Connect with us

Tocantins

ARAGUAÍNA: Com testes em falta, município suspende temporariamente divulgação para evitar falsa redução de casos

Publicado

em

O Laboratório Central de Saúde Pública do Tocantins (Lacen) informou a Prefeitura de Araguaína, nessa sexta-feira, 12, que está desabastecido de insumos necessários para análise das amostras de pacientes suspeitos para covid-19. Com isso, a Prefeitura irá suspender temporariamente a divulgação de novos casos para evitar falsa sensação de segurança, já que sem essa análise o registro de crescimento da doença ficará comprometido.
 
A Secretaria Municipal de Saúde continua coletando amostras de swab diárias em pacientes atendidos nas unidades básicas de referência e pronto atendimento e ainda em domicilio. O material coletado será enviado para o Lacen, porém o resultado dos exames não tem data prevista.
 
“Outra preocupação é que esse acúmulo de exames possa desencadear uma situação de explosão fictícia de novo casos, uma vez que sairão centenas em um período menor de tempo do que o habitual”, explicou a secretária municipal da Saúde, Ana Paula Abadia. Diariamente são enviadas cerca de 200 amostrar ao Lacen.
 
A Prefeitura de Araguaína está contribuindo na aquisição dos insumos para o Lacen e já comprou cinco mil kits de extração e outros materiais necessários para processamento das amostras. Também continua realizado o teste rápido em pacientes após o sétimo dia da manifestação dos sintomas.
 
Leitos exclusivos
Enquanto o Município segue expandido o número de leitos exclusivos para tratamento de pessoas com covid-19 o Estado continua com a mesma quantidade. O atraso na instalação de novos leitos no Hospital Regional de Araguaína (HRA) pode prejudicar o índice de ocupação dos leitos, que se chegar aos 80%, acarretará na suspensão do atendimento presencial do comércio novamente.
 
Neste sábado, 13, a parceria da Prefeitura de Araguaína com a empresa JBS Friboi, proporcionou a doação de 100 camas hospitalares que serão instaladas no Hospital Municipal de Campanha (HMC) e Hospital Eduardo Medrado (HMA). No HMC, as camas novas substituirão algumas das camas usadas atualmente e ainda ampliarão de 20 para 40 leitos.
 
Cinco desses leitos serão transformados em unidades de tratamento intensivo (UTI), com equipamentos já doados pelo senador Eduardo Gomes.
 
Nota do Lacen
Na nota, o Lacen também informou que irá priorizar pacientes suspeitos para covid-19 que estão hospitalizados, tanto na rede pública quanto privada, e os que morreram com sintomas da doença antes de realizar o exame. (Marcelo Martin/Foto: Marcos Sandes)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Tocantins

Tocantins passa de 900 mortes por Covid-19

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que nesta quinta-feira, 24 de setembro, foram contabilizados 670 novos casos confirmados para Covid-19.

Deste total, 150 foram registrados nas últimas 24 horas e o restante por exames coletados em dias anteriores e que tiveram seus resultados liberados na data de ontem.

Desta forma, hoje o Tocantins registra um total de 199.194 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 65.354 casos confirmados da doença. Destes 48.564 pacientes estão recuperados e 15.889 estão ainda ativos (em isolamento domiciliar ou hospitalar), além de 901 óbitos.

Continue lendo

Tocantins

Tocantins confirma 13 novas mortes por Covid-19 nesta quarta

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que nesta quarta-feira, 23 de setembro, foram contabilizados 583novos casos confirmados para Covid-19.

Deste total, 165 foram registrados nas últimas 24 horas e o restante por exames coletados em dias anteriores e que tiveram seus resultados liberados na data de ontem.

Desta forma, hoje o Tocantins registra um total de 197.508 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 64.787 casos confirmados da doença. Destes 47.700 pacientes estão recuperados e 16.197 estão ainda ativos (em isolamento domiciliar ou hospitalar), além de 890 óbitos.

Clique AQUI e veja o boletim completo.

Continue lendo

Tocantins

Médica no Tocantins que desdenhou de paciente é indiciada por homicídio doloso

Publicado

em

A Polícia Civil do Estado do Tocantins, por intermédio da 26ª Delegacia de Polícia Civil de Araguaína, concluiu nesta quarta-feira, dia 23, as investigações referentes à apuração da conduta de uma médica de 43 anos, que ocasionou a morte da vítima Doralice Cavalcante Rodrigues, de 86 anos, fato ocorrido no dia 6 de dezembro de 2019.

Conforme o apurado, no dia cinco de dezembro de 2018 a vítima, idosa de 86 anos, passou mal e após ser atendida em sua residência pela equipe do Serviço Móvel de Urgência (SAMU), foi encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento de Araguaína. Na Unidade de Saúde foi constatado que a idosa estava bastante debilitada devido ao agravamento de um quadro de insuficiência respiratória que já estava sofrendo havia três dias, tendo em vista o fato de sofrer de pneumonia aguda. Dessa forma, ela foi logo em seguida encaminhada ao Hospital Regional de Araguaína.

Chegando ao HRA, por conta do estado de saúde gravíssimo em que se encontrava, a idosa foi, de imediato, encaminhada para a sala vermelha para que ali recebesse cuidados intensivos. No momento em que a idosa adentrava a referida sala, estando numa maca do SAMU, a médica plantonista e responsável pelo local, determinou que os funcionários retirassem a idosa dali, afirmando: “Ela está boa toda, melhor do que eu”, demonstrando total desdém para a condição em que se encontrava a paciente. Diante disso, a paciente foi encaminhada para a sala verde, local inadequado para ser atendida.

Toda a cena foi gravada pelo neto da idosa que apresentou o referido vídeo à Polícia Civil. Tendo em vista a inadequação da sala verde, a idosa faleceu no dia seguinte por insuficiência respiratória. Conforme apurado, a vítima passou por grande sofrimento, sendo que sua morte ocorreu 21 horas depois de dar entrada no HRA.

Ainda há relatos de testemunhas que afirmam que a médica, enquanto falava que a vítima estaria melhor do que ela empurrava a maca onde estava a idosa de forma abrupta e truculenta, deixando todos os que presenciaram a cena extremamente revoltados.

O delegado-chefe da 26ª DP, Luís Gonzaga da Silva Neto, concluiu o inquérito policial, com a médica sendo indiciada pela prática, em tese, do crime de homicídio doloso majorado, pois tinha o dever legal, como médica, de cuidado e o comportamento dela ocasionou, de forma direta, a morte da idosa. O caso agora fora encaminhado ao Poder Judiciário para as medidas cabíveis.

Continue lendo
publicidade Bronze