O prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas, assinou na manhã desta quinta-feira, 21, a ordem de serviço para construção do complexo da Nova Feirinha, que será implantado no primeiro quarteirão desocupado da antiga Feirinha, às margens da Avenida Filadélfia. O prazo para conclusão da obra é de 10 meses.

Conforme o resultado da Licitação 005/2017, publicado no Diário Oficial do Município, edição nº 1590, do último dia 19, a proposta vencedora da Concorrência foi apresentada empresa pela AP Empreendimentos Eireli, com o valor global de R$ 4.607.672,06. De acordo com Dimas, o valor é justo e abaixo da expectativa de custo.

“O prazo é de 10 meses, mas esperamos entregar a obra antes disto, o mais rápido possível. A verba para construção é oriunda de uma emenda da senadora Katia Abreu e o Município deve investir cerca de 10% do valor”, explicou o prefeito. Segundo o engenheiro da construtora, Eduardo Martins, a velocidade para entrega da edificação se dá pelo método de construção.

“Neste primeiro momento faremos a terraplanagem e o cercamento do local. A fundição deve demorar 30 dias e o novo complexo deve estar de pé em 90 dias. O uso de concreto pré-moldado agiliza muito nosso trabalho”, comentou o engenheiro sobre a planta elaborada pela equipe da Secretaria Municipal do Planejamento.

Revitalização

A construção do novo complexo faz parte do processo de revitalização do local, que além do espaço comercial, ainda terá espaço para instalação do complexo de delegacias do norte do Estado e área de lazer. Estes serão construídos na segunda etapa de desocupação, que está em fase de análise de patrimônio para posteriores acordos de indenizações. A próxima etapa tratará de 38 construções, a maioria usada como moradia.

Com a conclusão do novo complexo, os feirantes que estão atualmente no Galpão terão prioridade para realocação aos novos guichês. Enquanto os espaços deixados poderão ser usados pelos comerciantes que serão desocupados na segunda etapa do projeto.

Apoio

A revitalização do local conta com parceria de vários departamentos do Município e outras instituições, como a Defensoria Pública Estadual (DPE), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB – Seccional Araguaína) e a Polícia Militar.

De acordo com o defensor público Sandro Ferreira, a Defensoria vê com otimismo a construção da nova feirinha. “Não se trata só de um espaço de comércio local, mas também por representar a superação de uma zona na cidade que era abandonada pelo poder público”.

“A revitalização também teve uma preocupação de inclusão social pelo compromisso do poder público em manter os comerciantes que já exerciam seu ofício na antiga feirinha, desde que optasse por mudar ao novo complexo”, concluiu o defensor.

De acordo com o comandante do 2º Batalhão da PM, João Márcio Costa Miranda, a violência que existia na região diminuiu consideravelmente. “Tivemos um resultado positivo para segurança pública na região. A feirinha era um grande problema”.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.