Connect with us

Tocantins

Atraso do “Minha Casa, Minha Vida” vai ser debatido na AL

Publicado

em

Aprovados, após a tramitação em regime de urgência, nesta quarta-feira, dia 12, dois requerimentos de autoria do deputado Amélio Cayres (PR) que convidam diversas autoridades do Estado para comparecerem na Sessão Plenária do dia 25 de junho quando será discutido o atraso das obras do Programa Minha Casa, Minha Vida no Tocantins. Amélio quer o comparecimento da procuradora-geral de Justiça, Vera Nilva Rocha Lira, do secretário estadual das Cidades, Habitação e Desenvolvimento Urbano, Raimundo Nonato Frota Filho, e do defensor público geral do Tocantins, Marlon Costa Luz Amorim.

O republicano solicita ainda a presença dos prefeitos e dos integrantes das comissões de acompanhamento de obras dos municípios que deverão receber casas do programa. O parlamentar recebeu anuência em mais dois requerimentos que também tramitaram em regime de urgência. Um deles pede que o secretário da Administração do Estado, Lúcio Mascarenhas, restabeleça o atendimento do PlanSaúde na cidade de Imperatriz, Estado do Maranhão.

Outro requerimento que tramitou em regime de urgência, de autoria da deputada Josi Nunes (PMDB), solicita ao presidente da Assembleia, deputada Sandoval Cardoso (PSD), a adesão da Casa à campanha “Assine + Saúde”. O objetivo, segundo a parlamentar, é colher assinaturas para a apresentação de projeto de lei de iniciativa popular que trata do aumento dos recursos da União para a saúde pública.

Em regime normal de tramitação, foram aprovadas solicitações do deputado Eli Borges (PMDB) que reivindicou, entre outras coisas, a recuperação da TO-419, no trecho que liga Araguaína ao Balneário Véu das Noivas, e a pavimentação dos acessos da quadra 405 Norte em Palmas. A parlamentar Luana Ribeiro (PR) cobrou providências quanto ao asfaltamento da TO-245, na parte que liga Tocantínia a Rio Sono.

Ainda tiveram matérias aprovadas os deputados Osires Damaso (DEM), Iderval Silva (PMDB), Solange Duailibe (PT), Stalin Bucar (PR), Toinho Andrade (PSD) e Wanderlei Barbosa (PEN). Dentre as solicitações está o pedido para que o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o programa Academia da Saúde em Arapoema, e para que o presidente desta Casa, Sandoval Cardoso, crie o Procon Legislativo no âmbito do Parlamento Estadual. (Elpídio Lopes)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Tocantins

Leitos de UTIs para Covid são bloqueados no Tocantins por risco de desabastecimento

Publicado

em

O Instituto Saúde e Cidadania (ISAC) que administra leitos de UTI para Covid-19 nos três maiores hospitais do Tocantins, anunciou nesta quarta-feira (20) o bloqueio de parte dos leitos. A justificativa apresentada pelo instituto é de que há risco de desabastecimento nas unidades, mas não foi informado qual o produto que está sob risco de faltar. O Instituto afirma que há problemas no “abastecimento de materiais e medicamentos essenciais para o tratamento dos pacientes internados”.

O ISAC disse que os leitos bloqueados estão no Hospital Geral de Palmas e também nos Hospitais Regionais de Araguaína e Gurupi. Segundo a nota, “atualmente, as unidades citadas não possuem condições de novas admissões até que o abastecimento seja normalizado pelos fornecedores”.

O ISAC informou que o bloqueio atinge 17 leitos que estão livres atualmente na unidade. Segundo o portal Integra Tocantins, alimentado pelo Governo do Estado, atualmente há 24 leitos livres nas três unidades. Os outros sete leitos que estão livres já estavam bloqueados antes da decisão do instituto pela equipe de controle de bactérias do hospital, já que alguns pacientes não podem ficar perto de outros, e também por casos de pacientes suspeitos.

A nota afirma ainda que a Secretaria de Estado da Saúde (SES) havia sido notificada sobre o risco de desabastecimento em três ocasiões e que a situação não foi normalizada.

