Connect with us

Bico do Papagaio

ANANÁS: Professores usam reboco de parede como lousa em escola estadual

Publicado

em

Sem título

O Colégio Estadual Getúlio Vargas, em Ananás, está em processo de construção desde 2010. A obra está parada há mais de um ano. Em função disso professores e alunos enfrentam problemas para conseguir dar continuidade ao calendário escolar. São cerca de 620 estudantes divididos em 23 turmas, que precisam enfrentar o calor e a falta de infraestrutura do local.

Sem título

Professor usa o reboco de parede como lousa

O professor Antonio Carlos Pereira usa o reboco de uma parede como lousa. “Se estiver chovendo não tem como vir para essa sala. Não tem como dar uma boa aula porque não tem estrutura”, desabafa.

Construção de escola abandonada pelo Governo do Estado

Construção de escola abandonada pelo Governo do Estado

A escola passaria a ser de tempo integral após ser contemplada por um projeto do governo estadual. Por isso uma nova estrutura estava sendo construída. O projeto previa oito salas amplas, quatro laboratórios e uma quadra esportiva coberta. Mas no lugar das benfeitorias, muito mato. As poucas salas que receberam cobertura servem de depósito para materiais antigos, como carteiras e mesas.

Esta é a sala da diretora

Esta é a sala da diretora

O prédio antigo não tem mais espaço. Os professores tem que dividir uma sala com vários materiais que não são mais utilizados, por causa da falta de espaço. A estudante Daniela Silva diz que “a escola velha era melhor”. Apenas cinco salas de aula podem ser usadas e por isso, elas estão superlotadas. Os alunos tem que estudar em um espaço pequeno, com pouca ventilação e sem ar-condicionado.

Único ventilador da escola funciona com gambiarra

Único ventilador da escola funciona com gambiarra

Os estudantes dizem que às vezes um ou outro aluno passa mal na sala de aula. “[O problema] é o calor na sala, [a gente] vem pra cá (sic) não tem piso, não tem quadro, [faltam] muitas coisas” diz o estudante Gabriel Lopes. “Muitos alunos aqui começam a passar mal por causa do calor. Alguns vomitam ou tem dor de cabeça”, explica a estudante Maria Antonia Costa.

Alunos durante aula na Escola Estadual Getúlio Vargas

Alunos durante aula na Escola Estadual Getúlio Vargas

A professora Inês Borges diz que os estudantes têm dificuldade para aprender. “A escola tem um alto índice de reprovação. A gente nem pode exigir tanto dos alunos porque eles não têm culpa dessa situação em que eles estão estudando” conta.

Resposta

A Secretaria Estadual de Educação (SEDUC) afirmou que a obra parou para que fosse feita a readequação do projeto, mas garantiu que as obras serão retomadas em 45 dias. Quanto a reclamação dos estudantes sobre o calor, a SEDUC informou que no momento não há previsão para resolver o problema. (G1/Fotos: Reprodução TV Anhaguera)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
20 Comments

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Prefeitura tem novo horário de funcionamento

Publicado

em

Desde o último dia 4, a Prefeitura Municipal de Araguatins, no Bico do Papagaio, adotou um novo horário de atendimento ao público e serviços internos.

O atendimento ao público fico estabelecido como sendo das 7h30 às 11h30 e o serviço interno das 13h30 às 17h.

Deverão funcionar normalmente as unidades das Secretarias ou autarquias que exercem regime de plantão.

OBS: A matéria foi alterada após o Decreto ser corrigido. O anterior havia um erro de digitação do horário.

Continue lendo

Bico do Papagaio

SÃO MIGUEL: MP recomenda que Prefeitura não demita aprovados em concurso como pediu TCE

Publicado

em

O Ministério Público do Tocantins (MPTO), por meio da Promotoria de Justiça Itaguatins, expediu nesta quarta-feira, 13, Recomendação Administrativa ao prefeito de São Miguel do Tocantins, Alberto Loiola Gomes Moreira, para que se abstenha de exonerar ou demitir qualquer servidor aprovado no concurso público realizado no ano de 2016, tendo em vista que não foi confirmada a existência das irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (TCE).

A recomendação também orienta que o gestor encaminhe ao TCE informações sobre a regularidade do concurso, especialmente as leis de criação de cargos e o quantitativo de vagas ofertadas no quadro do magistério, nível docência – professor II. 

Para a anulação, o TCE alega que o Município não apresentou as leis de criação de cargos e do quantitativos das vagas ofertas, situação que segundo o promotor de Justiça Elizon de Sousa Medrado, não procedem, já que todos os procedimentos foram adotados pela gestão da época e acompanhados pelo Ministério Público. 

“O concurso foi fruto de um Termo de Ajustamento de Conduta proposto pelo Ministério Público, no qual constavam obrigações como a criação de cargos, encaminhamento do projeto de Lei para aprovação da Câmara Municipal e  o processo licitatório. O concurso foi realizado, as pessoas tomaram posse e não foi verificada nenhuma irregularidade”, salientou o promotor de Justiça.

O não atendimento da recomendação por parte do prefeito de São Miguel do Tocantins poderá ensejar o ajuizamento de ação judicial visando à anulação de eventuais atos de exoneração/demissão dos servidores concursados. (Denise Soares)

Continue lendo

Bico do Papagaio

Guia do FNDE orienta novos prefeitos do Bico na área da Educação

Publicado

em

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) lançou o Guia do FNDE para Novos Prefeitos, com objetivo de ajudar os novos gestores municipais na área da educação. A publicação traz orientações importantes sobre prestação de contas, cadastramento e acesso a sistemas, além de informações sobre os programas do FNDE, transferências voluntárias e compras governamentais.

O guia está disponível no portal eletrônico do FNDE e orienta os novos gestores municipais sobre como solicitar acesso a uma série de sistemas importantes, como o Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação (Simec), o Sistema de Gestão de Prestação de Contas (SigPC) e o Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope). Além disso, reforça a necessidade de os novos prefeitos se cadastrarem junto à autarquia para receber apoio técnico e financeiro do governo federal na área da educação. (Brasil 61)

Continue lendo
publicidade Bronze