Servidores da educação de Riachinho, no norte do estado, entraram no sexto dia em greve por melhorias salariais. Na manhã desta segunda-feira (15), eles fizeram passeata pelas ruas da cidade. O protesto teve o apoio de mães e pais de estudantes da rede municipal.

Os profissionais alegam que a prefeitura reduziu há cerca de um ano e meio o salário dos profissionais da educação em 20%. Eles estariam sem reajuste, recebendo os mesmos salários praticados em 2014.

Segundo o diretor do Sintet de Araguaina, Wender Lopes Brandão, os profissionais reivindicam pagamento do percentual de reajuste de correção dos salários na data base retroativa ao ano de 2014. O pagamento do piso salarial nacional aos professores e a reestruturação e implementação do Plano de Cargos Carreiras e Salários (PCCS).

Além disso, servidores da educação manifestam também por melhorias na infraestrutura das escolas do município.

A professora Antônia Reis participa da greve dos servidores, e segundo ela, a paralisação deve continuar até que os pedidos sejam atendidos.

“A classe dos servidores está firme, não vamos desistir até a segunda ordem, ou seja, até o cumprimento integral do Plano de Cargos Carreiras e Remuneração (PCCR) na câmara. Pedimos que o plano seja aprovado”, comentou.

A Secretaria de Educação disse que não irá se manifestar sobre o assunto por enquanto. 

No início de março trabalhadores da educação fizeram uma paralisação na frente da Prefeitura de Riachinho. No final do mês, uma assembleia geral foi realizada, e a categoria fez uma proposta para o município devolver o percentual que foi retirado dos salários.

Foi definido um prazo de 72 dias para que o município desse uma resposta. A prefeitura não deu nenhum posicionamento na época. Por isso, profissionais da educação decidiram entrar em greve por tempo indeterminado. (G1)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.