O Sindicato dos Policiais Civis (SINPOL-TO) decidiu que indicará nomes para o cargo de delegado chefe da Polícia Civil. Em Assembleia Geral realizada na tarde da última quinta-feira, 20, foi criada a comissão eleitoral para garantir que todos policiais participem da eleição para composição da lista tríplice.

O SINPOL-TO disse que junto com as associações da Polícia Civil procurou o Sindicato dos Delegados de Polícia Civis (SINDEPOL-TO) para juntos indicarem apenas uma lista com três nomes, mas segundo a sindicato, o SINDEPOL não aceitou a participação dos demais policiais. O SINPOL-TO disse ainda que em reunião no dia 13 de novembro, a presidente do SINDEPOL, Cinthya Paula, pediu compreensão e confiança por parte do SINPOL e Associações e sinalizou que o processo já estava definido. “Não queremos separar os delegados dos demais policiais”, ressaltou.

Para o presidente do SINPOL-TO, Moisemar Marinho, a indicação precisa ter a participação de toda a categoria para que seja estruturado um processo democrático. “O Chefe de Polícia, vai dirigir toda a categoria, e a Polícia Civil é composta por todos os cargos descritos no artigo 2º da Lei Estadual 1.654 de 2006, por isso toda a Polícia Civil tem o direito de participar” enfatiza Marinho. Conforme a Lei 1.654/2006 são policiais civis: delegado, escrivão, agente de polícia, médico legista, perito criminal, papiloscopista, agente de necrotomia, agente penitenciário, motorista policial e perito criminal.

Sem aceitar ficar de fora do processo de indicação a Assembleia  Geral escolheu para compor a comissão eleitoral os policiais civis, Neuma Kelen Carneiro da Silva, Sergio Henrique Moraes Lopes, Ubiratam Rebello, Magdiel dos Santos Lindoso e Hélio Pereira Marques. “Acreditamos que esta é maneira mais democrática para evidenciar o engajamento e união da categoria” enfatizou o presidente do SINPOL-TO.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.