A Polícia Civil do Pará vai transferir de Xinguara, sudeste do Pará, para Pacajá, na região de Carajás, no estado do Pará, os presos Oseias de Carvalho Silva e Luciele Moraes da Silva, acusados de matar uma criança de quatro anos. O casal foi preso no domingo, dia 7, em Xinguara. O crime ocorreu na zona rural de Pacajá, no último dia 27 de março. As investigações foram iniciadas em conjunto pelas equipes policiais das Delegacias de Anapu e Pacajá, sob comando dos delegados Sandro Rivelino, de Pacajá, e Rommel Souza, superintendente regional do Lago de Tucuruí.

As investigações mostraram que a criança morava com Oseias de Carvalho Silva e Luciele Moraes da Silva, respectivamente, pai biológico e madrasta da criança. Segundo o delegado Rommel Souza, no dia último dia 27 de março, o pai levou a criança até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da região, localizada em Anapu, alegando que a criança havia sofrido um acidente com um animal, dentro de um curral na fazenda.

Os funcionários da UPA desconfiaram da versão apresentada pelo pai e acionaram a Polícia. Ao perceber a chegada dos policiais à UPA, Oseias saiu em fuga do local. Após realização de perícia, o Centro de Perícias Científicas Renato Chaves comprovou que Oseias de Carvalho Silva e a companheira Luciele Moraes da Silva eram os responsáveis por agredir a criança que não resistiu e morreu. Após o resultado pericial, o delegado Sandro Rivelino, da Delegacia de Pacajá, solicitou ao Poder Judiciário a prisão do casal. 

De posse do parecer favorável do Ministério Público de Pacajá, policiais civis da Superintendência Regional de Marabá e de Redenção efetuaram buscas e conseguiram prender os acusados, no município de Xinguara, sudeste paraense. Os presos serão transferidos na próxima sexta-feira (12), à cidade de Pacajá, onde ficarão presos à disposição da Justiça para responder por homicídio doloso.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.