As praias de Salinópolis são as preferidas por famílias inteiras no veraneio. Para muitos, o sol, o mar e a comida paraenses são, inclusive, motivo para dispensar balneários mais badalados do País nesta época do ano, como os do Ceará e Maranhão. Para quem leva as crianças e quer garantir a segurança e tranquilidade, o horário preferido é a partir de 15 horas, quando o calor fica mais brando e a agitação do intenso fluxo de pessoas é menor. Quem conhece, prefere a temporada menos agitada, que é dos primeiros finais de semana ou de segunda a sexta-feira.

O médico Rogério Lucena, 43 anos, é um dos que prefere a praia do Atalaia ao invés de balenários mais badalados. Morador de Imperatriz (MA), ele inclusive prefere Salinópolis ao invés dois famosos Lençóis Maranhenses. Ele também já passou praias conhecidas internacionalmente, como Copacabana, Angra e Ipanema, no Rio de Janeiro, mas sempre volta para o clima quente e água salgada do Pará. ‘Há 20 anos eu venho a Salinas sempre que posso e trago minha mulher e duas filhas. Gostamos do conforto, do clima, da receptividade e hospedagem. Este mês viemos passar cinco dias, mas já estamos pensando em quando vamos voltar para essa praia linda. Sempre que vamos embora fica a vontade de ficar’, diz.

A advogada Paola Santos, 26 anos, é outra veranista apaixonada por Salinópolis. Ela diz ficar maravilhada com a praia do Atalaia por não ter praias em Macapá (AP), onde mora com o marido e filha. Ela também costuma trazer duas famílias amigas para que todos se divirtam. Para ela, nem as praias de Forteleza (CE) são tão agradáveis e aconchegantes. ‘Há cinco anos venho em todas as férias para passar pelo menos cinco dias com minha famílias e amigos. Para nós, além de bonito, é mais perto. Antes costumávamos vir pela manhã, mas agora, com minha minha filha que ainda é pequena, mudamos o hábito para o meio da tarde, pois está menos quente e menos agitado’, explica. (O Liberal)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.