Apesar da determinação para que uma equipe especializada comece atuar na próxima semana no caso, o superintendente da Polícia Civil do Estado, Abizair Paniago, afirmou ao blog Patrulhaweb que o esclarecimento do assassinato de Isabel Barbosa Pereira está próximo. Ela foi encontrada morta em 28 de junho, em Xambioá. Ele, no entanto, afirmou que não poderia revelar detalhes do caso para não comprometer o trabalho das investigações.

“Já temos linhas de investigação consistentes que naturalmente não podem ser divulgadas enquanto não houver uma prova cabal sob pena de cometer alguma injustiça com alguém que não tenha débito ou também se lançar alguma acusação sem prova”, declarou.

Ele afirmou ainda que relatos da família motivaram a determinação do reforço de uma equipe especializada em homicídios para colaborar com a polícia de Xambioá. “Nos foram feitas algumas colocações, algumas situações que eu achei importante que nós reforçássemos a equipe do doutor Danilo [Brilhante, delegado do caso]”, disse. Ele fez questão de ressaltar que o delegado atua com competência.

Questionado sobre o conteúdo das informações dos parentes da vítima, afirmou não poder revelar, mas garantiu que “não é nenhuma linha que signifique uma mudança drástica do [trabalho] que já vem sendo feito”.

Exames

Um dos motivos pelo atraso da conclusão do inquérito é o resultado de exames de DNA feitos com parentes da vítima. Os testes foram enviados para outro Estado e a polícia aguarda os resultados. “O inquérito não tem como ir para a Justiça sem essa prova.” Outro problema, como relatou o superintendente, é a falta de “testemunhas presenciais” do crime.

O superintendente disse entender o incômodo para a família que traz a informação da prorrogação do inquérito, que já ocorreu duas vezes. “A prorrogação incomoda a família, mas é uma coisa jurídica e foi em cima de provas que estão sendo coletadas”, finalizou. (Portal CT – Patrulhaweb)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.