Professores de rede municipal de ensino de Carrasco Bonito, acusam a Polícia Militar de tentar intimidar educadores durante o Desfile da Independência que foi realizado nesta terça-feira, dia 9. Os educadores ameaçam entrar em greve e realizaram na segunda-feira, 8, um protesto contra a Prefeitura Municipal, reivindicando piso salarial da categoria e reposição salarial.

Devido os protestos de segunda-feira, os professores afirmaram que na terça-feira, policiais militares abordaram os profissionais da educação que participavam do desfile com camisas amarelas, usadas no protesto do dia anterior, coordenados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Tocantins (SINTET).

Segundo o grupo, um policial conhecido como Cabo Farias, teria abordado alguns professores, ordenando que os mesmos se retirassem do evento ou seriam tirados a força. Os servidores municipais, também alegam que o prefeito Carlos Alberto Rodrigues, estaria favorecendo professores que apoiaram sua candidatura em 2012 e prejudicando quem apóia candidatos ao governo do Tocantins, contrários à reeleição de Sandoval Cardoso.

“Os educadores estavam participando do evento, cumprindo sua obrigação, conforme convocação da Secretaria de Educação e foram ameaçados pela Policia Militar, para que se retirassem da programação e do desfile ou seriam tirados a força por estarem fazendo baderna, e que chamariam reforço se necessário. Respondendo ao argumento de um dos professores de que não estariam fazendo nenhuma baderna, apenas desempenhando seu papel, o policial afirmou que essa não era a denúncia que haviam recebido e voltou a afirmar que usaria a força se necessário. Ele considerou baderna nesse caso, o fato dos professores estarem usando camisetas amarelas, a mesma da manifestação, fornecida pelo SINTET”, relatou ao webjornal Folha do Bico o comunicador, Antonio Reis, da Rádio Fênix.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.