Connect with us

Bico do Papagaio

Coco babaçu gera renda e transforma vidas no Bico do Papapagaio

Publicado

em

Inspirados pelo babaçu, artesãos dos municípios do Bico do Papagaio, extremo norte do Tocantins, vem ultrapassando os limites territoriais, fortalecendo o artesanato e preservando a identidade cultural da região, conhecida pelos ricos recursos naturais e pelos conflitos sociais nas décadas de 70, 80 e 90, entre fazendeiros e posseiros pelo controle de terra.

Coco babaçu se transforma em acessórios femininos

Coco babaçu se transforma em acessórios femininos

Através do Projeto de Artesanato da Amazônia Legal Tocantinense (ARTENORTE), realizado pelo SEBRAE e parceiros, iniciado em 2006, cerca de 90 artesãos receberam capacitações relacionadas à gestão de negócios, melhoria ao acesso à inovação tecnológica e ampliação de acesso a mercados.

Essas ações foram realizadas unindo a inclusão social e a geração de trabalho e renda à preservação ambiental. Em um primeiro momento, foram contemplados os municípios de Aguiarnópolis, Tocantinópolis, Nazaré, Luzinópolis, São Bento e Araguatins.

Almofada com detalhes de coco babaçu produzidas no Tocantins

Almofada com detalhes de coco babaçu produzidas
no Tocantins

Das capacitações realizadas com designers, arquitetos e fotógrafos, a comunidade de artesãos e quebradeiras de coco transformou o babaçu e o carvão em mais de 100 produtos como toalhas de mesa, almofadas, acessórios de moda (colares, bolsas) e utensílios domésticos (luminárias, velas, arranjos florais), e lançaram a “Coleção Babaçu”, que ganhou os grandes centros e mudou a realidade de muitas famílias tocantinenses.

A diretora técnica do Sebrae Tocantins, Mila Jaber, diz que após a “Coleção Babaçu” em 2010, foi iniciado um novo ciclo de trabalhos através do projeto “Artesanato Sustentável Babaçu Brasil”, o que expandiu o atendimento para mais sete municípios, “onde foi oportunizado a inclusão de aproximadamente 60 novos artesãos da região do Bico do Papagaio”.

Artesãs durante oficina

Artesãs durante oficina

Hoje, cerca de 150 mulheres artesãs, empreendedoras individuais e potenciais empreendedoras ligadas à atividade artesanal estão sendo atendidas pelo Sebrae na região norte do Tocantins, como é o caso de Doemy Araújo, 49 anos, de Tocantinópolis. Há seis anos trabalhando com o babaçu e o carvão ativado do babaçu, Doemy foi uma das finalistas do prêmio Top 100. “O artesanato é a única coisa que sei fazer, quero continuar fazendo e morrer fazendo”, diz em tom alegre.

Aline Cunha, 33 anos, moradora de Araguatins também deixou o trabalho do lar para investir no artesanato. Hoje, ela é tesoureira da Associação dos Artesãos de Araguaçu – Babaçu Arte. “Até então, olhávamos para a palmeira e enxergavámos só o azeite e o carvão. Agora temos a visão do artesanato mais elaborado, com design. Esse foi o diferencial”, afirma. Aline ainda afirma que o trabalho com o babaçu transformou as mulheres envolvidas. “Não só na questão financeira, houve um desenvolvimento pessoal, as pessoas não são mais as mesmas.”

Artesanato feito com o coco babaçu

Artesanato feito com o coco babaçu

O trabalho tem dado tão certo que outros produtos devem ser lançados no segundo semestre. Está em fase de criação a coleção “Babaçu Brasil”, que visa valorizar a marca que representa o artesanato da região do Bico do Papagaio.

Dificuldades

Embora os produtos já tenham reconhecimento e mercado, ainda falta estrutura para que os artesãos trabalhem. Doemy conta que em Tocantinópolis, não há uma sede para os artesãos trabalharem. “Ainda temos muita dificuldade, contamos apenas com o apoio do Sebrae. Não temos casa, sempre que surge um trabalho nos dividimos e cada um faz em sua própria casa.”

Em Araguatins, as mulheres expõem os trabalhos na feira e atendem encomendas. “Ainda financeiramente não estamos como queríamos. Queremos que melhore cada vez mais”, diz Aline Cunha.

Região
Conforme o Sistema de Informações Territoriais, o Bico do Papagaio é composto por 25 municípios e população de 196.389 habitantes, dos quais 66.533 vivem na área rural, o que corresponde a 33,88% do total. Possui 7201 agricultores familiares, 5732 famílias assentadas e duas terras indígenas. E é nessa região, que mulheres transformam recursos naturais em produtos artesanais e geram renda para sustentar suas famílias.

Bolsas feitas com o coco babaçu no Tocantins

Bolsas feitas com o coco babaçu no Tocantins

Segundo Mila Jaber, a partir de 2006, foi possível abrir novas possibilidades para os artesãos inseridos na região do Bico do Papagaio e “com inovação e design o mercado conheceu as habilidades de nossa gente e a riqueza do coco babaçu”, o que vem transformando histórias de vidas.

