Connect with us

Tocantins

5,6% dos tocantinenses realizaram testes para Covid-19 até julho e 2,2% não adotaram o isolamento

Publicado

em

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima que desde o início da pandemia, até julho, cerca de 5,6% da população tocantinense (89 mil pessoas) haviam feito algum teste para diagnóstico da Covid19. Até o final do mês passado, 1,5% do total da população do estado, ou seja, cerca de 24 mil pessoas, obtiveram resultado positivo no teste (ou nos testes) que realizaram. Quanto ao comportamento diante da pandemia, 35 mil pessoas (2,2% da população) não adotaram qualquer medida de restrição.

Os exames foram feitos quase na mesma proporção por mulheres (6,3% do total de mulheres no estado) e homens (5,0%), mas, principalmente, por pessoas de 20 a 29 anos de idade (8%) e 30 a 59 anos (7%). Quanto maior o nível de escolaridade, maior foi o percentual de pessoas que fez algum teste. Entre as pessoas sem instrução ao fundamental incompleto, 3,2% e, entre aqueles com superior completo ou pós-graduação, 9,9%. Quanto maior a classe de rendimento domiciliar per capita, também é maior o índice de testagem para Covid19, chegando a 10,9% para as pessoas com maior renda (quatro ou mais salários mínimos), e 2,2% para aqueles com menos de meio salário mínimo.

A testagem (SWAB, teste rápido e/ou coleta de sangue através da veia no braço) foi um dos seis novos temas abordados em julho pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Covid19), que faz parte das Estatísticas Experimentais do IBGE. Os outros assuntos pesquisados foram: comorbidades, comportamento (frente ao isolamento social), indicadores escolares, solicitação e aquisição de empréstimos e itens de higiene e proteção. Saiba mais sobre as ações do IBGE no combate à pandemia no site: covid19.ibge.gov.br.

Em julho, na população tocantinense (estimada em 1,578 milhão), havia 284,4 mil pessoas, ou seja, 18% do total, com alguma das comorbidades pesquisadas, sendo a hipertensão a mais frequente (10,3%). As demais prevalências foram: asma ou bronquite ou enfisema (4,4%); diabetes (3,8%); doenças do coração (2,1%); depressão (1,8%) e câncer (0,6%). Alguns entrevistados citaram mais de uma comorbidade. O percentual de pessoas com alguma doença crônica e que testou positivo para a Covid19 foi de 2,1%, do total da população do estado o índice ficou em 0,3%.

Conforme o IBGE, cerca de 97 mil tocantinenses (6,2% do total da população) apresentaram algum dos 12 sintomas de síndrome gripal pesquisados (febre, tosse, dor de garganta, dificuldade de respirar, dor de cabeça, dor no peito, náusea, nariz entupido ou escorrendo, fadiga, dor nos olhos, perda de cheiro ou de sabor e dor muscular.). Em comparação aos meses anteriores houve queda. Em maio, 9,4% da população estava com algum sintoma e, em junho, 7,6%.

O Instituto ainda estimou que 11,4 mil pessoas que moram no Tocantins (0,7% da população) apresentaram sintomas conjugados (simultâneos) de síndrome gripal que podiam estar associados à Covid19 (perda de cheiro ou sabor – febre, tosse e dificuldade de respirar – febre, tosse e dor no peito). Em relação aos dois meses anteriores (que apresentaram percentuais de 0,9%) o índice ficou estável, mas o contingente de pessoas caiu de 14,1 mil em junho para 11,4 mil.

Dos tocantinenses que apresentaram algum dos 12 sintomas, cerca de 25 mil (25,3%) procurou atendimento em estabelecimento de saúde e 72 mil pessoas (74,7%) não buscaram assistência médica. Já das pessoas que tiveram um conjunto de sintomas associados à Covid19, a maioria (7,9 mil ou 69,5%) procurou atendimento, os demais (3,4 mil ou 30,5%) não foram a postos de saúde, UPAs, pronto-socorros nem hospitais públicos ou privados.

Após queda registrada em junho pela PNAD Covid19, voltou a crescer o número de pessoas que possuem plano de saúde no estado. Em julho, 1,320 milhão (84,8%) não tinha o plano de assistência médica e 237 mil tocantinenses (15,2%) era beneficiário. O percentual em maio era de 15,9% e em junho, 14%.

Isolamento social

Quanto ao comportamento diante da pandemia, 35 mil pessoas (2,2% da população) não adotaram qualquer medida de restrição em julho; 484 mil (30,7%) reduziram o contato mas continuaram saindo de casa; 751 mil (47,6%) ficaram em casa e só saíram em caso de necessidades básicas e 297 mil (18,8%) ficaram rigorosamente isolados.

