As corregedorias das Polícias Civil e Militar de Marabá instauraram neste ano 131 procedimentos de investigação contra policiais lotados em 18 municípios da região sudeste do Estado. Na Polícia Civil, segundo a escrivã Romana Correa Natividade, que auxilia a corregedora regional Silvia Mara Ferreira Tavares, o que mais chama a atenção é o grande número de fugas em cadeias públicas. O órgão investiga se existe a cumplicidade de policiais civis. Além disso, também é grande a quantidade de inquéritos devolvidos pela Justiça porque os delegados os enviaram sem concluir as diligências.

A escrivã lembra que a Corregedoria Regional do Sudeste abrange 18 municípios desta região, tendo uma delegada, uma escrivã e um investigador para dar conta da demanda dos procedimentos, que tem Marabá como principal fonte de denúncias. De 1º de janeiro de 2010 até a última semana foram instaurados 51 procedimentos, a maioria por fugas de presos, principalmente em Parauapebas, onde os problemas com a segurança são enormes. ‘Mesmo assim, nós investigamos as denúncias de possível facilitação por parte dos policiais civis’, garante.

Com relação a Tucuruí, a maior demanda este ano foi pela existência de 143 inquéritos enviados à Justiça sem concluir as devidas diligências. Com isso, o juiz Cláudio Ernandes, da 3ª Vara Criminal dessa cidade, informou o fato à Corregedoria da Polícia Civil, em Belém, que determinou a apuração dos casos. Na Corregedoria Regional de Marabá, já deram entrada cerca de 100 procedimentos em que delegados não realizaram as devidas diligências. Nesses casos, a Corregedoria abre também um inquérito para avaliar a responsabilidade do delegado pelo não cumprimento de seu dever. ‘Em alguns municípios, entram delegados, saem delegados e as vezes relegam em realizar diligências em inquéritos que eles mesmos abriram’, criticou. (O Liberal)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.