download (3)Da redação

Levantamento detecta que mesmo com aumento na intenção do consumo, empresariado está sem esperança com atual momento do comércio da capital. 

Segundo pesquisa realizada em Palmas, pela Fecomércio Tocantins em parceria com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a confiança dos empresários caiu novamente esse mês, mesmo com o aumento na intenção do consumo. Em julho, o índice de confiança do empresário do comércio (ICEC) constatou uma variação mensal negativa de 4,8%, o índice geral chegou a 114,1 pontos. Foram entrevistadas 120 empresas nos últimos dez dias do mês de junho.

Sobre a condição atual, a maioria dos entrevistados (37,4%) respondeu que acredita que a economia piorou muito. 41,4% disseram que o setor do comércio melhorou pouco e 44,7% que a sua empresa melhorou pouco.

Para o presidente da Fecomércio Tocantins, Itelvino Pisoni, essa queda pode ter sido atenuada ainda pelos reflexos da copa do mundo. “No mês de junho e início de julho, muitas pessoas foram viajar para cidades onde tiveram jogos, e isso de certa forma pode ter afetado a economia, deixando os empresários receosos. Porém mesmo que acreditando pouco, os empresários responderam que o setor e a sua empresa melhorou pouco, isso é positivo”, ressaltou.

Segundo o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas da (CDL), Antonio Davi Gouveia, O que acontece é que a economia a nível nacional está com o crescimento estável. “Para conter a inflação o governo opta por medidas como o aumento dos juros e maior dificuldade de novos créditos, daí a consequência danosa é inevitável para a economia como um todo, no seu sentido macro” disse.

Ainda de acordo com ele o consumidor para de comprar porque falta crédito ou os juros no crediário estão altos surgindo aí uma roda viva: se o comprador para de comprar, a indústria vai parando e chega então o decréscimo nas vendas o que vem ocorrendo sistematicamente desde 2012.

A Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL registrou uma queda de 9,6% na comparação com o mesmo período de 2013. Por outro lado, o número de pessoas que recuperaram o  crédito cresceu 7,3%, fato positivo para a economia visto que consumidor está preferindo quitar seus débitos ao invés de contrair novas dívidas.

Em contrapartida o número de inclusão,  os que  se tornarão inadimplentes, cresceu 37,9%. Isso ocorre justamente pela falta do crédito e aumento dos juros que traz como consequência a retração.

Ainda de acordo com o presidente, a CDL  tem desenvolvido campanhas como AMOR DE PRESENTE EM DOSE DUPLA – Dia das Mães e Namorados com várias  premiações, exatamente para trazer esse aquecimento da economia.

Com relação à expectativa dos três itens: economia, setor e empresa, os empresários estão mais otimistas. 31,3% acreditam que a economia melhorará pouco. 40,4% esperam que o comércio melhore muito e 40% que melhora pouco, somados os que acreditam em uma melhoria de modo geral chega a 80,4%. Já sobre sua empresa, 51,9% acreditam que seu estabelecimento irá melhorar muito.

56,8% dos empresários pensam em aumentar pouco o número de funcionários e 49,2% irão investir pouco mais em suas empresas. Do total, 55,8% acham que seus estoques estão adequados.

De acordo com Davi, Agora com o fim da Copa, a volta às aulas e a movimentação política, poder haver um aquecimento do comércio nesse segundo semestre do ano.

“Para esse final de ano, estamos lançando já em outubro a nossa tradicional campanha Natalzão CDL,  onde apostamos que haverá uma movimentação bastante significativa” informou.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.