Animais silvestres do mantenedor Gavião Real, em Capitão Poço, no nordeste paraense, foram remanejados, nesta terça-feira (6), para a Fundação Zoobotânica de Marabá. A ação foi coordenada pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), por meio da Diretoria de Fiscalização (Difisc), em parceria com o Instituto Evandro Chagas.

Foram transportados uma Panthera onca, um Gato-maracajá (Leopardus wiedii) e uma jaguatirica (Leopardus pardalis). Além disso, três macacos aranhas (Ateles paniscus) foram para o Centro Nacional de Primatas (CENP). Também compõem os animais silvestres um filhote de macaco prego, um macaco prego adulto, um papagaio e uma jacucaca, ave que pertencia ao plantel do mantenedouro.

Para Rafael Furtado, zootecnista e técnico no Centro de Investigação e pesquisa biomédica do CENP (Evandro Chagas), a parceria com a Semas já funciona a partir da preservação de espécies e também na área de educação ambiental. “Na viagem passada, resgatamos mico-leão-dourado e ‘mico argentatus’, esses animais já se reproduziram e compõem nosso plantel de exposição para visitação de pesquisadores e acadêmicos”, lembrou. Quem também participou da missão foi médico veterinário José Jones. O profissional foi peça fundamental no trabalho realizado pela Gerência de Fiscalização de Fauna e Recursos Pesqueiros (Gefau).

A ida desses animais para Marabá atende decisão judicial, devido o  falecimento do dono do mantenedor que detinha os animais como depositário. Já é a sexta vez que ocorre a operação por meio da Gerência de Fiscalização de Fauna e Recursos Pesqueiros. As primeiras ações contabilizaram destinações de mamíferos, répteis e aves, e essa visa encaminhar os últimos mamíferos restantes no Gavião Real.

A gerente da Fiscalização de Fauna e Recursos Pesqueiros, Solange Gomes Chaves, falou sobre mais essa etapa realizada com sucesso. “Esses são os últimos mamíferos que estamos destinando, estes estavam aguardando um local para destinação”. Essa força tarefa só foi possível devido a colaboração de diversos profissionais e contando com o apoio da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), que por meio de seu prefeito, Heriberto Ferreira de Figueiredo, e toda a equipe da marcenaria, confeccionaram duas caixas de transporte de animais que foram de extrema importância para o deslocamento seguro dos mamíferos. (Nilson Cortinhas)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.