotora de justiça Mariana Sousa Cavaleiro de Macêdo Dantas, apresentou na segunda-feira (7), denúncia contra o executor e dois mandantes do assassinato da sindicalista e militante do Partido dos Trabalhadores (PT), Leila Cleopatra Ximendes de Sousa, ocorrido em outubro de 2016. Com o recebimento da denúncia começa a ação penal e os investigados passam a ser réus do processo, que corre em segredo de justiça.

Leila Ximendes foi assassinada no dia 1º de outubro de 2016, por volta das 20h30, na BR 230, ladeira do bairro do Leitoso, na cidade de Rurópolis, pelo executor denunciado, em razão de paga ou promessa de recompensa garantida pelos mandantes.  O assassino desferiu duas facadas na vítima, que teve uma parada cardiorrespiratória em decorrência de hemorragia, causada por esfaqueamento múltiplo, conforme os laudos periciais.

Inicialmente as investigações apontavam para um suposto crime político. Contudo, fatos novos apresentados ao MPPA descartaram essa possibilidade.  A promotoria denunciou os envolvidos por homicídio qualificado, sendo o executor incluso na qualificadora, em razão de paga ou promessa de recompensa e mediante emboscada, sem chances de defesa para vítima. A pena é de reclusão de 12 a 30 anos.

Os mandantes também estão denunciados por homicídio qualificado, em função de paga ou promessa de recompensa, com a mesma previsão de pena, de 12 a 30 anos. “Os crimes dolosos contra a vida, conforme dispõe o texto constitucional, são de competência do Tribunal do Júri. O Ministério Público deu o primeiro passo ao iniciar a ação penal com a denúncia e espera-se que os denunciados sejam pronunciados pelo juízo da comarca e encaminhados para que a sociedade os julgue no Júri Popular e os condene nos termos da denúncia”, esclareceu Mariana Dantas.

A promotoria requereu o recebimento da denúncia em todos os termos, com a citação dos denunciados para acompanhar a ação penal até a pronúncia, nas sanções punitivas do art. 121, § 2º, I e IV do Código Penal Brasileiro (executor), e os dois mandantes nas sanções descritas no delito do art. 121, § 2º, I, do Código Penal Brasileiro. (Ascom MPPA/Foto: Blog do Jeso)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.