Na tribuna da Câmara Municipal, o vereador Gilvan Neri (PSB), fez uma denúncia grave, na sessão ordinária desta segunda-feira, 24. O parlamentar alertou sobre o possível uso de maquinário público para atender demandas particulares sob coordenação de uma moradora que supostamente seria pré-candidata a vereadora, no distrito de Falcão, zona rural de Araguatins, no Bico do Papagaio.

Segundo Gilvan, que chegou a mostrar um áudio da moradora e pré-candidata, ela estaria pedindo via grupo de whatsapp para que os interessados se manifestassem, sobre o interesse de receber uma carrada de piçarra na porta de casa, pois já haviam passado o nome, mas ela não estaria lembrado quem eram as pessoas.

Para Gilvan, o fato caracteriza dois crimes, o eleitoral e de improbidade administrativa. No primeiro caso, a gestão estaria passando para as mãos de uma suposta pré-candidata a vereadora, sem que a mesma tenha ligação ou trabalhe na Secretária Municipal de Infraestrutura, a condição de determinar a distribuição de material tipo piçarra, sem nenhuma norma ou cadastro oficial, ficando apenas ao critério da moradora, com a possibilidade de atender baseado apenas em seus critérios. No segundo caso, o de improbidade administrativa, a gestão municipal estaria deixando de acolher demanda coletiva, para beneficiar questões pessoais. “Aqui na região, temos diversas vicinais em situação intrafegável, com alunos andando a pé vários quilômetros, além de produtores sem condições de escoar seus produtos, muito por conta de falta de pequenos reparos que poderiam solucionar. Mas a gestão municipal deixa de responder essa demanda em prol do coletivo, para passar a atender questões pessoais. O tempo que a gestão gastaria distribuindo esse material, estarias era fazendo reparos em pontos críticos em vicinais da região”, salientou o parlamentar em entrevista ao webjornal Folha do Bico.

Gilvan disse ainda que levará a denúncia a outros órgãos de fiscalização.

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.