A 3º fase da Operação Ápia foi deflagrada após a descoberta de um novo núcleo criminosos, que segundo as investigações do Ministério Público Federal e a Polícia Federal (PF), após a deflagração das primeiras fases da Ápia. Esse núcleo seria ligado ligado ao deputado Eduardo Siqueira Campos.

Segundo a decisão, a investigação, na primeira fase havia apurado que os empresários Elon Macedo e José Maria Batista estariam operando propinas para o ex-presidente da Agência de Máquinas e Transportes (Agetrans) Alvicto Ozores Nogueira, conhecido com Kaká Nogueira, que seria “laranja” do Eduardo Siqueira que se beneficiava com os valores roubados.

Já Renan Bezerra de Melo que na época era superintendente da Agetran e Alexandre Ubaldo que se tornou presidente da agência após Nogueira. Ambos teriam participado do esquema de propina.

Melo, Ulbado, Macedo e Batista tiveram a prisão preventiva decretada. Os dois primeiros já prestaram depoimento à Polícia Federal na manhã de hoje. Macedo foi preso em Goiânia e estaria vindo para o Tocantins para prestar depoimento.

Respostas 

Em nota, a assessoria do deputado Eduardo Siqueira Campos reiterou que deixou o cargo de secretário de Estado em em 2013. O deputado afirma que não tem conhecimento sobre esses fatos. Já os advogados de Melo disseram que se manifestaram após terem conhecimento dos autos da ação. Ainda não foi possível o contato com os advogados de Ubaldo,  Macedo e Batista. (Jornal do Tocantins)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.