As mulheres registraram percentuais maiores que os verificados para os homens no cumprimento dessas recomendações. Em relação aos grupos de idade, a restrição ficou maior entre aqueles até 13 anos de idade e entre os com 60 anos ou mais – para estes, 29,1% ficou no domicílio saindo apenas em caso de necessidade ou ficou rigorosamente em casa. Por outro lado, os tocantinenses com faixa etária entre 30 a 49 anos e 14 a 29 anos se destacaram por não terem adotado qualquer medida de restrição (39,8% e 27,7%, respectivamente).

Indicadores escolares

No Tocantins, cerca de 376 mil pessoas de 6 a 29 anos de idade frequentavam escola ou universidade, representando 57,3% da população desta faixa etária. Em relação à disponibilização de atividades escolares, 45% desse grupo não teve atividades, 43,9% teve e 11,1% não teve porque estava de férias. O contingente de pessoas que frequentavam escola mas não tiveram tarefas em julho foi de 169 mil, daquelas que tiveram foi de 165 mil e das que não tiveram por conta das férias foi de 42 mil.

Segundo a pesquisa, cerca de 46,6% dos estudantes tocantinenses do ensino fundamental e mais da metade dos alunos do ensino médio (54,4%) ficaram sem atividades escolares para realizar durante o mês de julho. Por outro lado, na graduação apenas 29,1% dos acadêmicos não tiveram atividades disponibilizadas para realizar.

As pessoas pertencentes às classes mais baixas de rendimento tiveram percentuais maiores de indisponibilidade de atividade escolar. Entre os que viviam em domicílios com rendimento per capita de até meio salário mínimo, 49,7% não tiveram tarefas da escola ou universidade, contra 26,8% nos domicílios com renda de quatro ou mais salários mínimos.

Empréstimos

A PNAD Covid19 de julho também pesquisou o contingente de pessoas que tomaram dinheiro emprestado. No estado, em cerca de 22 mil domicílios (4,5% do total) algum morador solicitou empréstimo. Em 17 mil domicílios (3,6%) o pedido de empréstimo foi atendido e em 5 mil (0,9%) o mesmo não foi concedido. Destaca-se que cerca de 77,3% daqueles lares que solicitaram empréstimo foram atendidos.

Na análise dos pedidos de empréstimos segundo as fontes, a categoria banco ou financeira foi a mais frequente (75,5%). O percentual de domicílios onde algum morador conseguiu empréstimo com amigos ou parentes ficou em 27,2% e com outra pessoa ou local, 4,4%.

Itens de higiene

Outro tema abordado foi a existência de itens básicos de higiene e proteção. Os dados mostram que em quase todos lares tocantinenses haviam sabão ou detergente (99,7%), máscara (98,6%) e água sanitária ou desinfetante (96,5%). O “álcool 70%” estava presente em 95,5% dos domicílios, enquanto as luvas descartáveis estavam presentes em somente 33,1% das unidades domiciliares.

A pesquisa aponta que os itens básicos de higiene e proteção estão mais presentes em domicílios com rendimento per capita mais elevado. Destacam-se no Tocantins a menor presença de álcool 70% entre lares com menos de meio salário mínimo per capita (93,1%) e de luvas descartáveis (28,7%). Esses itens registraram índices de 98,6% e 53,9%, respectivamente, nos domicílios com renda per capita de quatro ou mais salários mínimos.

Cenário nacional

O IBGE estima que apenas cerca de 13,3 milhões de pessoas (6,3% da população) realizaram algum teste para diagnóstico da Covid19 desde o início da pandemia até julho, no Brasil. Desse total, 2,7 milhões (20,4%) tiveram resultado positivo para a doença causada pelo novo coronavírus.

A Unidade da Federação com o maior percentual de testes realizados desde o início da pandemia foi o Distrito Federal (16,7%), seguida por Amapá (11,0%) e Piauí (10,5%). Por outro lado, Pernambuco registrou o menor percentual (4,1%), seguido por Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul (os três com 4,5%). Tocantins ficou com o 8º menor índice.

Quanto às medidas de isolamento social diante da pandemia, 4,1 milhões (2,0% da população) não adotaram qualquer medida de restrição; 64,4 milhões (30,5%) reduziram o contato mas continuaram saindo de casa; 92,0 milhões (43,6%) ficaram em casa e só saíram em caso de necessidades básicas e 49,2 milhões (23,3%) ficaram rigorosamente isolados.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Tocantins

Para enfrentar a crise, 64% das empresas tocantinenses vendem por canais digitais

Publicado

em

O comércio eletrônico foi a forma que a grande maioria das empresas encontrou para enfrentar a crise gerada pela pandemia de Covid-19. De acordo com a 9ª edição da pesquisa “O Impacto da Pandemia de Coronavírus”, elaborada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), sete em cada dez empresas brasileiras já atuam nas redes sociais, aplicativos ou internet para impulsionar suas vendas. Em maio, bem no início da pandemia, esse percentual era de 59%.

