- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
sexta-feira, 19 / abril / 2024

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

AUGUSTINÓPOLIS: Profissionais de UTI do Hospital Regional estão há dois meses sem receber salários

Mais Lidas

Profissionais da saúde contratados pela empresa Associação Saúde em Movimento (ASM), responsável pela gestão de UTIs do Hospital Regional de Augustinópolis (HRAUG), dizem que estão há dois meses sem receber salários. Os profissionais temem o calote porque o contrato da empresa com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), chega ao fim neste sábado, 30.

A falta de pagamento atinge médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos, assistentes sociais, farmacêuticos, maqueiros e serviços gerais. Outra empresa assumirá os serviços sob requisição administrativa do Governo do Estado.

Além de atrasos salariais frequentes, os profissionais também reclamam da falta de materiais básicos e até mesmo de equipamentos de proteção individual (EPIs). Conforme o relato, com a ausência de alguns profissionais nos plantões, a coordenação exige que outros dobrem o número de plantões, causando esgotamento físico.

O que dizem os profissionais

Uma profissional que preferiu não se identificar disse que está preocupada com o futuro. “Estamos trabalhando em condições precárias e sem receber salários. Estamos com medo de sermos caloteados”, disse.

Outra profissional que também preferiu não se identificar disse que está indignado com a situação. “É um descaso com a saúde pública. Estamos trabalhando para salvar vidas e não estamos sendo valorizados”, disse.

Impacto na assistência

A falta de pagamento dos profissionais da saúde pode ter impacto na assistência aos pacientes. Com a ausência de alguns profissionais nos plantões, a carga de trabalho aumenta para os demais, o que pode levar ao esgotamento físico e emocional.

Além disso, a falta de materiais básicos e EPIs pode colocar em risco a segurança dos pacientes e dos profissionais da saúde.

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Últimas Notícias