A Convenção do PSB, que referendou o ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha como candidato  a governador do Tocantins também confirmou os senadores Vicentinho Alves (PR) e Ataídes Oliveira (PSDB) candidatos a reeleição e o empresário de Gurupi, Oswaldo Stival (PSDB) como vice; formação improvável pelo menos até o primeiro turno da Eleição Suplementar para governador do Tocantins, ocorrida em junho.

Amastha disputou e perdeu o segundo lugar do pleito contra Vicentinho, a quem classificou de ‘velha política’ e ‘familiocracia’, em alusão ao fato do senador fazer parte de grupos políticos históricos do Estado e ter um filho deputado federal. Ao chegar à convenção, Amastha minimizou as criticas, dizendo que já tinha se reunido pelo menos sete vezes com Vicentinho, para “lavagem dos problemas”.

“O problema nunca foi com o senador, ele não é uma pessoa desonesta que tenha alguma mácula, nossa discussão era que como senador eu queria que ele cuidasse mais de Palmas”, explicou-se Amastha, alegando que considera estas coisas fáceis de serem resolvidas. “Não estávamos falando de caráter, falávamos de foco e como sempre, defendo que a nova política não são pessoas, por que em algum momento  todos participamos da política; estamos falando de atitudes”, afirmou.

A construção da aliança com Ataídes também não era esperada até meados de julho, uma vez que o senador chegou a manifestar intenção de disputar a Eleição Suplementar e pediu a desfiliação da prefeita Cinthia Ribeiro do PSDB, por ela apoiar Amastha naquele pleito. No entanto, vale destacar que Cinthia foi eleita vice-prefeita de Palmas junto com Amastha, na eleição de 2016, em aliança entre PSB e PSDB.

MDB

Outra aliança construída pelo grupo do candidato a governador Amastha foi com o MDB, do ex-governador Marcelo Miranda, a quem o ex-prefeito de Palmas também acusou muitas vezes de praticar a velha política e de ‘familiocracia’. Na convenção, Amastha disse que o partido seria bem vindo ao seu grupo, dada a grande capilaridade no interior do Estado.

No entanto, Amastha explicou que a participação do MDB será disputando as vagas proporcionais – deputados estaduais e federais – uma vez que a chapa majoritária já estaria fechada. “A gente sabe que o MDB tem um quadro muito importante de deputados, com grandes possibilidades de eleição. Que é um partido muito grande, principalmente no Tocantins e isso sem dúvida vai ser importante na conquista dessa vitória”, defendeu.

Sobre como pretende conduzir a campanha em que enfrentará o atual governador Mauro Carlesse (PHS) concorrendo à reeleição, Amastha disse que quer levar a disputa para o debate. “Vamos chama-lo para o debate, por que acredito que um governador não pode ser covarde. O princípio de alguém que pretende disputar um cargo é dar as caras para a população, parar com esse discursinho mentiroso de uma estabilidade que não existe”, disse ele, acrescentando que em seu plano de governo pretende apresentar projetos de desenvolvimento econômico, social, educação, saúde. “Está na hora não de discutir projetos de poder, mas de discutir um projeto político que tenha fundamento claro de gestão”, pontuou.

Ele disse ainda que a expectativa com a campanha é a melhor possível e classificou a chapa majoritária de ‘chapa dos sonhos’. “Estamos felizes e empolgados temos o melhor time e as melhores propostas e o Tocantins está precisando dessa grande virada. Com o PR e o PSDB temos uma formação que prestigia o meio produtivo, por que nossa ideia é juntar o setores da indústria, o comércio, o serviço e a política em prol do desenvolvimento do Estado”, finalizou. (Jornal do Tocantins)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.