Connect with us

Tocantins

“Bruxa” no TO cobrava por trabalhos espirituais e ameaçava clientes com maldição familiar

Publicado

em

Policiais Civis da 8ª Delegacia Regional de Dianópolis, coordenados pelo delegado Márcio Duarte Teixeira, efetuaram, no final da tarde da última quinta-feira (12), a prisão de uma mulher de iniciais M.T. Ela é suspeita pela prática do crime de estelionato e foi capturada, mediante cumprimento a mandado de prisão preventiva, quando se encontrava em frente a uma agência bancária, naquele município.

De acordo com o delegado Márcio, a ação que resultou na prisão da suspeita foi desencadeada depois que uma senhora idosa procurou a Delegacia de Polícia Civil de Taguatinga informando que havia sido vítima de um golpe praticado pela suspeita.

 “Através das investigações descobrimos que a mulher estava se passava por astróloga e vidente e que fazia trabalhos espirituais, mediante remuneração e que, no dia 27 de agosto, tinha abordado a vítima em frente a uma agência bancária de Taguatinga, onde recebeu o primeiro pagamento por conta do suposto trabalho espiritual que iria fazer. No entanto, também constatamos que a vítima que nos procurou estava sofrendo extorsão, uma vez que a falsa vidente passou a ameaçar a senhora para que a mesma lhe desse mais dinheiro, além da quantia que ela já havia disponibilizado a investigada”, disse o delegado.

Ainda no decorrer dos trabalhos investigativos, os policiais civis da 8ª DRPC também descobriram que M.T passou a enviar várias mensagens de texto à vítima afirmando que se não recebesse mais dinheiro pelo suposto trabalho espiritual realizado, haveria sérias conseqüências que se abateriam sobre a vida da denunciante e de seu marido. Com base no relato da vítima, o delegado abriu inquérito onde foram reunidos fortes indícios de autoria e materialidade dos crimes cometidos e, diante desse disso, foi representado pela prisão preventiva de M.T, a qual foi deferida e cumprida, nesta quinta-feira.


Por ocasião da prisão, a mulher foi localizada no centro da cidade de Dianópolis, uma vez que já havia saído de Taguatinga. Desse modo, ela foi conduzida até á Central de Atendimento da Polícia Civil, daquela cidade e, após a realização dos procedimentos legais cabíveis, recolhida à Casa de Prisão Provisória local, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário. (Com informações de Rogério de Oliveira)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Tocantins

Tocantins contabilizou 236 novos casos de Covid-19 e passa de 74 mil

Publicado

em

Neste sábado, 24, o Tocantins contabilizou 236 novos casos confirmados da Covid-19, sendo 82 das últimas 24h. O restante é de exames coletados em dias anteriores e que tiveram seus resultados liberados na data de ontem.

Dos 236 novos casos 84 foram detectados por RT-PCR, 24 com sorologia e 128 através testes rápidos.

Atualmente, o Tocantins contabiliza 229.179 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 74.118 casos confirmados. Destes, 61.459 pacientes estão recuperados, 11.577 pacientes seguem em isolamento domiciliar ou hospitalar e 1.082 pacientes foram a óbito.

Os dados contidos no boletim são consolidados com resultados de exames realizados no Lacen e notificações recebidas dos municípios até as 23h59 do último dia.

Continue lendo

Tocantins

População desocupada aumenta 40,4% no Tocantins de maio a setembro

Publicado

em

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid19 (PNAD Covid19), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta sexta-feira, 23, estima que a população desocupada no Tocantins passou de 80,7 mil para 91,7 mil de agosto para setembro – alta de 13,6% na variação mensal e de 40,4% desde maio (início da pesquisa) que registrava cerca de 65,3 mil pessoas. Já a taxa de desocupação saiu de 12% para 13,5%, aumentando 1,5 ponto percentual.

“Há um aumento da população desocupada ao longo de todos esses meses. Esse crescimento se dá em função tanto das pessoas que perderam suas ocupações até o mês de julho quanto das pessoas que começam a sair do distanciamento social e voltam a pressionar o mercado de trabalho”, explica a coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira.

A pesquisa revela que cerca de 588 mil pessoas estavam trabalhando em setembro, no mês anterior eram aproximadamente 591 mil. Porém, cerca de 42 mil estavam afastadas do trabalho, dos quais 19 mil estavam afastadas por motivo de doença, licença maternidade, férias, qualificação, entre outros e 23 mil devido ao distanciamento social. Frente a agosto, a queda foi de 38,6%. Estes indicadores vêm apresentando quedas sucessivas desde o início da pandemia, à medida que as restrições de isolamento vão sendo abrandadas.

A redução dos afastamentos do trabalho devido à pandemia também pode ser verificada através da queda do percentual de pessoas afastadas por este motivo no total de pessoas ocupadas, que de agosto para setembro passou de 6,3% para 3,9%. Em julho, este percentual era de 9,3%, em junho 12,2% e em maio 15,9%. De acordo com a coordenadora da PNAD Covid19, Maria Lúcia Vieira, essas pessoas podem ter sido demitidas ou retornado ao trabalho.

