IMG-20141107-WA0003

Uma ação de combate a criminalidade deflagrada, na tarde desta quinta-feira, 6, por policiais civis da 10ª Regional de Polícia de Araguatins, sob o comando do delegado, Hélio de Assis e coordenação do delegado regional, Eduardo Artiaga, resultou na prisão em flagrante, pelo crime de tráfico de drogas, de Gustavo Gonçalves Pereira, 53 anos de idade.

De acordo com informações do delegado regional, a captura de Gustavo, que é servidor público e exercia suas funções no Hospital Municipal de Araguatins, se deu em virtude do cumprimento a um mandado de busca e apreensão, expedido pelo Juízo da Comarca daquele município. A representação pela ordem judicial foi solicitada, pela autoridade policial, devido ao fato de as investigações realizadas pela PC, apontarem fortes indícios de que o suspeito estaria comercializado drogas.

IMG-20141107-WA0002

Por meio de monitoramento, os investigadores da 10ª Regional, descobriram que o acusado receberia uma quantidade considerável de drogas, a qual seria distribuída pela cidade. Diante destas informações, por volta das 16h, os agentes deslocaram-se até a residência do autuado, que fica localizada na Vila Miranda e, munidos do mandado judicial, efetuaram uma busca detalhada nos cômodos do imóvel onde encontram, cerca de um quilo de maconha prensada que estava escondida dentro da geladeira.

A droga estava prensada, sendo que a metade do entorpecente já estava dividida em porções de 50 gramas, já devidamente embaladas e prontas para a venda. Dando prosseguimento às buscas, os Policiais também apreenderam escondida na cozinha, 01 balança de precisão.

Dê imediato, foi dado voz de prisão a Gustavo que, após ser encaminhado a DP, foi autuado e recolhido na carceragem da Cadeia Pública de Araguatins onde permanece a disposição do Poder Judiciário. Esta é a segunda vez que o indivíduo é preso por tráfico de drogas, uma vez que ele já respondeu pelo mesmo crime, há alguns meses.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.