Local onde corpo foi encontrado

Vários amigos lamentaram, nas redes sociais, a morte do médico do Exército, Gabriel Costa Lima, de 28 anos. O corpo dele foi encontrado em uma estada vicinal próximo à Cachoeira dos Cristais, na Chapada dos Veadeiros, em Alto Paraíso de Goiás, região norte do estado. A Polícia Civil trabalha com a hipótese de execução.

Nos comentários da última postagem feita por Gabriel, na noite de quinta-feira (11), amigos e colegas escreveram mensagens de condolências à família da vítima.

Uma delas escreveu: “Muito triste! Meus sinceros sentimentos! Que Deus amenize tamanha dor de toda a família”.

Outra mulher mandou uma mensagem de apoio aos familiares e disse: “Que barbárie”. Uma terceira fica mais exaltada: “Malditos miseráveis”.

Gabriel era natural de Augustinópolis, na região do Bico do Papagaio, mas que atuava como médico-residente na Escola de Saúde, que fica no Rio de Janeiro. Os pais dele moram em Augustinópolis.

Crime

O corpo de Gabriel foi encontrado na madrugada de sábado (13), em uma fazenda, onde ocorreu, na noite anterior, uma festa de música eletrônica. O delegado Yasser Yassine, que estava de plantão no local do crime, disse que tudo indica que ele esteve na confraternização.

O delegado afirmou que Gabriel estava na cidade a passeio com uma amiga, que já foi ouvida, assim como outras testemunhas. No entanto, o delegado disse que não poderia passar o teor das oitivas para não atrapalhar as investigações.

Gabriel foi atingido nas costas, costela, nuca e bochecha, provavelmente disparados por uma arma calibre 32. Yassine afirma que os locais dos disparos sugerem a prática de uma execução.

“A suspeita é de execução pelo modus operandi do crime. Esses tiros na nuca e na bochecha nos leva a crer isso. Se fosse um assalto, não teria necessidade desses disparos. Porém, não descartamos outras hipóteses”, afirmou. (Com informações do G1)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.