A primeira pesquisa Serpes/JTo também levantou a preferência do eleitor tocantinense na disputa pelas duas vagas para o Senado. E os números apurados na consulta estimulada mostram o ex-governador Marcelo Miranda (PMDB) e o senador João Ribeiro (PR) empatados tecnicamente com 23,7% e 22,8% dos votos, respectivamente.

Em terceiro lugar aparece o ex-prefeito de Porto Nacional Paulo Mourão (PT) com 14,7%, seguido pelo deputado federal Vicentinho Alves (PR) com 11%. A amostra revelou também que 24,2% dos eleitores entrevistados ainda não escolheram nenhum candidato, ao passo que 3,5% afirmaram que votarão nulo.

Nessa amostra, diferentemente da feita para a disputa ao governo, a base de entrevistados soma 2.002 eleitores, posto que cada um deles cita dois candidatos ao Senado.

Espontânea

Na consulta espontânea, a grande maioria dos entrevistados se mostrou indecisa. O levantamento aponta que 74,8% deles disseram não saber em quem votar para senador, ao passo que 1,1% afirmou que anulará o voto. A consulta revelou também que Marcelo Miranda e João Ribeiro seguem liderando a corrida, agora empatados com 8,8%. Em terceiro aparece novamente Paulo Mourão com 3,6% contra 2,8% de Vicentinho Alves.

Desempenho

Com preferência do eleitorado feminino (25,3%), Marcelo Miranda encontra mais respaldo entre os eleitores de 16 a 24 anos (25,5%), com ensino médio (24,3%) e em Guaraí (31,5%). João Ribeiro tem a preferência dos homens (25,1%), dos com 25 a 34 anos (27,1%), com curso superior (26,8%) e entre os da região de Araguaína (27,6%). Também mais citado pelos homens (15,9%), Paulo Mourão tem desempenho melhor entre os eleitores com 16 a 24 anos (16,1%), com ensino médio (17%) e na região de Porto Nacional/Jalapão (19,6%). Vicentinho, com mais respaldo entre os homens (12%), tem melhor performance entre aqueles de 25 a 34 anos (13,1%), com curso superior (14,1%) e em Porto Nacional/Jalapão (22,7%). (Marcelo Santo – Jornal do Tocantins)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.