Connect with us

Tocantins

Ação da Energisa pretende estreitar o relacionamento da empresa com os clientes indígenas e melhorar atendimento

Publicado

em

Foi no dialeto Akwe que o indígena Reginaldo Snãromti Xerente conversou com integrantes da aldeia Porteira, localizada no município de Tocantínia. Ele é eletricista da Energisa e participa do Projeto Itinerante de Negociação nas Aldeias, realizado pela concessionária, com objetivo de compartilhar informações, estreitar o relacionamento e falar a linguagem do cliente. Assim, Reginaldo une o conhecimento da profissão com a tradição do seu povo. Essa interação é fundamental para o atendimento acontecer de forma eficiente e inclusiva.

Durante o projeto, são esclarecidos assuntos como produção de energia, a importância da segurança e os serviços prestados pela Energisa. “Falar na nossa língua facilita o entendimento e aproxima mais. As pessoas falaram, tiraram dúvidas. Muitos de nós não entendemos o Português direito, então, quando falamos na nossa língua, é mais fácil, porque todos entendem o recado”, destaca Reginaldo.

Em 2019, nove aldeias foram contempladas. As visitas começaram em maio deste ano. De lá para cá, já foram atendidas as aldeias de Canuanã, Tixuiri e São João (Formoso do Araguaia), Porteira (Tocantínia), Lago do Boto Velho (Lagoa da Confusão), Santa Izabel e Fontoura (Ilha do Bananal), Pedra Branca (Goiatins) e Mariazinha (Tocantinópolis).

E a dinâmica do projeto tem funcionado bem. Os esforços resultaram em mais de 400 atendimentos, como troca de lâmpadas comuns por LED e cadastro na Tarifa Social de Energia Elétrica, além de 206 negociações. “É uma forma de estarmos mais próximos dos nossos clientes. Independentemente de onde estejam, ou a qual etnia pertençam, queremos estar juntos, entendendo as necessidades e levando informação sobre os nossos serviços, principalmente dos aspectos de segurança”, conta Mauro Inácio dos Santos, gerente de Serviços Comerciais.

Projeto

O projeto surgiu da necessidade de ficar mais próximo dos clientes indígenas que, em geral, moram em aldeias muito distante das cidades que têm agências de atendimento da Energisa. Essa dificuldade, aliada à falta de informação, acaba gerando prejuízos aos clientes, como atrasos e débitos.

Para Caroline Barbosa Calaça Maus, analista Comercial, essa é uma oportunidade de ver de perto as principais necessidades desse público. “Nos aproximamos mais deles, levando até as aldeias atendimento e informações sobre segurança com a rede elétrica, dicas de economia, trocas de lâmpadas comuns por LED e, ainda, realizamos o cadastro da tarifa social”, comentou.

Por meio do projeto, os clientes em débito têm acesso a um plano de negociação com condições especiais. “O projeto só é possível com a parceria da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), que aceitou prontamente e nos acompanha em todas as ações que beneficiam os indígenas”, ressaltou Alano Castro, assistente Administrativo.

Canais

Além de ações itinerantes, a Energisa oferece para os seus clientes atendimento nas agências presenciais e canais 24 horas: aplicativo de celular Energisa On, site (www.energisa.com.br) e call center 0800 721 3330.

O aplicativo Energisa On pode ser baixado gratuitamente nas lojas de aplicativos. Nele, o cliente pode solicitar serviços como segunda via, informar leitura rural, informar a falta de energia e acompanhar solicitação de serviços.

Canais:

• Aplicativo para celular Energisa On (disponível para iOS, Android e Windows Phone)

• www.energisa.com.br

• www.facebook.com/energisa

• Gisa – 6392226664 (WhatsApp)

• Agências de atendimento presencial

• Ouvidoria – 0800 646 1196

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Tocantins

Tocantins sobe para 5.182 casos de Covid-19 com 90 mortes

Publicado

em

O 82º Boletim Epidemiológico Notificações da Covid-19, divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que nesta sexta-feira, 05 de junho, foram contabilizados 301 novos casos confirmados para Covid-19.

Desta forma, hoje o Tocantins contabiliza 5.182 casos confirmados da doença, destes, 1.933 pacientes estão recuperados e 3.160 estão ainda em isolamento domiciliar ou hospitalar, além de 89 óbitos.

O Boletim da SES ainda não contabilizou 1 óbito, informado na noite desta quinta, 4, pela Secretaria Municipal de Saúde de Sítio Novo, no Bico do papagaio, por meio de seu Boletim. O paciente estava internado na cidade de Imperatriz-MA.

Continue lendo

Tocantins

Tocantins se aproxima dos 5 mil casos de Covid-19

Publicado

em

Segundo 81º Boletim Epidemiológico Notificações da Covid-19 no Tocantins, o estado registra nesta quinta-feira, 04 de junho, 187 novos casos confirmados para Covid-19.

Desta forma, o Tocantins contabiliza 4.881 casos confirmados da doença, destes, 1.828 pacientes estão recuperados e 2.966 estão ainda em isolamento domiciliar ou hospitalar, além de 87 óbitos.

Araguaína, Palmas e Xambioá, são os municípios com maior registros de casos, com 2025, 685 e 220 respectivamente. Já em quantidade de mortes, segue Araguaína, Araguatins e Palmas, com 20, 12 e 8, respectivamente.

Continue lendo

Tocantins

PF desarticula associação criminosa envolvida em tráfico de entorpecentes no Tocantins e Goiás

Publicado

em

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (04), a “Operação Breaking” visando desarticular associação criminosa envolvida em tráfico de drogas nos Estados de Goiás e Tocantins.

Cerca de 30 Policiais cumprem 12 mandados de prisão preventiva, com apoio da Polícia Militar do Estado de Goiás. Os mandados foram expedidos pelo Juízo Criminal da 1ª Vara Criminal da Comarca de Colinas do Tocantins.

A Polícia Federal encontrou indícios de que os investigados têm relação com facção criminosa e praticavam diversos outros crimes, como roubos e homicídios, além do tráfico de drogas.

Os investigados poderão responder pelos crimes de roubo, homicídio e tráfico de entorpecentes, cujas penas somadas podem ultrapassar 40 anos de reclusão.

O nome da operação simboliza a “quebra”, a “ruptura” dos crimes praticados pela organização criminosa. (Ascom)

Continue lendo
publicidade