Connect with us

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Família protesta e cobra solução para desaparecimento de jovem

Publicado

em

Na manhã desta terça, 29, dezenas de familiares e amigos do jovem Francisco Gomes da Silva, desaparecido desde março de 2019, protestaram em Araguatins, no Bico do Papagaio, clamando pela solução do caso.

Francisco foi visto pela última vez no distrito Santa Luzia, zona rural de Araguatins.

Segundo a família, nos dias seguintes ao desaparecimento, foram encontrados restos mortais humanos nas proximidades da povoação. Em um primeiro momento foi achado um cadáver na beira do rio Araguaia, sem a cabeça, membros superiores, tecidos e vísceras do tórax e abdômen e sem os pés, no qual foram constatados sinais de morte violenta; Pouco tempo depois, foi achado na mesma região um crânio com mandíbula, e mais um tempo de pois, uma sacola contendo uma camisa de cor amarelada e um saco de fibra com três pedaços de ossos. O local se assemelha a uma “desova” de corpos.

A família conta ainda, que o Instituto Médico Legal (IML), diz ter encaminhado em dezembro de 2019, os respectivos materiais genéticos ao Instituto de Genética Forense e em fevereiro de 2020 o material genético dos familiares de Francisco Gomes da Silva, foram coletados para comparação com os restos mortais humanos encontrados no local próximo ao distrito Santa Luzia. Contudo, sete meses após a coleta, ainda não houve resposta quanto aos resultados.

Nossa equipe conversou também com a advogada da família, Valda Costa, que comentou a situação. “A família me procurou relatando várias tentativas de obter respostas sobre o seu desaparecimento, sem sucesso, por meio do Ministério Público, Polícia Civil e Instituto Médico Legal. Pediram que desse parecer sobre o caso e, ao ter vista do procedimento inquisitorial, observei que se trata de um caso complexo envolvendo pessoa que desapareceu em março de 2019, há um ano e meio, e foi a família que, em constantes buscas, achou todos os restos mortais apreendidos”, disse q advogada que continuou, “Verifiquei a existência de três Boletins de Ocorrência gerados e com laudos periciais preliminares de fato insuficientes para comprovar se os restos pertencem ou não à Francisco. A família forneceu material genético para comparação de DNA, mas faz sete meses que aguardam pelos resultados sem quaisquer respostas. Além disso, para apurar possível homicídio de Francisco, em 03/05/2019 o Inquérito Policial nº 3299/2019 foi autuado, sendo juntados os Boletins de Ocorrência nº 20179/2019, 20688/2019 e 63257/2019. Aproximadamente um ano e meio depois da autuação, o Inquérito sequer consta no Sistema Processual Eletrônico “, explicou a advogada.

Para Valda Costa, em se tratando da legislação atual, todos os prazos para conclusão da investigação foram superados e, em que pese diversos relatos da família sobre o possível suspeito, até hoje, no inquérito policial, sequer há os depoimentos dos mesmos. Ou seja, o Inquérito aparenta ser bastante frágil, pois não foi encontrado no procedimento, nenhum depoimento das próprias pessoas que encontraram os restos mortais. Além disso, a única pessoa apontada como suspeita, sequer chegou a ser ouvida.

“É compreensível a indignação da família, que hoje decidiu gritar por justiça. Afinal de contas, foi a família que, em completo desespero ao procurar por Francisco, em três momentos diferentes, encontrou partes de cadáveres esquartejados nas proximidades de onde ele desapareceu. Sua genitora afirma ter reconhecido as pernas do filho, bem como uma camiseta que foi encontrada”, observou a advogada que emendou, “Antes de ser advogada, também sou mãe e me sensibilizo com a dor de toda família, especialmente a da mãe que anseia um reencontro com seu filho ou, caso os restos mortais sejam de seu filho, no mínimo, um respaldo do Estado quanto à investigação, com punição do responsável, e finalmente a possibilidade de poder realizar o funeral e sepultamento”, concluiu.

A irmã de Francisco, Leilane Gomes da Silva, resolveu falar em nome da família. “Viemos fazer uma manifestação aqui hoje em busca de justiça pelo meu irmão Francisco, que desapareceu já faz um ano e seis meses e nós não temos nenhuma notícia dele. Foi encontrado um corpo no rio e que tá no IML hoje, para fazer o exame de DNA, só que até agora esse exame não foi concluído e nós não temos nenhuma resposta do resultado. Então nós queremos justiça sobre isso, porque é um descaso com a família ter um parente assim desaparecido e às vezes se tiver morto e a gente não puder enterrar, é uma coisa muito difícil. Eu fui no IML e me mandaram procurar a Delegacia responsável, fui no Instituo fazer o exame de DNA e me falaram que eu tinha que procurar o Delegado também, que é o responsável, e no Ministério Público ele falou a mesma coisa e quando fui na Delegacia não me atenderam, não atenderam a família do Francisco. Nós queremos as respostas pra esse caso porque tá muito difícil”.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

MP abre procedimento para fiscalizar “fura-fila” na vacinação contra Covid-19 no Bico

Publicado

em

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) instaurou procedimentos administrativos a fim de fiscalizar as ações adotadas quanto à execução do Plano Municipal contra a Covid-19 e expediu recomendações para garantir que a vacina seja realizada de forma isonômica, eficiente, célere e segura à população.

Os promotores de Justiça apontaram, nos procedimentos, o número de casos de infectados, a quantidade de doses da vacina distribuída a cada município, consideraram a competência do ente frente ao Sistema Único de Saúde e requereram informações acerca do plano de operações referente à vacinação contra a Covid-19.

À medida que os municípios respondem aos questionamentos, estão sendo expedidas as recomendações, que tratam da organização do suporte logístico dos imunizantes; do acondicionamento, transporte e segurança das vacinas; da adequação na quantidade de salas e de equipes disponíveis para executar a vacinação; da observância aos grupos prioritários, do envio de listas nominais dos profissionais da saúde que serão vacinados, da aquisição de equipamentos e insumos, bem como do controle de estoque e do sistema de informação.

O Ministério Público alerta que o descumprimento das diretrizes estabelecidas nos planos nacional e estadual para priorização da vacina pode ensejar a responsabilização criminal; além de eventual ação por improbidade administrativa, dentre outras medidas.

Denúncia Covid

Até a manhã desta quarta-feira, 27, os canais da  Ouvidoria do Ministério Público receberam 18 comunicações de todo o Tocantins, em relação à vacinação, destas  sete são de manifestações de fura fila e as demais de profissionais da saúde, que afirmam que, apesar de estarem na linha de frente, não conseguiram vacinar. As comunicações foram processadas e encaminhadas para as respectivas promotorias para a devida apuração.

As comunicações sobre supostas irregularidades podem ser realizadas por chamadas gratuitas pelo telefone 127, pelo o e-mail [email protected] e no número de whatspp (63) 99100 2720. (Denise Soares)

Continue lendo

Bico do Papagaio

Delegado fala sobre supostos sequestros de crianças no Bico

Publicado

em

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: “Leviano. Mentiu e vai ter de provar na Justiça”, rebate dono de imóvel sobre Aquiles

Publicado

em

Não demorou para que André Gonçalves, dono do imóvel onde está instalada a sede da 3ª Companhia do Corpo de Bombeiro, em Araguatins, no Bico do Papagaio, rebatesse o prefeito Aquiles da Areia (PP), que o acusou de propor “rachadinha” no aluguel, para manter a corporação funcionando no prédio de sua propriedade.

Aquiles fez a declaração, logo após, o fim da reunião entre integrantes do Corpo de Bombeiros, da Prefeitura e do Poder Legislativo, onde ficou definido um novo local para a unidade.

André foi duro ao rebater Aquiles e disse que vai acionar a Justiça, para exigir retratação. “Espero que ele prove as afirmações levianas e mentirosas que fez a meu respeito. Se ele acha que pelo fato de ser prefeito, pode falar o que quiser, sem apresentar nada que constate a acusação, ele está enganado. Vai ter de provar tudo na Justiça”, disse André.

Ele ainda explicou, que desde o dia que Aquiles assumiu a Prefeitura, nunca esteve pessoalmente com o gestor e não tratou de assunto de aluguel, e nenhum outro, embora na manhã da última terça-feira, dia 26, tenha sido procurado pelo vereador Marlúcio, por meio de contato telefônico, o qual propôs a redução no valor do aluguel de modo que o Corpo de Bombeiros continuasse operando no mesmo local, por ser o mais adequado, com o que concordou André.

Segundo André, a atitude do prefeito na manhã desta quarta, 27, causou perplexidade e indignação, pois desvirtuou os fatos e denegriu sua imagem, imputando-lhe fato criminoso, pelo que será acionado civil e criminalmente, e terá que provar suas alegações perante a Justiça.

Continue lendo
publicidade Bronze