operacao_4

Durante a Operação Horus realizada pela Polícia Civil nesta quarta-feira (21), vários mandados de prisão foram cumpridos nos presídios do Tocantins. A informação do delegado Guilherme Rocha, titular da Delegacia Especializada na Repressão a Narcóticos (Denarc) é que os chefes da quadrilha comandavam o grupo de dentro das cadeias. A operação está sendo realizada para combater uma das maiores organizações da região.

Foram cumpridos mandados na Casa de Prisão Provisória de Palmas, no Presídio Luz do Amanhã em Cariri do Tocantins e no Presídio Barra da Grota, em Araguaína.
“É uma demonstração de que mesmo presos eles não deixavam de traficar. Na verdade, eles até expandiram porque adquiriram mais contatos e conseguiram aumentar mais o leque, tanto de mercado de distribuição, como de contatos pra fazer mais drogas para o estado”, explicou o delegado.

Ao todo, 59 mandados judiciais estão sendo cumpridos no Tocantins e em mais três estados: Goiás, Bahia e Sergipe. Destes, são 21 mandados de prisão preventiva e 19 de prisão temporária.
Rocha afirmou que a quadrilha era bem estruturada e os membros se dividiam em várias funções.

“Havia funções pré-definidas, como segurança armada, a parte contábil, a parte financeira, a parte de logística, bem como a parte de distribuição. Então essa organização era altamente sincronizada, organizada e movimentava volumosos carregamentos de entorpecentes de Goiás para o Tocantins”, informou.

Entenda

A operação foi deflagrada para combater o tráfico de drogas. Os suspeitos que são alvo da operação pertencem a uma das maiores quadrilhas de narcotráfico da região, segundo a polícia.
Ao todo, 90 policiais participam da operação, que é realizada pela Delegacia Estadual de Repressão a Narcotráfico e pelo Ministério Público Estadual. Estão sendo cumpridos 21 mandados de prisão preventiva, 19 de prisão temporária e 19 de busca e apreensão.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.