O monitor Isaac Willian Reis, que foi baleado no peito, no dia 4 de setembro, durante um princípio de motim no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, morreu na madrugada deste sábado (27), em um hospital de São Luís. O tiro partiu de um preso, que estava em uma das celas. A informação foi confirmada pela assessoria da Secrataria de Estado de Justiça e Administração Penitenciária (Sejap).

Ele chegou a ser submetido a um procedimento cirúrgico no Hospital Municipal Clementino Moura, o Socorrão 2, onde faleceu. Durante o tumulto no início do mês de setembro ocorrido na Penitenciária de Pedrinhas, além do monitor, três presos ficaram feridos: Marcelo Brício Ferreira, Carlos Henrique Santos da Silva e Wagner dos Santos Lima. Já o detento Thiago Costa do Santos, de 25 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu no mesmo dia, no hospital.

Houve troca de tiros e, em seguida, homens do Grupo Tático Aéreo (GTA), da Força Nacional, do Grupo Especial de Operações Prisionais (Geop) e da Polícia Militar foram enviados para o local para conter a situação.

A Penitenciária de Pedrinhas faz parte é uma das oito unidades do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, que também é formado pelo Centro de Detenção Provisória (CDP), Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ), Centro de Triagem (CT), Casa de Detenção, Presídio São Luís I e II (PSL I e PSL II) e Centro de Reeducação e Integração Social das Mulheres Apenadas (Crisma) ou Presídio Feminino (PF). O Complexo é conhecido internacionalmente pelos problemas de segurança gerados por fugas e mortes, e também foi palco de brigas de facções, com presos decapitados.

Segundo informações do Sindicato dos Servidores do Sistema Pentenciário do Maranhão (Sindspem-MA), e da Secretaria de Estado de Justiça e Administração Penitenciária (Sejap), somente este ano, 15 presos morreram no Complexo Penitenciário e 105 fugiram. A última fuga em massa registrada foi no dia 17 de setembro, quando 13 detentos escaparam do presídio após cavarem um túnel.

Visita suspensa
Parentes de presos estavam revoltados na manhã deste sábado (27) porque as visitas foram canceladas em duas unidades da Casa de Detenção. Os parentes não puderam entrar nos blocos B e C da Casa de Detenção, nem no bloco A da Central de Custódia de Presos de Justiça de Pedrinhas. Os motivos para o cancelamento das visitas não foram divulgados pela Sejap. (G1 MA).

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.