Connect with us

Bico do Papagaio

ANANÁS: Mulher morre por erro médico durante parto

Publicado

em

clip_image002Faltavam onze dias para completar seus nove meses de gravidez, quando Angela Maria Xavier de Sousa, (mais conhecida como nina) 32 anos, grávida pela primeira vez, logo ao levantar-se, disse aos familiares que por volta das 5:00 da manhã do dia 09/08/09, sentiu umas dores e pensou que eram as primeiras contrações de parto; por volta das 6:00 sentiu o bebê tremer na barriga, às 7:00 quando todos já estavam de pé, Ângela passou estas informações pensando que estava tudo bem e o bebê já ia nascer. Foi então arrumar os documentos e fazer os asseios para se apresentar ao Hospital.

Por volta das 8:50, ainda em casa, Angela começou a vomitar, foi levada imediatamente ao Hospital Municipal da Cidade. Drª. Elenir de Sousa Costa – médica de plantão do dia acompanhou a gestação de Ângela durante os quatro últimos meses e percebeu que estava tudo bem com o bebê, mas a pressão Arterial da mãe alterada (160×100) apenas na última consulta e ultra-sonografia realizada por ela mesma no dia 05/08/09 – havia acabado de sair de uma cirurgia cesariana e atendeu imediatamente a gestante quando detectou que a pressão da mãe estava boa, porém não escutava os batimentos do bebê, fez rapidamente uma ultra-sonografia e constatou o mesmo, neste momento, Drª. Elenir ordenou que arrumassem a sala de cirurgia rapidamente, pois iria fazer outra cesariana, logo depois a medica trocou o procedimento e induziu para que a paciente tivesse um parto normal, foram aplicadas quatro doses de Orastina, e bem depois aplicou plasil, pois Angela estava vomitando uma água amarela.

Em torno das 11:00, Ângela chegou a pedir para sua mãe avisar para tirarem o bebê pois não aguentava mais tantas dores, porém os familiares tiveram a informação de uma técnica de enfermagem  que seria necessário esperar seis horas após aplicação da Orastina para depois fazer uma cesariana se fosse o caso, pois deveriam esperar o remédio agir. Quando  a  mãe de Ângela, Dona Iramita Pereira de Sousa, disse a Ângela que teriam que esperar as seis horas para aumentar as dores, Ângela disse: “mais do que eu estou sentindo, só se for pra eu morrer”.

Apenas por volta das 12:00 (três horas depois do primeiro atendimento), Drª. Elenir foi ver a paciente e fazer um  toque para saber se estava evoluindo, percebeu então que havia dilatado dois centímetros e novamente aguardou sem ir ver a paciente e apenas por volta das 15:30, três horas e meia depois da visita anterior, a médica foi ver novamente a paciente, quando percebeu que estava com a pressão muito alta e eclampsia, a médica então colocou uma sonda urinária, sedou Ângela, fez alguns procedimentos para baixar a pressão e preparou o encaminhamento para a Maternidade Dom Orione em Araguaina. Foi necessário aguardar um pouco para baixar a pressão da parturiente. Às 16:00, saíram ao destino encaminhado chegando lá por volta das 17:20. A técnica de enfermagem que acompanhou a paciente na viagem disse que Angela vomitou logo chegando em Araguaína e inclusive que tinha saído vômito pelo nariz e boca. Ângela chegou roxa à Maternidade Dom Orione, e poucos minutos depois de entrar na Materidade – senão na porta da mesma – Ângela já estava morta.  Segundo a Declaração de Óbito assinada pelo Dr. Walfredo Reis, na Maternida Dom Orione, consta que as causas da morte de Ângela foram: Parada Respiratória, Edema agudo Pulmão e Eclampsia.

