Durante a audiência pública realizada na manhã desta quarta-feira (13),  na sede da Vara Agrária de Marabá, sobre o cumprimento de mandado de reintegração de posse da fazenda Santa Tereza, o comandante de Missões Especiais, coronel Sandro Queiroz, informou que o Comando de Missões Especiais (CME) não tem competência legal para fazer investigação em áreas de conflitos agrários e reiterou que a Polícia Militar cumpre exatamente o que determina o mandado de reintegração de posse, assim como, as unidades de policiamento da região de Marabá.

“O principal objetivo da Polícia Militar é  garantir a ordem e a integridade física dos oficiais de justiça, ocupantes e demais envolvidos na operação”, destacou o coronel Queiroz.

A reunião presidida pelo juiz Amarildo José Mazutti, contou com a participação do Defensor Público Agrário, Rogério Siqueira; Oficiais de Justiça; advogados dos proprietários da fazenda Santa Teresa e do MST, Polícia Civil, Comissão de Direitos Humanos da Alepa e representantes do Conselho Tutelar e Secretaria de Assistência Social do município.

Em ata assinada pelos participantes da audiência, os representantes do acampamento Hugo Chávez se comprometeram em fazer a desocupação com transporte próprio para evitar a utilização de força policial.

A Secretaria de Assistência Social providenciará transporte escolar para as crianças, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação. O Conselho Tutelar de Marabá também acompanhará a ordem de reintegração.

A fazenda Santa Tereza mede 545 alqueires e está ocupada por 150 famílias desde junho 2014. A ação de reintegração  prevista para ser realizada nesta quinta-feira (14) contará com o apoio de 60 militares do Batalhão de Choque, Batalhão de Polícia Tática, Companhia Independente de Operações Especiais, Regimento de Polícia Montada e Corpo Militar de Saúde. (Cristiani Sousa)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.