Connect with us

Bico do Papagaio

BURITI: Paulo Lemos divulga Carta e diz que PRB e “forças ocultas” barraram sua candidatura a prefeito

Publicado

em

paulo lemos

Nesta quarta-feira, 3, o ex-presidente do PRB, Paulo Lemos, que pleiteava disputa a Prefeitura Municipal de Buriti do Tocantins e teve seu projeto barrado pelo deputado federal, César Halum, que comanda a legenda no estado, divulgou uma Carta à população, agradecendo e explicando a situação interna que levou a desistência do pleito.

Leia o documento:

Carta Aberta à População de Buriti

Prezada população buritinense, como é do conhecimento de muitos dos senhores e senhoras, coloquei meu nome como pré-candidato à prefeitura de nossa cidade por acreditar que é possível fazer uma campanha honesta e gastando dentro dos limites máximos estabelecidos por lei. Confesso que fiquei muito entusiasmado com a ideia e, principalmente, pela forma como ela foi aceita por uma boa parte da população que tomou conhecimento de minha pré-candidatura. Creio ser de extrema importância uma reflexão aberta a todos sobre as razões que levaram a não concretização de minha candidatura.

A princípio destaco que como membro filiado ao PRB e presidente do diretório municipal, após ter ouvido os filiados do partido e conversado com algumas lideranças decidi lançar meu nome como pré-candidato e solicitei, junto à executiva estadual, verbalmente, apenas, que me fosse possível dar prosseguimento ao projeto, sendo que a devolutiva foi de que “o partido estava dividido” e que seria feita uma pesquisa para saber das reais condições de eleição, o que não houve e/ou se houve, não me foi repassado. Não solicitei da executiva estadual nenhum valor monetário para “tocar” a campanha. Não apresentei meu nome para ganhar dinheiro com “barganhas eleitoreiras” que só estragam o processo político e jamais passou pela cabeça do grupo que me apoia o fato de vender minha candidatura ou aluga-la a outro pretenso candidato – não trabalhamos política dessa forma.

Nesse contexto, nossa pré-candidatura ganhou “corpo” e comecei a incomodar quando apareci nas pesquisas como uma nova oportunidade para os que não desejam mais permanecer na situação atual e muito menos voltar ao grupo que representa o antigo regime político que por décadas governou nosso município, mas, que, porém, deixou mais marcas de feridas do que de benesses para a sociedade. Com a aparição de meu nome em situação ascendente nas pesquisas e não havendo forma de me transformar em mercadoria para fazer “negócio”, a forma encontrada foi utilizar as velhas manobras políticas que, avisado de antemão, seriam usadas. Me tomaram a presidência do partido, impossibilitando minha candidatura e levando, a legenda a coligar com outro grupo político, forçando assim, o adiamento do nosso projeto por no mínimo mais quatro anos. Já tenho uma nova legenda partidária em negociação que não possui um “dono”, que preza pelos regimes estatutários que a regem e pretende acabar com o coronelismo ainda existente na “velha política”. Nós sabemos o que fazer e como fazer e isso causa temor em todos aqueles que acham que só é possível ganhar uma eleição gastando altas somas de dinheiro e negociando com o futuro da população que dizem amar.

Ficam claros, portanto, que nossa candidatura não aconteceu de fato por que novamente as “forças ocultas” de que falou Getúlio Vargas juntaram-se para nos tolhi de um direito Constitucional que é o de “votar e ser votado”. Nessa eleição não serei votado, mas votarei e não será em nenhuma coligação alinhada com um partido que não honra seus filiados.
Finalizando, caros buritienses, reitero o meu desejo de ser prefeito de nossa cidade e firmo meu compromisso de continuar batalhando por uma cidade melhor para o seu povo, onde a maioria tenha acesso àquilo que lhe é de direito e não apenas alguns poucos apaniguados pois, acredito ser bem melhor “ascender uma luz do que praguejar contra a escuridão”.

PAULO LEMOS

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Servidores municipais fazem protesto para cobrar salários atrasados

Publicado

em

Servidores municipais protestam, em frente ao Palácio Araguaia, sede do Governo Municipal, em Araguatins, no Bico do Papagaio, contra o não pagamento do salário de dezembro de 2020 e o 13° do mesmo ano. O ato foi convocado pelo Sindicato dos Servidores da Educação de Araguatins (SINSEA),

Os funcionários cobram o imediato acerto dos atrasados. A Prefeitura informou em reunião na semanada passada, com membros do SINSEA, que vai pagar a dívida, porém de forma escalonada, ainda dentro deste ano.