A família deu queixa da Médica Elenir Sousa Costa (Médica Cirurgiã) à delegacia local sob acusação de negligência médica, foi na promotoria pública, registrou queixa junto ao CRM do Tocantins para que sejam apurados os fatos e ainda deu entrevista ao Jornal do Tocantins (a folha) a matéria foi publicada no dia 19/08/09. A sociedade está abalada com o caso e revoltada clama por justiça. (Por: Gleida Maria Xavier de Sousa Lira)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
135 Comments

Bico do Papagaio

TOCANTINÓPOLIS: Completa um ano a primeira morte por Covid-19

Publicado

em

Nesta quarta, dia 12, completou um ano da primeira morte por Covid-19 no município de Tocantinópolis, no Bico do Papagaio.

A vítima foi o ex-vereador e funcionário público federal, Almiro Aguiar da Silva, 59 anos. Na época, Tocantinópolis registrava 5 contaminados com a doença. Ele faleceu no Hospital Municipal José Sabóia.

Um ano depois, Tocantinópolis acumula 37 óbitos e 2.031 contaminados no período.

Até esta quarta, o município aplicou 6.373, sendo 3.819 em primeira dose e 2.554 segunda dose.

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Motoqueiro bate em bicicleta na Vila Miranda

Publicado

em

Nesta manhã de quarta, 12, um segundo acidente de trânsito envolvendo motocicleta foi registrado na cidade de Araguatins, no Bico do Papagaio.

Desta vez, o fato foi registrado na Vila Miranda, na Rua Antônio Fernandes. Um motociclista atingiu um vendedor de lanches que estava em uma bicicleta cargueira. Populares relataram que o condutor da motocicleta aparentava sinais de embriagues.

Continue lendo

Bico do Papagaio

Gestores do Bico recebem orientações para Conferências de Assistência Social 2021

Publicado

em

O Conselho Estadual de Assistência Social (Ceas) realizou na manhã desta terça-feira, 11, uma reunião de orientação sobre as temáticas e organizações para as Conferências Municipais de 2021. As orientações são direcionadas aos conselheiros e secretários executivos dos Conselhos Municipais de Assistência Social (CMAS) de municípios do Bico e outras regiões do estado. tocantinenses.

O encontro tratou dos procedimentos necessários para a realização das conferências a serem realizadas em cada localidade, destacando a metodologia e os instrumentais que devem ser utilizados antes, durante e após as conferências municipais. São conhecimentos necessários para a elaboração dos relatórios e regimentos internos das conferências.


As datas para a realização das conferências nos municípios vai até 30 de julho, e as conferências estaduais devem acontecer de 2 de agosto até 30 de outubro.

O tema para as conferencias 2021 é “Assistência Social: Direito do povo e dever do Estado, com financiamento público, para enfrentar as desigualdades e garantir proteção social”.

Dentro dessa temática principal serão discutidos cinco eixos, com o propósito de construir propostas aos municípios, ao Estado e à União. O Plano de Assistência Social toma por base, entre outros instrumentais, as deliberações postas nas conferências, e são essas propostas que norteiam os gestores municipais, estaduais e do Governo Federal em seus planejamentos e nas tomadas de decisões.

s conferências de assistência social são instâncias de caráter deliberativo e têm como maior finalidade avaliar e concretizar os avanços conquistados na política pública de assistência social, e também apresentar orientações, definindo diretrizes e aprimoramentos do SUAS. As conferências acontecem a cada quatro anos de forma ordinária e extraordinariamente a cada dois anos.

A Conferência de Assistência Social envolve três etapas. As conferências municipais, as estaduais e a nacional. A Nacional está prevista para dezembro. As deliberações da Conferência Municipal são enviadas para os Estados e as deliberações das Conferências Estaduais são enviadas para a Conferência Nacional. Os delegados que participarão da Conferência Nacional são escolhidos na Conferência Estadual. Por esses passos democráticos a Conferência Nacional é um momento único com vários representantes e atores de todos os lugares do Brasil. (Com informações de Cláudio Duarte)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze