Connect with us

Pará

10 municípios do Pará em estado de emergência

Publicado

em

Segundo a Defesa Civil Estadual, dez municípios da região oeste do Pará já decretaram situação de emergência, mas somente Alenquer, Óbidos e Porto de Moz estão com seus decretos homologados pela Defesa Civil Nacional. Na região, já são 115.136 pessoas afetadas pela enchente e só em Santarém são 20.377. De acordo com o subtenente Wanderley, do Corpo de Bombeiros, na manhã desta terça-feira o nível dos rios Tapajós e Amazonas na frente de Santarém marcou 8,02, registrando assim uma baixa de dois centímetros em relação ao ponto máximo que já chegou este ano. Ele informou ainda que a Defesa Civil Estadual tem madeira doada pelo Ibama e que será repassado para os municípios que já tiveram seus decretos reconhecidos. O primeiro contemplado foi Alenquer, onde a madeira já foi entregue à prefeitura. Outras ajudas, como cestas básicas, não estão sendo entregues porque ainda não chegaram até a Regional de Santarém. Ele informou ainda que Santarém foi um dos últimos municípios a decretar situação de emergência e toda a documentação já seguiu para Brasília, onde está sendo analisada, mas até o momento não há posição sobre o reconhecimento da emergência. Ele acredita que, como o ministro da Integração Nacional esteve em Santarém e pode ver de perto a situação, isso será rápido.

Vítimas da enchente dos rios Tapajós e Amazonas reclamam a falta de ajuda humanitária por parte da Defesa Civil. Várias residências estão sendo tomadas pela água, deixando inúmeras famílias desabrigadas e outras em situação de risco, tanto na região ribeirinha quanto em alguns bairros na zona urbana de Santarém, como Mapiri, Caranazal, Uruará, Pérola do Maicá e Urumanduba. No bairro do Caranazal, já nas proximidades do lago do Mapiri, dezenas de famílias sofrem com a enchente. Várias residências estão alagadas e os moradores reclamam do abandono por parte do poder público, que não tem prestado o apoio necessário a essas famílias. Segundo a senhora Deuzuita da Silva Sousa, 64, que reside na Alameda 03 de Junho, ela está usando seus poucos recursos para comprar madeira para suspender o assoalho da casa, uma vez que a água já cobriu o piso. A moradora afirma ter recebido ajuda de vizinhos na construção de pontes, porque até o momento não recebeu ajuda nenhuma do governo. Vizinhas à dona Deuzuita, dezenas de outras casas também estão afetadas pelas águas. No bairro do Mapiri, a situação não é diferente. Várias famílias tiveram que abandonar as casas devido à cheia e outras continuam no local, alegando que não têm para onde ir. As famílias se reuniram para construir pontes de acesso às residências enquanto aguardam a conclusão das casas do PAC. Os bairros Mapiri e Uruará não foram incluídos no decreto porque lá está sendo construída a orla fluvial contra alagamentos. (Diário do Pará)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Assista o Conexão Rural deste final de semana – Dias 16 e 17

Publicado

em

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Município e ANM assinam nesta quarta-feira Termo de Cooperação para regularização de mineradoras

Publicado

em

Buscando soluções que viabilizem empreendimentos minerários legalizados e sustentáveis, será assinado nesta quarta-feira, 13, o Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura de Parauapebas e a Agência Nacional de Mineração (ANM).

O evento será realizado no Hotel Vale dos Carajás, às 18h.

Em 22 de setembro a Prefeitura apresentou junto à ANM um documento com um plano de trabalho para indicar o interesse do município em firmar a parceria.


De acordo com o documento, o município coloca à disposição da ANM a equipe técnica da Secretaria Municipal de Mineração, Energia, Ciência e Tecnologia para contribuir com os processos de fiscalização da Contribuição Financeira por Exploração Mineral (Cfem) e de atividades de extração mineral, além de apoio em Processos Minerais.

“Segundo o cadastro da ANM, até dezembro de 2020, o município de Parauapebas registrava 761 Processos Minerais em todas as suas fases, desde requerimento até a autorização de lavra, representados por 197 pessoas físicas e jurídicas, com indicação de 29 substâncias minerais”, detalha o documento.

O município de Parauapebas tem longa experiência na fiscalização da Cfem, especialmente pelo trabalho desenvolvido desde 2007 em conjunto com o então Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), hoje ANM. Graças a essa sinergia, foram realizadas denúncias quanto à prática de preços externos da Vale S.A, que resultou no Processo de Cobrança nº 951.438/2009 e rendeu mais de meio bilhão de reais por meio da Execução Fiscal 0006181-37.2010.4.01.390.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Gilson Fernandes pode ser um dos nomes de Bolsonaro para federal

Publicado

em

O nome do líder dos pequenos mineradores, Gilson Fernandes, vem ganhando força no meio bolsonarista na região de Carajás, para disputar uma cadeira de deputado federal em 2022.

Gilson está a frente da Federação Brasileira da Mineração e da Cooperativa Brasileira da Mineração, e vem desde 2015 ganhando protagonismo nas pautas conservadoras e políticas alinhadas ao presidente Bolsonaro.

Gilson tem se mantido reservado quanto a possibilidade de aceitar disputar uma cadeira de deputado federal, mas vem sendo incentivado por correligionários do setor mineral e conservador da região de Carajás.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze