Connect with us

Tocantins

12,3% dos tocantinenses fizeram teste para Covid19 até setembro, aponta IBGE

Publicado

em

A edição mensal da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid19 (PNAD Covid19), divulgada nesta sexta-feira, 23, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estima que no Tocantins o número de pessoas que fizeram algum teste para saber se estavam infectadas pelo novo coronavírus aumentou 27,4% em setembro frente ao mês anterior, chegando a aproximadamente 195 mil, o equivalente a 12,3% da população do estado. Entre todas as pessoas que fizeram o procedimento em setembro, 28,7% foram diagnosticadas com o novo coronavírus, cerca de 56 mil pessoas (12 mil ou 27,2% a mais em um mês). Quanto ao comportamento diante da pandemia 34 mil pessoas (2,1%) não adotaram qualquer medida de restrição de contato.

A pesquisa aborda três tipos de testes: o SWAB, exame em que o material é coletado com cotonete na boca e/ou nariz; o teste rápido com coleta de sangue por um furo no dedo; e o exame com sangue retirado na veia do braço. O Distrito Federal (22,2%) foi a Unidade da Federação com maior percentual de pessoas que fizeram testes, seguido por Piauí (17%) e Goiás (16%). Tocantins figurou em 6º lugar e Pernambuco registrou a menor proporção (6,8%).
Conforme a PNAD Covid19, dos tocantinenses testados 53,2% eram mulheres e 46,8% eram homens. A maioria tinha faixa etária de 30 a 59 anos de idade (49,4%) e 20 a 29 anos (24,6%).

Os demais tinham entre 10 a 19 anos (10,3%), 60 anos ou mais (10,1%) e 0 a 9 anos (5,6%). Em relação ao nível de instrução, 37,4% tinham ensino médio completo ou superior incompleto, 26,8% não tinham instrução ou apenas fundamental incompleto, 23,2% superior ou pós-graduação e 12,6% possuíam fundamental completo ou ensino médio incompleto. Já o rendimento domiciliar per capita de 64,7% era de meio até dois salários mínimos.

Em setembro, na população tocantinense, haviam cerca de 304 mil pessoas, ou seja, 19,2% do total, com alguma doença crônica entre as pesquisadas, sendo a hipertensão a mais frequente (11%). As demais prevalências foram: asma ou bronquite ou enfisema (4,9%); diabetes (4,2%); depressão (2,3%); doenças do coração (1,8%) e câncer (0,5%). Alguns entrevistados citaram mais de uma comorbidade. O percentual de pessoas com alguma dessas doenças e que testou positivo para a Covid-19 foi de 4,4% (cerca de 13 mil). Do total da população do estado, a proporção ficou em 0,8%. No mês de agosto foram registrados 3,1% e 0,5%, respectivamente.

Conforme o IBGE, cerca de 81 mil tocantinenses (5,1% do total da população) apresentaram algum dos 12 sintomas de síndrome gripal pesquisados (febre, tosse, dor de garganta, dificuldade de respirar, dor de cabeça, dor no peito, náusea, nariz entupido ou escorrendo, fadiga, dor nos olhos, perda de cheiro ou de sabor e dor muscular.). Em comparação ao mês de agosto (7,3%) houve queda. Os meses de maio (9,4%) e junho (7,6%) registraram os maiores percentuais, julho teve proporção de 6,2%.

O Instituto ainda estimou que 16 mil pessoas que moram no Tocantins (1% da população) apresentaram sintomas conjugados (simultâneos) de síndrome gripal que podiam estar associados à Covid19 (perda de cheiro ou sabor e tosse – febre, tosse e dificuldade de respirar – febre, tosse e dor no peito). Em relação ao mês anterior (1,4%) o indicador ficou estável.

Dos tocantinenses que apresentaram algum dos 12 sintomas de síndrome gripal, cerca de 29 mil (35,6%) procuraram atendimento em estabelecimento de saúde e 52 mil (64,4%) não buscaram assistência médica. Por outro lado, das pessoas que tiveram um conjunto de sintomas associados à Covid19, a maioria (aproximadamente 12 mil ou 73,5%) procurou atendimento, os demais (4 mil ou 26,5%) não foram a postos de saúde, UPAs, pronto-socorros nem hospitais públicos ou privados.

Isolamento social

Quanto ao comportamento diante da pandemia, o IBGE estima que 34 mil pessoas (2,1% da população) não adotaram qualquer medida de restrição de contato em setembro. Em agosto esse contingente era de 23 mil ou 1,4%. De acordo com os resultados, 579 mil (36,6%) reduziram o contato mas continuaram saindo de casa; 714 mil (45,2%) ficaram no domicílio e só saíram em caso de necessidades básicas e 236 mil (14,9%) ficaram rigorosamente isolados. Esse último indicador frente a agosto (271 mil ou 17,2%) registrou queda.

Na comparação por sexo, as mulheres registraram percentuais maiores que os verificados para os homens em medidas mais restritivas de isolamento, em setembro. Em relação aos grupos de idade, crianças e idosos respeitaram mais o distanciamento social: dos que ficaram no domicílio saindo apenas em caso de necessidade 27,1% tinha de 0 a 13 anos de idade e 14,2% 60 anos ou mais. Já dos que ficaram rigorosamente em casa 52,7% era da primeira faixa etária e 16,4% da segunda. Por outro lado, os tocantinenses com idade entre 14 a 29 anos e 30 a 49 anos se destacaram por não terem adotado qualquer medida de restrição de contato (45,1% e 28%, respectivamente).

Indicadores escolares

No Tocantins, aproximadamente 405 mil pessoas de 6 a 29 anos de idade estavam matriculadas em escola ou universidade em setembro, representando 61,3% da população desta faixa etária. Em relação à disponibilização de atividades escolares, 27,3% dos estudantes não tiveram atividades, 69,9% tiveram e 2,7% não tiveram porque estavam de férias. Em agosto, os resultados foram 38,6%, 56,3% e 5,1%, respectivamente. O que significa que houve aumento na disponibilização de tarefas.

Segundo a pesquisa, cerca de 29,6% dos estudantes tocantinenses do ensino fundamental e 21,6% dos alunos do ensino médio ficaram sem atividades escolares para realizar durante o mês de setembro. Na graduação a proporção foi de 26,5%. Em relação a agosto, nota-se que houve aumento na disponibilização de tarefas em todos os níveis escolares: de 51,5% para 67,7%, no ensino fundamental; de 66% para 76,9%, no ensino médio; e de 61,4% para 69,1%, no ensino superior.

Empréstimos

A PNAD Covid19 também registra dados de pedidos de empréstimos. No estado, do início da pandemia até setembro em aproximadamente 28,1 mil domicílios (5,8% do total) algum morador solicitou dinheiro emprestado (pode ocorrer que mais de uma pessoa da mesma casa tenha feito o pedido). O IBGE estima que em 23,1 mil domicílios (4,7%) os pedidos foram atendidos e nos demais (4,6 mil ou 1%) o crédito não foi concedido. Isso significa que 82,2% dos lares tiveram a solicitação atendida. Em relação a agosto, esses indicadores ficaram estáveis.

Na análise dos pedidos de empréstimos segundo as fontes, a categoria banco ou financeira foi a mais frequente (77,1%). O percentual de domicílios onde algum morador conseguiu empréstimo com amigos ou parentes ficou em 24,5%, com outra pessoa ou local 2,1% e com empregador ou patrão 0,8%.

Itens de higiene

Outro tema abordado foi a existência de itens básicos de limpeza e proteção. Os dados mostram que em quase todos os lares tocantinenses haviam sabão ou detergente (99,5%), máscara (99,6%) e água sanitária ou desinfetante (98%). O álcool 70% ou superior estava presente em 96,2% dos domicílios, enquanto as luvas descartáveis estavam presentes em somente 28,3% das unidades domiciliares. Em agosto, esse índice era de 31%, ou seja, houve queda.

Assim como nos meses anteriores, a pesquisa revela que os itens básicos de limpeza e proteção estão mais presentes em domicílios com rendimento mais elevado. Destacam-se no Tocantins a menor presença de álcool 70% ou superior em lares com menos de meio salário mínimo per capita (93,9%) e de luvas descartáveis (21,9%). Esses materiais registraram índices de 99,1% e 52,8%, respectivamente, nos domicílios com renda per capita de quatro ou mais salários mínimos.

Cenário nacional

O IBGE estima que até setembro, cerca de 21,9 milhões de brasileiros (10,4% da população) haviam feito algum teste para saber se estavam infectadas pelo coronavírus (até agosto esse número estava em 17,9 milhões de pessoas, ou 8,5% da população). Entre essas pessoas, 22,1% (ou 4,8 milhões) testaram positivo.

Entre os 211,4 milhões de residentes, cerca de 6,4 milhões (3%) não fizeram qualquer medida de restrição em setembro; 84,1 milhões (39,8%) reduziram o contato mas continuaram saindo de casa; 85,3 milhões (40,3%) ficaram em casa e só saíram em caso de necessidades básicas; e 34,5 milhões (16,3%) ficaram rigorosamente isolados. A região Norte apresentou o maior percentual de pessoas que não fizeram restrições (6,6%), seguida da região Nordeste (3,2%), Sudeste (2,8%), Centro-Oeste (2,4%) e Sul (1,6%).

Na comparação entre os estados, o Pará (10,2%) apresentou o maior percentual de pessoas que não adotaram qualquer medida de restrição, seguido do Amapá (7,9%) e do Maranhão (5,8%). Tocantins, com proporção de 2,1%, figurou em 17º lugar no ranking e o Acre registrou o menor percentual (0,8%). (Wendy Almeida de Araujo)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Tocantins

Tocantins acumula mais de 80 mil contaminados pela Covid-19

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que nesta quinta-feira, 26 de novembro, foram contabilizados 241 novos casos confirmados para Covid-19.

Deste total, 69 foram registrados nas últimas 24 horas e o restante por exames coletados em dias anteriores e que tiveram seus resultados liberados na data de ontem.

Desta forma, hoje o Tocantins registra um total de 254.508 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 80.450 casos confirmados da doença. Destes, 72.849 pacientes estão recuperados e 6.446 estão ainda ativos (em isolamento domiciliar ou hospitalar), além de 1.155 óbitos.

Clique AQUI e veja o boletim completo.

Continue lendo

Tocantins

ARAGUAÍNA: Cristo tem iluminação especial no Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher

Publicado

em

Quem passou pelas proximidades do setor Pedra Alta, nessa quarta-feira, 25, viu a imagem do Cristo Redentor de Araguaína alaranjado. A iluminação diferenciada foi uma referência ao Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher. A data é escolhida pelas Nações Unidas (ONU), em 1999, em homenagem às irmãs Mirabal (Pátria, Minerva e Maria Teresa), assassinadas pela ditadura de Leônidas Trujillo na República Dominicana, na década de 1960.
 
Conhecidas como “Las Mariposas” (as borboletas), essas mulheres eram ativistas contra o regime de Trujillo. Eram nascidas em uma família rica da província dominicana de Salcedo (hoje chamada de Hermanas Mirabal), com cursos universitários, casadas, com filhos e tinham cerca de uma década de protestos.
 
Reforma

A estátua do Cristo e as imediações estão sendo revitalizadas. A iluminação já está pronta e é realizada por cinco projetores em LED, que podem receber vidraria colorida para refletir na imagem. O sistema que liga a iluminação é automatizado para garantir economia de energia durante os horários de sol.
 
A partir de dezembro, o monumento passará para cor vermelha em alusão ao Natal e também mês da doação de sangue.
 
Combate contra a violência

A Secretaria da Assistência Social tem atendimento especializado no Centro de Referência de Assistência Social (CREAS) para mulheres que sofrem violência doméstica e ainda estimula a independência financeira com cursos profissionalizantes gratuitos. Para ter acesso o atendimento o telefone é 99973-9729.
 
“Nós percebemos que grande parte das mulheres que sofrem violência tem medo de sair de casa não só por medo do companheiro, mas também pela dependência financeira. Então, fornecemos a ajuda psicológica e educativa para transformação dessa mulher”, afirmou Lucas Andrade, diretor de Proteção Social Especial.

Continue lendo

Tocantins

Comerciantes no interior do Tocantins são acusados de reter cartões bancários de indígenas e idosos

Publicado

em

A Polícia Civil do Tocantins, por meio da 69ª Delegacia de Polícia de Tocantínia, deflagrou na manhã desta quinta-feira, 26, em Tocantínia, a 60 km de Palmas, a operação Borduna contra comerciantes que estariam, em tese, retendo cartões bancários dos povos indígenas Xerente, idosos e demais pessoas.  Coordenada pelo delegado-chefe da 69ª DP, Hismael Athos, a operação teve o objetivo de cumprir seis mandados de busca e apreensão, resultando na apreensão de diversos cartões e senhas anotadas em papéis.

De acordo com a autoridade policial, as investigações iniciaram após o Ministério Público Federal (MPF) enviar notícia crime para Polícia Civil de que cartões bancários referentes a auxílios do Governo Federal eram retidos por comerciantes daquela cidade para garantir o pagamento de produtos alimentícios adquiridos pelas vítimas em estabelecimentos comerciais específicos.

O delegado, Hismael Athos, informou ainda, que os cartões permaneciam de posse dos comerciantes e, à medida que os benefícios eram depositados, os respectivos valores eram debitados das contas. Segundo a autoridade policial, há indícios de que os comerciantes sabiam inclusive as senhas bancárias dos indígenas e realizavam esses saques mensalmente.

O delegado ressaltou que é crime reter cartão de idoso. Informou ainda, que inicialmente, a Operação servirá de alerta para que os povos indígenas tomem posse dos seus documentos e cartões pessoais. “Orientamos que os beneficiários dos recursos busquem pessoas de sua confiança para realizar os saques bancários e jamais entregue seus cartões bancários a terceiros”, afirma a autoridade policial.

Operação Borduna

A operação foi batizada de Borduna em homenagem espécie de armamento indígena com o referido nome, fabricado em madeira maciça e utilizado em caçadas ou mesmo para em situações de ataque e defesa dos povos indígenas. (Patricia de Paiva)

Continue lendo
publicidade Bronze