Policiais civis de Xambioá com o apoio de agentes policiais de Araguanã, ambos municípios localizados no Norte do Estado prenderam na manhã desta quinta-feira,20, Jairo Santana Brito ,25, pelo crime de latrocínio cometido contra um idoso em uma propriedade rural no município de Xambioá. O crime ocorreu no dia 21 de julho passado.

As investigações apontam que o acusado, juntamente com Acácio Pereira de Sousa, vulgo Capachão, mataram a vítima em sua residência e dali subtraíram uma motocicleta modelo Honda Biz Cor Vermelha, um capacete, uma guitarra e um smartphone, além de uma pequena quantia em dinheiro e outros objetos de pequeno valor.

Posteriormente, Jairo, que ficara com a motocicleta e a guitarra da vítima, atravessou a balsa para a cidade de São Geraldo do Araguaia/PA onde deixou os objetos na residência de seu primo, o qual após três dias tomou conhecimento da ilicitude dos produtos e teria devolvido à Jairo, que por sua vez abandonou a motocicleta e a guitarra naquele Município. A motocicleta foi recuperada ainda no mês passado e já se encontra de posse dos familiares da vítima, porém, somente nesta quinta-feira o acusado indicou onde teria dispensado a guitarra da vítima, cujo objeto foi recuperado pelos agentes policiais após uma varredura nas imediações do local indicado pelo autor. Jairo ainda esclareceu que teria cometido o Latrocínio sozinho, e que Acácio só teria chegado no local após o fato, porém que teria aproveitado que a vítima estava em óbito para subtrair alguns objetos da vítima.

De acordo com o delegado José Antônio da Silva Gomes que preside as investigações possivelmente será realizada uma acareação entre ambos, para maiores esclarecimentos do evento delituoso, uma vez que foi realizado busca domiciliar na residência de Acácio e no lugar foram encontrados diversos objetos que teriam sido reconhecidos pelos familiares da vítima como sendo de propriedade desta. (Wherbert Araújo)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.