O painel que monitora a ocupação de leitos na rede hospitalar, o Integra Tocantins, indica que até à 16h havia 43 pacientes internados nas UTIs das três unidades citadas pelo ISAC e 24 vagas livres nos três hospitais. Veja a situação de cada hospital:

  • Hospital Geral de Palmas – 17 leitos ocupados e 13 livres (57% de ocupação)
  • Hospital Regional de Araguaína – 12 leitos ocupados e cinco livres (71% de ocupação)
  • Hospital Regional de Gurupi – 14 leitos ocupados e seis livres (70% de ocupação)

Já há relatos de pacientes que aguardam transferências para UTIs nas unidades e não estão conseguindo. É o caso de Carlos Antônio Pereira Paz. Ele está internado na Unidade de Pronto Atendimento da região norte da capital e a família conseguiu uma liminar na Justiça que determina a transferência dele para uma UTI. Uma sobrinha do paciente informou que quando a UTI móvel chegou para realizar a transferência eles foram informados que o HGP não poderia receber o paciente. A justificativa apresentada a eles foi de falta de pagamento de salário aos enfermeiros.

O ISAC afirma no entanto que o bloqueio dos leitos é por causa do risco de desabastecimento e não de atrasos nos pagamentos. A folha de pagamento de dezembro é a única, segundo o instituto, que está atrasada.

A SES foi procurada para explicar a situação e dizer para onde os pacientes que precisarem de UTI serão encaminhados enquanto o bloqueio durar. O G1 aguarda retorno da pasta.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) decidiu terceirizar o gerenciamento e operacionalização dos leitos de UTI adultos do Hospital Geral de Palmas e dos Hospitais Regionais de Gurupi e Araguaína em agosto. O governo contratou o Instituto Isac pelo valor de R$ 33,2 milhões, sem licitação. O contrato tem validade de pelo período de seis meses, mas prevê a prorrogação sucessiva enquanto durar a pandemia.

Continue lendo

Tocantins

Para enfrentar a crise, 64% das empresas tocantinenses vendem por canais digitais

Publicado

em

O comércio eletrônico foi a forma que a grande maioria das empresas encontrou para enfrentar a crise gerada pela pandemia de Covid-19. De acordo com a 9ª edição da pesquisa “O Impacto da Pandemia de Coronavírus”, elaborada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), sete em cada dez empresas brasileiras já atuam nas redes sociais, aplicativos ou internet para impulsionar suas vendas. Em maio, bem no início da pandemia, esse percentual era de 59%.

Para o superintendente do Sebrae Tocantins, Moisés Gomes, a internet tem sido uma grande aliada na sobrevivência dos negócios. “As compras pela internet se intensificaram e os empresários tiveram que se readaptar para manter o negócio funcionando. O ambiente virtual se tornou um aliado cada vez mais forte e importante para compra e venda de produtos e serviços”, afirmou.

No Tocantins, a plataforma WhatsApp é a preferida pelos empreendedores que inseriram o mundo virtual nas suas vendas, com 94% de adeptos. Instagram e Facebook são as próximas opções, com 47% e 39%, respectivamente. Apenas 8% dos negócios vendem por sites próprios.

“Isso demonstra que plataformas já conhecidas e com grande capilaridade são mais procuradas pelos empreendedores, que levam em consideração custos de manutenção e a confiabilidade do meio”, destacou Gomes.

Outro dado apontado pela pesquisa é que 59% das empresas tocantinenses continuam funcionando, mas tiveram mudanças em suas rotinas em 2020. Além disso, 34% dos entrevistados comercializaram novos produtos e serviços desde o surgimento da crise do coronavírus. Para 45% dos empresários tocantinenses, os desafios estabelecidos pela instabilidade provocaram mudanças valiosas em seus negócios.

Continue lendo

Tocantins

Ministério da Saúde aumenta de 29 mil para 44 mil doses da Coronavac para o Tocantins

Publicado

em

A quantidade de doses da vacina CoronaVac, que inicialmente seria de 29.840 para o Tocantins, teve porção aumentada para 44 mil. A informação foi oficializada pelo secretário de estado da Saúde, Edgar Tollini, na noite desta segunda-feira, 18, no lançamento da campanha de vacinação contra a Covid-19.

Essas doses serão destinada para profissionais da saúde, idosos e indígenas.

A CoronaVac foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e, no Brasil, será produzida pelo Instituto Butantan, em São Paulo. O uso emergencial da vacina foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no domingo (17). A agência também aprovou o uso emergencial da vacina de Oxford, cujas doses devem chegar ao país nas próximas semanas.

Continue lendo
publicidade Bronze