Alunos da escola da Escola Estadual Gaspar Viana, localizada no município de Marabá, sudeste do estado, está quase 40 dias sem aulas após um desabamento que afetou o local. Parte do telhado da biblioteca desabou no dia 19 de maio e por questões de segurança o Corpo de Bombeiros precisou isolar a área já que o prédio contém problemas estruturais. Devido à falta de informação muitos pais estão pedindo a transferência dos alunos para outras escolas. A Seduc informou que está aguardando o processo de licitação para dar inicio as obras no local

Segundo os professores, as péssimas condições do prédio já tinham sido denunciadas anteriormente a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) antes do desabamento. Ainda com a categoria, foi protocolado junto ao Ministério Publico um pedido de fechamento do local alegando que a escola estaria cheia de rachaduras e infiltrações que poderiam causar acidentes. Dias após o documento ter sido protocolado o acidente aconteceu.

Na época do acidente a Seduc informou que a reforma do prédio seria feita em caráter de urgência, mas até agora nada foi feito no local. Mesmo com a ordem de interdição muitos funcionários continuam trabalhando normalmente na escola.

“A área deve permanecer interditada sob risco de acontecer alguma calamidade, de algum incidente e quem vai responder é justamente as pessoas que está autorizando o acesso desses funcionários, desses pais e desses alunos até a secretaria” disse Henoc Gomes, professor.

Em nota, a Seduc informou que as providências para abrigar a escola Gaspar Viana em um novo prédio estão sendo tomadas desde o mês de maio quando dirigentes da secretaria estiveram em Marabá visitando alguns prédios para poder transferir a escola. Ainda segundo a Seduc, nesta terça-feira (25), está sendo concluída mais uma etapa do processo de licitação da escola e depois que encerrar esse processo a reforma deve começar imediatamente.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.