O governador eleito Simão Jatene pediu em Brasília, a bancada federal paraense esforço prioritário às emendas coletivas que destinem recursos para a conclusão das obras que estão em andamento ou paralisadas no atual governo. Apesar de citar que o seu governo terá como meta reverter o atual quadro da saúde, da educação e da segurança no Estado, o novo governador afirmou que não adianta trazer uma lista de propostas para os parlamentares se as obras iniciadas na gestão anterior não forem terminadas.

“Independente de qualquer outra coisa, não podemos continuar reproduzindo isso, que é uma marca lamentável na gestão pública brasileira, que é essa questão das obras inconcluídas. É inaceitável. Em um País, que tem uma insuficiência de recursos diante das demandas da sociedade, não pode haver obras não concluídas. Essa tem que ser a nossa prioridade. Mais do que um pedido, esse deve ser um critério para a alocação de emendas. Se não você esteriliza recursos, que é uma coisa maluca em uma sociedade marcada por uma profunda desigualdade como a nossa”, defendeu.

O pedido do governador deflagrou que o processo transitório entre as duas equipes não segue na sintonia esperada. Em conversa reservada com a imprensa, Jatene revelou que ainda não sabe quais são as obras inacabadas do atual governo petista. Segundo ele, a sua passagem pela capital federal foi para tomar conhecimento desse rol de projetos que serão concluídos na sua gestão. “Fui eu quem sugeri, que a primeira pessoa a ser ouvida fosse do governo. O governo tem que dizer quais são as obras que estão paradas. Nós não sabemos quais são, apenas uma parte. E é isso o que nós estamos pedindo para a governadora, que ela nos dê esses esclarecimentos para que a gente saiba qual o nosso ponto de partida”, reclamou. (O Liberal)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.