Foi realizada na noite de quinta-feira, 14, em Tocantinópolis, a cerimônia da 18ª formatura do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd). A solenidade aconteceu na quadra da Escola Paroquial Cristo Rei, onde 383 alunos do 5º ano do Ensino Fundamental de diversas escolas receberam o certificado do Proerd, dentre elas a Escola Estadual Tekatô, da aldeia indígena Mariazinha.

Na região da 5ª Companhia Independente da Polícia Militar, o Proerd já formou mais de 12.000 alunos das redes municipais, estaduais, conveniadas e particulares desde 2005, ano em que o programa foi implantado na Unidade. A participação de crianças vindas de uma aldeia indígena é inédita.

Durante o curso, as crianças saíam uma vez por semana, da aldeia até a sede da Diretoria Regional de Ensino, em Tocantinópolis, onde foram realizadas as instruções, com duração de 01h30. Nas aulas os alunos tiveram a oportunidade de aprender os riscos de se envolverem com entorpecentes, bebidas alcoólicas e violência. Ainda tiveram atividades coletivas que estimularam a amizade, o respeito e o trabalho em equipe.

O comandante da 5ª CIPM, major Fioravan Teixeira Silveira, avaliou como positivo o projeto voltado para as crianças da aldeia. “É um momento ímpar poder proporcionar à equipe do Proerd o envolvimento com o alunos indígenas, era um sonho antigo da Unidade implantar o projeto. Pretendemos dar continuidade e expandir o programa educacional nas demais aldeias do município”, destacou o comandante.

Presença

Estiveram presentes na solenidade, o prefeito de Tocantinópolis, Paulo Gomes de Sousa; o Cacique da aldeia indígena Mariazinha, José Kunduka Ribeiro Corredo; o comandante da 5ª CIPM, major Fioravan Teixeira Silveira; o coordenador operacional do Proerd, capitão Leonardo Amorim Teixeira,  além de outras autoridades indígenas, militares, secretários, vereadores, diretores de escolas, professores, pais e alunos. (Mariele França)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.