Analisando todos os meses da pesquisa, o número de pessoas inseridas no mercado de trabalho também vem diminuindo no estado: cerca de 611 mil em maio, 605 mil em junho, 603 mil em julho, 591 mil em agosto, chegando a 588 mil em setembro. O nível da ocupação, isto é, o percentual de pessoas ocupadas em relação às que tem idade de trabalhar (14 anos ou mais), passou de 50% em maio, para 49,4% em junho, 49,2% em julho, 48,3% em agosto e no mês passado registrou 47,9%.

Já o número de tocantinenses que trabalhavam remotamente se manteve praticamente estável em setembro, segundo a pesquisa. No mês de maio, em torno de 31,4 mil pessoas (6,3% do total de ocupados e não afastados do trabalho) exerciam suas atividades no estilo home office. Em junho, esse contingente subiu para 34,4 mil (6,7%), já em julho caiu para 29,6 mil (5,7%), em agosto chegou novamente a 34 mil (6,4%) e em setembro a cerca de 33,7 mil (6,2%).

Rendimento e auxílio

Foi verificado que entre os 42 mil trabalhadores tocantinenses que estavam afastados do trabalho, em setembro, aproximadamente 8 mil não receberam remuneração. Esse contingente representava 19% do total de pessoas afastadas do trabalho. Em agosto, esse percentual era de 22%, mas vem caindo consistentemente ao longo da pandemia.

No Tocantins, o rendimento médio real domiciliar per capita efetivamente recebido em setembro foi de R$ 1.079, ficando estável em relação a agosto (R$1.078). Já a renda média per capita dos lares onde nenhum dos moradores recebia algum auxílio do governo relacionado a pandemia (R$ 1.485) era, em média, quase duas vezes superior ao daqueles onde alguém recebia benefício (R$ 781).

A proporção de domicílios no estado que recebeu algum auxílio relacionado à pandemia (como o Auxílio Emergencial e o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda) passou de 50,2% em maio para 53,8% em junho, caiu para 53% em julho, 52,2% em agosto e chegou a 51,4% dos lares, no mês passado. O valor médio do rendimento proveniente do benefício recebido, vinha aumentando nos últimos meses, mas sofreu leve retração em setembro ficando em R$ 923,00.

Os estados das regiões Norte e Nordeste, foram os que apresentaram as maiores proporções de domicílios onde um dos moradores é beneficiário de programa de auxílio emergencial. Da Região Norte, três estados estão entre os cinco primeiros com maior percentual: Amapá (68,4%); Maranhão (63,7%); Pará (63,3%); Alagoas (63,1%) e Amazonas (60,9%). Na sequência os demais estados do Nordeste e Norte, todos com mais da metade dos domicílios recebendo auxílio emergencial, exceto Rondônia, que possui 49,5% dos domicílios recebendo auxílio, enquanto os estados das demais regiões, todos abaixo de 50%. Tocantins ficou em 14º no ranking (51,4%). Rio Grande do Sul (29,3%) e Santa Catarina (24,1%) apresentaram as menores proporções.

Informalidade

A pesquisa aponta ainda que o número de tocantinenses considerados como trabalhadores informais foi de aproximadamente 240 mil em setembro, equivalente a 40,8% do total de ocupados, A quantidade de informais em relação a agosto e a taxa de informalidade se mantiveram estáveis. As regiões com as maiores taxas de informalidade foram a Norte e a Nordeste: 49,2% e 45,0% respectivamente, em seguida, a região Centro-Oeste figurou com 34,6%, as regiões com as menores taxas foram a Sudeste e a Sul com, respectivamente, 29,6% e 25,0%. Na comparação entre os estados, Tocantins ficou com a 14º menor taxa. Santa Catarina registrou o menor percentual de informais (20,3%) e Maranhão o maior (52,6%).

Dados nacionais

A população desocupada do Brasil, que era de aproximadamente 10,1 milhões no começo da pesquisa, passou para 12,9 milhões em agosto e, agora, 13,5 milhões de pessoas (aumento de 4,3% no mês e de 33,1% desde o início da pesquisa). A Região Sul foi a única a apresentar queda da população desocupada (-1,4%). Nordeste (10,6%) e Norte (6,4%) apresentaram as maiores variações. A taxa de desocupação aumentou em 0,4 pontos percentuais de agosto para setembro, passando de 13,6% para 14,0% e atingindo o maior nível da série histórica da PNAD Covid19 mensal. (Wendy Almeida)

Continue lendo

Tocantins

Nesta sexta, 23, Tocantins chega a quase 74 mil casos de Covid-19

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que nesta sexta-feira, 23 de outubro, foram contabilizados 374 novos casos confirmados para Covid-19.

Deste total, 124 foram registrados nas últimas 24 horas e o restante por exames coletados em dias anteriores e que tiveram seus resultados liberados na data de ontem.

Desta forma, hoje o Tocantins registra um total de 227.951 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 73.902 casos confirmados da doença. Destes 61.250 pacientes estão recuperados e 11.574 estão ainda ativos (em isolamento domiciliar ou hospitalar), além de 1.078 óbitos.

Clique AQUI e veja o boletim completo.

Continue lendo
publicidade Bronze