Os débitos foram deixados pela gestão do ex-prefeito Cláudio Santana (MDB).

A presença dos servidores nas mediações da Prefeitura é pacifica e não atrapalha o funcionamento e atendimento de pessoas que buscam resolver assuntos na Prefeitura.

Continue lendo

Bico do Papagaio

SÃO MIGUEL: Prefeito Alberto Moreira manda pra rua servidores concursados

Publicado

em

Com apenas 25 dias de gestão, o prefeito Alberto Moreira (SD), resolveu tomar medidas radicais a frente da administração pública do município de São Miguel, no Bico do Papagaio, e uma delas, foi a demissão de funcionários concursados.

Alberto Moreira recebeu recomendação do Tribunal de Contas do Estado (TCE), para que anulasse um concurso público, realizado em 2016, que selecionou 102 vagas nos níveis fundamental, médio/técnico e superior, por meio da banca organizadora do Instituto Vicente Nelson (Ivin).

O TCE já determinou que Alberto Moreira comprove perante a Corte de Contas, no prazo de 30 dias, a anulação do certame e as providências necessárias para fazer cessar todo e qualquer pagamento decorrente do concurso considerado ilegal.

Segundo o TCE, não houve “apresentação das leis de criação dos cargos e dos quantitativos de vagas ofertadas no quadro do magistério, nível docência – Professor II, para os cargos de educação infantil, ensino fundamental do 1º ao 5º ano, geografia, história, matemática e português/inglês, afrontando desta forma o disposto no inciso VI do art. 5º da IN-TCE/TO nº 02/2006”. Além disso, conforme a Corte, a realização do concurso visou a “admissão de pessoal com o limite de gastos com pessoal acima do permitido, incidindo na vedação prevista no artigo 22, parágrafo único da Lei de Responsabilidade Fiscal”.

Por outro lado, o Ministério Público, recomendou ao prefeito, que não realizasse as demissões, tendo em vista que não foi confirmada a existência das irregularidades apontadas pelo TCE.

A recomendação também orienta que o gestor encaminhe ao TCE informações sobre a regularidade do concurso, especialmente as leis de criação de cargos e o quantitativo de vagas ofertadas no quadro do magistério, nível docência – professor II.

Para a anulação, o TCE alega que o Município não apresentou as leis de criação de cargos e do quantitativos das vagas ofertas, situação que segundo o promotor de Justiça Elizon de Sousa Medrado, não procedem, já que todos os procedimentos foram adotados pela gestão da época e acompanhados pelo Ministério Público.

“O concurso foi fruto de um Termo de Ajustamento de Conduta proposto pelo Ministério Público, no qual constavam obrigações como a criação de cargos, encaminhamento do projeto de Lei para aprovação da Câmara Municipal e o processo licitatório. O concurso foi realizado, as pessoas tomaram posse e não foi verificada nenhuma irregularidade”, salientou o promotor de Justiça.

O não atendimento da recomendação por parte do prefeito de São Miguel do Tocantins poderá ensejar o ajuizamento de ação judicial visando à anulação de eventuais atos de exoneração/demissão dos servidores concursados.

Mesmo com os esclarecimentos do MP, Alberto Moreira, resolveu demitir os concursados e deve contratar comissionados.

Continue lendo

Bico do Papagaio

TOCANTINÓPOLIS: Jogo entre TEC e Interporto é adiado após acidente com atletas do Palmas

Publicado

em

O jogo entre o Interporto e Tocantinópolis pela semifinal do Campeonato Tocantinense 2020, programado para às 16h deste domingo (24), foi adiado. O motivo é o acidente que matou quatro atletas e o presidente do Palmas Futebol de Regatas. O avião que levava parte da equipe para Goiânia caiu logo após decolar em Luzimangues.

A decisão de adiar a partida foi em solidariedade às famílias das vítimas. O jogo agora será nesta segunda-feira (25), no mesmo horário inicialmente previsto, no estádio General Sampaio, em Porto Nacional. Ainda não há informações do que vai acontecer com a partida entre o Palmas e o Araguacema.

O segundo jogo das semifinais ocorreria no dia 28 de janeiro, às 16h, no Nilton Santos. No jogo de ida, o Palmas venceu por 1 a 0. A Federação Tocantinense de Futebol ainda deve se reunir para definir a questão.

Continue lendo
publicidade Bronze