A Justiça vai realizar na tarde desta segunda-feira (18) no Fórum do município de Riachão, no sul do Maranhão, a 292 km de Imperatriz, a primeira audiência sobre o caso da idosa Antônia Conceição da Silva, de 106 anos, que foi morta a pauladas na madrugada do dia 17 de novembro de 2018 dentro da sua casa, em Feira Nova do Maranhão, a 783 km da capital.

No inquérito realizado pela Polícia Civil, Alypio Noleto da Silva, sobrinho-neto da vítima, foi indiciado por latrocínio, que é o roubo seguido de morte, e por isso a hipótese mais provável é que ele não seja levado a júri popular. Neste caso, o próprio juiz deve emitir a sentença após ouvir o acusado e as testemunhas. A audiência desta terça ocorre três meses e um dia depois do crime. Alypio Noleto já respondia em liberdade por uma tentativa de homicídio no início de 2018.

Alypio Noleto está preso na Unidade Prisional de Balsas, a 810 km de São Luís, e por questão de segurança será levado escoltado por agentes penitenciários e também por policiais militares. Os detalhes da operação, como o horário de saída do acusado da penitenciária, também não foram divulgados por questão de segurança.

Crime brutal

Antônia Conceição da Silva, de 106 anos, foi assassinada a pauladas dentro da sua casa durante a madrugada. Segundo a polícia, a idosa estava sozinha quando um homem entrou por um buraco feito no telhado.

O laudo sobre a causa da morte da idosa diz que ela sofreu traumatismo encefálico. As investigações também confirmam que ela chegou a ser arrastada pelos cômodos da casa antes de morrer. A principal linha de investigação aponta que ela foi morta porque teria reconhecido o assassino quando ele invadia a casa.

O neto da vítima, que morava com ela, havia ido para uma festa e, quando retornou, encontrou a avó morta. Ainda segundo a polícia, ao ser encontrado, o corpo da idosa estava com sinais de estrangulamento e espancamento. Um bastão de madeira com marcas de sangue pode ter sido a arma do crime.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.