“Durante esses anos a instituição oportunizou a participação dos artesãos da região do Bico do Papagaio em feiras nacionais e internacionais, com isso, foi possível prospectar novos negócios e parcerias efetivas tanto em âmbito nacional quanto estadual para fortalecer o artesanato em coco de babaçu”, destaca.

Babaçu

Babaçu transforma vida da população do Bico do Papagaio

Babaçu transforma vida da população do Bico do
Papagaio

Nome de várias espécies da família das Palmáceas, especialmente Orbygnia martiana e Orbygnia speciosa, com longas folhas, penadas, encontradas na região amazônica, no Brasil central e no Nordeste. Seus cocos oleaginosos fornecem um óleo que se emprega como lubrificante, combustível ou alimento, em substituição à manteiga ou ao azeite, e como base para sabonetes. Suas folhas fornecem palha branca para cobrir tetos de ranchos e casas, e também para fazer chapéus. (Informações Dicionário Michaelis) (G1)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
1 Comment

Bico do Papagaio

No dia que Brasil começa vacinação contra Covid-19, Bico acumula mais de 12 mil infectados

Publicado

em

Logo após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ter aprovado o uso emergencial da CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, neste domingo, 17, foi aplicada a primeira dose no país.

A primeira pessoa vacinada fora dos estudos clínicos foi Mônica Calazans, de 54 anos, enfermeira, negra e moradora da zona leste da capital. Ela, que atua na linha de frente contra a Covid-19 no Instituto de Infectologia Emílio Ribas, foi vacinada no fim da tarde no Instituto Butantan. Até então, as únicas pessoas do país que haviam tomado a vacina faziam parte dos testes clínicos.

A vacina chega, nove meses depois do registro do primeiro caso no Bico do Papagaio. Durante esses noves meses, a região acumula 12.010 casos de pessoas que se infectaram com o vírus Sars-Cov-2. A quantidade configura 12.4% de todos os 96.319 casos identificados no Tocantins.

188 pacientes dos 12.010 infectados morreram na região. Isso representa 1.56%. Em comparação ao número de mortes no Tocantins, os óbitos no Bico, corresponde a 14.3% dos 1.313 registrados em todo o estado.

Tocantinópolis é o município do Bico do Papagaio que mais teve moradores infectados, com 1.374, seguido de Araguatins, com 1.148 e Xambioá com 1.125.

Quanto ao número de mortes, quem lidera é Araguatins, com 31 óbitos, seguido de Tocantinópolis, com 24 e Ananás com 16.

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Prefeitura tem novo horário de funcionamento

Publicado

em

Desde o último dia 4, a Prefeitura Municipal de Araguatins, no Bico do Papagaio, adotou um novo horário de atendimento ao público e serviços internos.

O atendimento ao público fico estabelecido como sendo das 7h30 às 11h30 e o serviço interno das 13h30 às 17h.

Deverão funcionar normalmente as unidades das Secretarias ou autarquias que exercem regime de plantão.

OBS: A matéria foi alterada após o Decreto ser corrigido. O anterior havia um erro de digitação do horário.

Continue lendo

Bico do Papagaio

SÃO MIGUEL: MP recomenda que Prefeitura não demita aprovados em concurso como pediu TCE

Publicado

em

O Ministério Público do Tocantins (MPTO), por meio da Promotoria de Justiça Itaguatins, expediu nesta quarta-feira, 13, Recomendação Administrativa ao prefeito de São Miguel do Tocantins, Alberto Loiola Gomes Moreira, para que se abstenha de exonerar ou demitir qualquer servidor aprovado no concurso público realizado no ano de 2016, tendo em vista que não foi confirmada a existência das irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (TCE).

A recomendação também orienta que o gestor encaminhe ao TCE informações sobre a regularidade do concurso, especialmente as leis de criação de cargos e o quantitativo de vagas ofertadas no quadro do magistério, nível docência – professor II. 

Para a anulação, o TCE alega que o Município não apresentou as leis de criação de cargos e do quantitativos das vagas ofertas, situação que segundo o promotor de Justiça Elizon de Sousa Medrado, não procedem, já que todos os procedimentos foram adotados pela gestão da época e acompanhados pelo Ministério Público. 

“O concurso foi fruto de um Termo de Ajustamento de Conduta proposto pelo Ministério Público, no qual constavam obrigações como a criação de cargos, encaminhamento do projeto de Lei para aprovação da Câmara Municipal e  o processo licitatório. O concurso foi realizado, as pessoas tomaram posse e não foi verificada nenhuma irregularidade”, salientou o promotor de Justiça.

O não atendimento da recomendação por parte do prefeito de São Miguel do Tocantins poderá ensejar o ajuizamento de ação judicial visando à anulação de eventuais atos de exoneração/demissão dos servidores concursados. (Denise Soares)

Continue lendo
publicidade Bronze