Para o superintendente do Sebrae Tocantins, Moisés Gomes, a internet tem sido uma grande aliada na sobrevivência dos negócios. “As compras pela internet se intensificaram e os empresários tiveram que se readaptar para manter o negócio funcionando. O ambiente virtual se tornou um aliado cada vez mais forte e importante para compra e venda de produtos e serviços”, afirmou.

No Tocantins, a plataforma WhatsApp é a preferida pelos empreendedores que inseriram o mundo virtual nas suas vendas, com 94% de adeptos. Instagram e Facebook são as próximas opções, com 47% e 39%, respectivamente. Apenas 8% dos negócios vendem por sites próprios.

“Isso demonstra que plataformas já conhecidas e com grande capilaridade são mais procuradas pelos empreendedores, que levam em consideração custos de manutenção e a confiabilidade do meio”, destacou Gomes.

Outro dado apontado pela pesquisa é que 59% das empresas tocantinenses continuam funcionando, mas tiveram mudanças em suas rotinas em 2020. Além disso, 34% dos entrevistados comercializaram novos produtos e serviços desde o surgimento da crise do coronavírus. Para 45% dos empresários tocantinenses, os desafios estabelecidos pela instabilidade provocaram mudanças valiosas em seus negócios.

Continue lendo

Tocantins

Ministério da Saúde aumenta de 29 mil para 44 mil doses da Coronavac para o Tocantins

Publicado

em

A quantidade de doses da vacina CoronaVac, que inicialmente seria de 29.840 para o Tocantins, teve porção aumentada para 44 mil. A informação foi oficializada pelo secretário de estado da Saúde, Edgar Tollini, na noite desta segunda-feira, 18, no lançamento da campanha de vacinação contra a Covid-19.

Essas doses serão destinada para profissionais da saúde, idosos e indígenas.

A CoronaVac foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e, no Brasil, será produzida pelo Instituto Butantan, em São Paulo. O uso emergencial da vacina foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no domingo (17). A agência também aprovou o uso emergencial da vacina de Oxford, cujas doses devem chegar ao país nas próximas semanas.

Continue lendo

Tocantins

Pedido de devolução de taxa de concurso da PM do Tocantins anulado já pode ser feito

Publicado

em

A Polícia Militar do Estado do Tocantins (PMTO) deu início nesta segunda-feira, 18, ao período de cadastramento on-line para solicitação de reembolso do concurso da corporação. Todas as informações referentes ao processo de estorno da taxa de inscrição estão disponíveis no Edital n° 001/2020, publicado no site da PMTO (https://bit.ly/35NY8TW).

O sistema on-line de reembolso está disponível por meio do endereço eletrônico: http://ressarcimentoconcurso2018.pm.to.gov.br A plataforma segue aberta para cadastro até o dia 3 de março de 2021.

Após o período de cadastramento, a PMTO fará a análise dos pedidos encaminhados e, posteriormente, dará início aos pagamentos, que serão feitos em lotes.  O calendário para esta etapa será divulgado em uma nova data.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Jaizon Veras Barbosa, o compromisso é finalizar mais essa etapa do concurso cancelado, obedecendo todos os critérios legais para tal.

“Em respeito aos cidadãos que depositaram sua confiança na nossa valorosa instituição, nós cumprimos todos os caminhos legais para ressarcir os inscritos no último concurso PM/TO, cancelado. Agradecemos o apoio dado pelo Governo do Tocantins por meio de várias secretarias e da Procuradoria-Geral do Estado que foi fundamental para concretizarmos esta etapa”, ressalta.

Como fazer o cadastro

O usuário apto para o reembolso deve acessar o endereço eletrônico indicado, clicar em “Primeiro Acesso” e preencher os dados solicitados para validação, a fim de criar acesso ao sistema (login e senha).

Após acessar o sistema, o candidato deverá indicar para qual certame ele está solicitando o reembolso, preenchendo os dados solicitados. Em seguida, o usuário deve fornecer ainda um documento de identificação com foto emitido por órgãos oficiais (obrigatório).

A PMTO destaca ainda que não se responsabiliza por dados incorretos ou preenchimento incompleto das informações ao envio do cadastro, e que somente serão aceitas contas bancárias do tipo Conta Poupança e/ou Conta Corrente cujo titular seja o candidato inscrito. Bancos virtuais ou congêneres não serão aceitos para o reembolso.

Continue lendo
publicidade Bronze