No dia em que o município de Anapu comemorou 14 anos de emancipação política, o governo do Estado entregou obras e serviços que atenderão aos cidadãos locais, beneficiando comerciantes, estudantes, empresários, além dos demais moradores e visitantes no município.

Recebida por Chiquinho Sousa e Délcio Fernandes, prefeito e vice-prefeito de Anapu, respectivamente, a governadora Ana Júlia Carepa e sua comitiva seguiram na manhã de sábado, 11, para a inauguração da pavimentação da rua Nossa Senhora Aparecida, executada através de convênio entre o governo do Estado e prefeitura de Anapu. Por meio deste convênio, foi garantida a pavimentação de 1.500 metros de ruas. “Essa é só a primeira etapa. Ainda pavimentaremos mais de um quilômetro em outras vias”, garantiu o prefeito Chiquinho, ao comentar sobre a pavimentação em blokrets das vias do município.

Acompanhada do secretário de Estado de Integração Regional, André Farias, do deputado federal Zé Geraldo, e do deputado estadual Airton Faleiro, a governadora caminhou por quase toda extensão da rua Nossa Senhora Aparecida. Para a vendedora Nilza Cândida, do comercial Estilo Moda, os blokrets já estão refletindo no volume de vendas.

“Como trabalhamos com confecção, a poeira e lama da rua espantavam a clientela. Agora com os blokrets e calçadas, além de ter diminuído a sujeira, nossos produtos ficam mais atrativos para os clientes, que podem visitar nossa loja e experimentar roupas com mais tranquilidade”, comentou Nilza, moradora do bairro Novo Progresso.

Além dos moradores e comerciantes instalados nas ruas que receberam o revestimento em blokrets, quem comemora também são os empresários do segmento de concretagem, que puderam expandir sua produção para atender as necessidades exigidas pela obra em Anapu. “Agradecemos pela governadora ter olhado de forma especial para Anapú. A Associação hoje pode comemorar o reconhecimento e respeito por parte do poder público ao setor do comércio”, disse Ezequiel Firmino, presidente da Associação comercial, agroindustrial e pastoril da cidade.

Para um público de mais de 1.500 pessoas que esperava a chegada da governadora no Centro de Cultura e Lazer “Irmã Dorothy Stang”, Ana Júlia anunciou a inauguração das ruas pavimentadas e falou ainda sobre a chegada de mais um ônibus para o transporte escolar, uma roçadeira articulada agrícola, já entregues neste sábado, além de um caminhão ¾, que deve chegar ao município na próxima semana.

A governadora ainda apresentou uma unidade de ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e uma viatura a serviço da Vigilância Sanitária para atender Anapu e municípios próximos, como Pacajá. “Reformamos escolas, distribuímos pela primeira vez kits escolares em todos os municípios do Pará; trouxemos o ensino superior para Anapú através da Uepa. E ainda concedemos 200 bolsas trabalho para os jovens de Anapú que tinham vontade, mas faltava o incentivo e capacitação desse público”, elencou Ana Júlia. Anapu é um dos 50 municípios paraenses que tem a presença da Universidade do Estado do Pará (Uepa).

Energia

A governadora Ana Júlia defendeu a instalação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte ratificando que não existe desenvolvimento, geração de emprego e renda sem energia elétrica. Mas defendeu que esse desenvolvimento aconteça de forma ordenada e, já que toda ação de desenvolvimento atinge inevitavelmente o meio ambiente, os empreendimentos precisam compensar o meio ambiente, população e sociedade afetada pelas obras, no caso, pela barragem de Belo Monte.

“De fato, o projeto Belo Monte não nasceu com a devida preocupação com o meio ambiente, por isso que ficou engavetado por anos. Observando a importância do projeto e da necessidade dos cuidados sócio-ambientais, refizemos o projeto, com todas as precauções necessárias e agora Belo Monte é outra”, explicou Ana Júlia, pontuando alguns das ações de compensação que já estão em andamento, como a construção de um posto de saúde equipado e com equipe médica em Belo Monte, reforma e ampliação do hospital municipal de Anapú, distribuição do sistema de água e saneamento em Belo Monte. E ainda a construção de 22 salas de aula, entre Anapú e Belo Monte. Ana Júlia ressaltou que mais de R$ 3,7 bilhões serão empregados em obras de compensações.

“Foram cinco anos de estudos e avaliações para este novo projeto, que é 100% diferente daquele de 20 anos atrás. A área a ser inundada é 60% menor e está garantida a preservação das terras indígenas que antes seriam atingidas pelo lago da hidrelétrica”, defendeu a governadora, que ainda citou que as 16 mil pessoas que hoje vivem em palafitas serão remanejadas para moradias mais dignas.

Mais segurança

Durante a solenidade, a governadora Ana Júlia entregou nas mãos do tenente-coronel Lauri as chaves do espaço onde funcionará a 16ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), com um efetivo de 30 policiais militares. O tenente-coronel disse que os PMs atuarão na área que segue desde a hidrelétrica de Belo Monte, passando por Anapu, até o município de Pacajá.

“Não recebemos apenas um batalhão. Temos um efetivo que foi destacado efetivamente para cá, além de viaturas, equipamentos, armamento, munição, além de outros instrumentos fundamentais para que o nosso serviço seja realizado”, afirmou o militar, que é comandante do 16º Batalhão de Polícia Militar. (Renata Biondi)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.