Mais uma vez o município de Imperatriz tem destaque nacional de maneira positiva. A economia da cidade apresenta desde 2002 uma evolução do Produto Interno Bruto, PIB. Saiu de R$ 1.024.661,00 em 2002 para R$ 5.964.890,00, com uma variação de 482,13%.  Quando se observa a evolução ano a ano, verifica-se que apenas de 2006 para 2007 não houve variação positiva, em todos os outros períodos a mudança foi ascendente, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE.

Eduardo Sousa Soares, secretário de Desenvolvimento Econômico, explica o estudo do PIB. “O mais importante é perceber o que mudou nos últimos anos no cenário econômico. Antes, o que predominava era setor de comércio e de prestação de serviços e hoje quem mais produz é a indústria. Temos agora uma cidade com PIB industrial”.

É importante destacar a evolução do setor industrial que, sobretudo, a partir de 2010 vem apresentando um crescimento constante. “Ao analisar somente os setores de indústria e serviços de Imperatriz é possível verificar que a partir de 2010 a participação da indústria começa a ter maior presença enquanto a participação dos serviços passam ter quedas de participação no PIB total. Isso é bastante relevante, pois historicamente Imperatriz sempre teve uma grande participação do setor de serviços em sua economia e há, sobretudo, a partir de 2010 uma mudança deste cenário” – explicou Fernando Babilônia, diretor executivo da Sedec.

O setor industrial tem picos de grande crescimento em 2003 (38,8%), 2006 (56,4%), 2012 (78,3%) e em 2015 (54,4%), no período de 2003 a 2015 a variação média do setor indústria foi de 22,2%. Já o setor de serviços não teve grandes picos de crescimento e em 2015 apresentou uma queda de 11,4%, na média de 2003 a 2015 o setor de serviços teve uma variação de 13,6%.

Imperatriz também é destaque em outras pesquisas. Segundo dados divulgados pela revista Homify, Imperatriz está entre as dez cidades com menor custo de vida do Brasil. Com mais de 255 mil habitantes, a segunda maior cidade do Maranhão tem economia alavancada por ser um dos principais polos energéticos do Nordeste e possuir diversidade cultural, comercial e econômica. Também entram na lista JI-Paraná (RO),Sobral (CE), Viçosa (MG), Teixeira de Freitas (BA), Novo Hamburgo (RS), Uberaba (MG), Mossoró (RN), Anapólis (GO) e  Guaratinguetá (SP). (Luana Barros)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.