Autoridades da Secretaria Estadual de Cidadania e Justiça (Seciju) e da Educação, Juventude e Esporte (Seduc), da Universidade Federal do Tocantins (UFT) do Ministério Público do Estado do Tocantins (MPTO) e da Prefeitura Municipal de Tocantinópolis se reuniram na manhã desta quarta-feira, 27, para inaugurar um polo universitário de educação à distância (EaD) na Casa de Prisão Provisória de Tocantinópolis (CPP Tocantinópolis).

Atualmente, dois reeducandos da unidade prisional irão cursar a graduação de matemática e farão uso do polo universitário que conta com uma biblioteca com mais de 800 livros virtuais, cinco computadores e sistema de climatização por ar condicionado. “Dizem que cadeia não regenera e nem educa o preso, mas a CPP Tocantinópolis prova que essa máxima não é verdadeira”, declarou o novo estudante universitário da Universidade Federal do Tocantins, o reeducando da CPP de Tocantinópolis, C. C. A.

O gerente de Assistência Educacional e Saúde do Preso e Egresso da Seciju, Oseias Costa Rego, destacou o trabalho dedicado dos servidores efetivos do Sistema Prisional na elaboração e execução de projetos exemplares voltados para as minorias, como a instalação de um polo de EaD dentro de uma estabelecimento prisional. “Esse projeto tem um potencial magnífico, pois, a educação rompe barreiras, liberta das prisões que enquadram as pessoas em condenações perpétuas, como a ignorância, o preconceito, a falta de acessibilidade”, comemorou.

O diretor da CPP de Tocantinópolis, Vinícius Lima Silva, reafirmou o esforço da gestão para oportunizar aos reeducandos uma nova perspectiva de vida. “Tocantinópolis é uma cidade de 160 anos, a UFT tem campus no município desde a criação, as instituições de educação fundamental e básica estão funcionando desde o início da cidade, e agora temos um polo de educação à distância da Universidade Federal do Tocantins dentro na nossa unidade, trazendo educação superior para os reeducandos, isso é uma grande vitória e agradecemos as pessoas que estão a frente dessas instituições por terem despertado seu interesse para essa necessidade e tornado isso possível”, celebrou.

Tal oportunidade, proporciona presenciar relatos como o de Raimundo Alves, irmão de um dos reeducandos que vai cursar matemática no polo, que afirmou estar muito feliz pelo irmão ter essa oportunidade de estudar numa universidade. “Tenho sete irmãos já crescidos e somente o que está cumprindo restrição de liberdade conseguiu chegar à uma universidade”, festejou.

A professora da UFT, Aline Campos, uma das idealizadoras do projeto que proporcionou a entrada dos reeducandos a universidade, ressaltou a força do trabalho em grupo. “Trazer o ensino superior para a CCP de Tocantinópolis foi possível graças à parcerias feitas com a prefeitura que disponibilizou cinco computadores, com a equipe EaD da UFT que encampou a experiência, com o Ministério Público e a Seduc. Essa dedicação conjunta resultou com dois alunos aprovados no sistema de ampla concorrência para o curso de matemática. Além da conclusão do ensino fundamental e médio por três reeducandos das unidade através do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja)”, exaltou.

O promotor de Execução Penal de Tocantinópolis, Celsimar Custódio, falou que o trabalho de educação voltado para reeducandos da CPP é um dos mais importantes da promotoria, pois vem promovendo resultados surpreendentes que superam em muito as expectativas iniciais.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.