verimage2Depois do impulso econômico pelo qual passa o Maranhão com as implantações da refinaria de petróleo (Bacabeira), da fábrica de celulose (Imperatriz) e da unidade de aciaria (Açailândia), o estado vai ganhar outro em 2010. Trata-se da primeira mina de exploração de ouro e metais não ferrosos, que será instalada no município de Godofredo Viana, no distrito de Aurizona.

O primeiro passo neste sentido foi feito durante um encontro com a governadora Roseana Sarney, a prefeita de Godofredo Viana, Conceição Matos e a direção da Mineradora Aurizona S/A, que contou ainda com a do vice-governador João Alberto. Um empreendimento, segundo a empresa mineradora, da ordem de R$ 80 milhões com uma geração de 1.200 empregos diretos e indiretos.

A governadora Roseana determinou a algumas secretarias, entre elas, Infraestrutura e Segurança Pública, que fossem feitos levantamentos no sentido de facilitar a criação da mina aurífera. A descoberta de ouro no município remonta aos padres jesuítas que usavam índios e escravos para retirar o metal dos aluviões.

“O governo vai ajudar na pavimentação asfáltica da estrada, que liga Godofredo Viana ao povoado de Manaus. Obra que facilitará o transporte até a primeira mina aurífera do Maranhão. Uma soma mútua de benefícios que transformará economicamente o município e, por isso, vim agradecer a governadora Roseana”, disse a prefeita Conceição Matos à saída do encontro.

O Governo do Maranhão também promoverá um estudo que vai solucionar o problema de energia nos povoados que vivem da exploração do minério. A Mineradora Aurizona já investiu cerca de R$ 30 milhões. “O Maranhão passa, num curto espaço de tempo, de grandes investimentos em várias regiões, os quais alavancarão a economia do estado, proporcionando à população geração de emprego e renda. E o governo tem feito sua parte”, afirmou o secretário de Estado de Indústria e Comércio, Maurício Macedo.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.