Connect with us

Bico do Papagaio

Conass orienta municípios do Bico a definir ações contra a Covid-19

Publicado

em

Para ajudar municípios do Bico do Papagaio e do restante do Brasil, a avaliarem a situação atual de infectados e planejarem ações contra a propagação do novo coronavírus, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) lançou um guia. O Instrumento de Avaliação de Risco para a Covid-19 sugere medidas de quarentena e distanciamento social de acordo com os números de infectados. O documento também sugere formas de retomada gradual de atividades.

São cinco classificações de risco, identificadas em cores: verde, amarelo, laranja, vermelho e roxo. Para a construção das classificações, foram levadas em conta diversos fatores, como a taxa de ocupação de leitos de UTI e a variação do número de mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) nos últimos 14 dias, por exemplo. (Confira detalhes ao final da matéria)

A orientação é que os dados sejam coletados diariamente e a classificação atualizada. “Caso nesse monitoramento esse risco aumente, o instrumento aconselha a adoção de um distanciamento social mais rigoroso. O oposto também está previsto: com a redução de risco é possível adotar medidas mais amenas de distanciamento social”, explica Fernando Avendanho, assessor técnico do Conass.

Na classificação roxa, adotada quando há taxa de ocupação de mais de 85% dos leitos de UTI, é recomendado que o município siga todas as orientações da Portaria 356/20, que estabelece a quarentena, incluindo suspensão de atividades escolares, proibição de eventos e suspensão das atividades econômicas não essenciais. Já na classificação verde, a mais leve, basta isolar pessoas com suspeita da doença.

“O objetivo do Instrumento é oferecer aos gestores uma ferramenta para tomada de decisões. A adoção da ferramenta é adicional e não substitui eventuais iniciativas já adotadas nos territórios”, pontua Fernando.

O guia foi desenvolvido com a participação Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e está disponível para todos os gestores e também para a população

A chefe de Saúde do UNICEF no Brasil, Cristina Albuquerque, lembra que o isolamento social é muito importante para evitar novos casos e também novas mortes. “O isolamento social é extremamente importante nesse momento em que ainda não atingimos o pico da pandemia. Tanto no Brasil quanto no mundo, essa é uma das principais medidas para que muitas pessoas não sejam contaminadas e adoeçam ao mesmo tempo precisando buscar atenção médica hospitalar, deixando os hospitais lotados e sem condições de atender adequadamente àqueles casos mais graves que podem levar, inclusive, à morte. Portanto, por favor, se puder, fique em casa”, pontua. (Com informações doo Brasil 61)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Família protesta e cobra solução para desaparecimento de jovem

Publicado

em

Na manhã desta terça, 29, dezenas de familiares e amigos do jovem Francisco Gomes da Silva, desaparecido desde março de 2019, protestaram em Araguatins, no Bico do Papagaio, clamando pela solução do caso.

Francisco foi visto pela última vez no distrito Santa Luzia, zona rural de Araguatins.

Segundo a família, nos dias seguintes ao desaparecimento, foram encontrados restos mortais humanos nas proximidades da povoação. Em um primeiro momento foi achado um cadáver na beira do rio Araguaia, sem a cabeça, membros superiores, tecidos e vísceras do tórax e abdômen e sem os pés, no qual foram constatados sinais de morte violenta; Pouco tempo depois, foi achado na mesma região um crânio com mandíbula, e mais um tempo de pois, uma sacola contendo uma camisa de cor amarelada e um saco de fibra com três pedaços de ossos. O local se assemelha a uma “desova” de corpos.

A família conta ainda, que o Instituto Médico Legal (IML), diz ter encaminhado em dezembro de 2019, os respectivos materiais genéticos ao Instituto de Genética Forense e em fevereiro de 2020 o material genético dos familiares de Francisco Gomes da Silva, foram coletados para comparação com os restos mortais humanos encontrados no local próximo ao distrito Santa Luzia. Contudo, sete meses após a coleta, ainda não houve resposta quanto aos resultados.

Nossa equipe conversou também com a advogada da família, Valda Costa, que comentou a situação. “A família me procurou relatando várias tentativas de obter respostas sobre o seu desaparecimento, sem sucesso, por meio do Ministério Público, Polícia Civil e Instituto Médico Legal. Pediram que desse parecer sobre o caso e, ao ter vista do procedimento inquisitorial, observei que se trata de um caso complexo envolvendo pessoa que desapareceu em março de 2019, há um ano e meio, e foi a família que, em constantes buscas, achou todos os restos mortais apreendidos”, disse q advogada que continuou, “Verifiquei a existência de três Boletins de Ocorrência gerados e com laudos periciais preliminares de fato insuficientes para comprovar se os restos pertencem ou não à Francisco. A família forneceu material genético para comparação de DNA, mas faz sete meses que aguardam pelos resultados sem quaisquer respostas. Além disso, para apurar possível homicídio de Francisco, em 03/05/2019 o Inquérito Policial nº 3299/2019 foi autuado, sendo juntados os Boletins de Ocorrência nº 20179/2019, 20688/2019 e 63257/2019. Aproximadamente um ano e meio depois da autuação, o Inquérito sequer consta no Sistema Processual Eletrônico “, explicou a advogada.

Para Valda Costa, em se tratando da legislação atual, todos os prazos para conclusão da investigação foram superados e, em que pese diversos relatos da família sobre o possível suspeito, até hoje, no inquérito policial, sequer há os depoimentos dos mesmos. Ou seja, o Inquérito aparenta ser bastante frágil, pois não foi encontrado no procedimento, nenhum depoimento das próprias pessoas que encontraram os restos mortais. Além disso, a única pessoa apontada como suspeita, sequer chegou a ser ouvida.

“É compreensível a indignação da família, que hoje decidiu gritar por justiça. Afinal de contas, foi a família que, em completo desespero ao procurar por Francisco, em três momentos diferentes, encontrou partes de cadáveres esquartejados nas proximidades de onde ele desapareceu. Sua genitora afirma ter reconhecido as pernas do filho, bem como uma camiseta que foi encontrada”, observou a advogada que emendou, “Antes de ser advogada, também sou mãe e me sensibilizo com a dor de toda família, especialmente a da mãe que anseia um reencontro com seu filho ou, caso os restos mortais sejam de seu filho, no mínimo, um respaldo do Estado quanto à investigação, com punição do responsável, e finalmente a possibilidade de poder realizar o funeral e sepultamento”, concluiu.

A irmã de Francisco, Leilane Gomes da Silva, resolveu falar em nome da família. “Viemos fazer uma manifestação aqui hoje em busca de justiça pelo meu irmão Francisco, que desapareceu já faz um ano e seis meses e nós não temos nenhuma notícia dele. Foi encontrado um corpo no rio e que tá no IML hoje, para fazer o exame de DNA, só que até agora esse exame não foi concluído e nós não temos nenhuma resposta do resultado. Então nós queremos justiça sobre isso, porque é um descaso com a família ter um parente assim desaparecido e às vezes se tiver morto e a gente não puder enterrar, é uma coisa muito difícil. Eu fui no IML e me mandaram procurar a Delegacia responsável, fui no Instituo fazer o exame de DNA e me falaram que eu tinha que procurar o Delegado também, que é o responsável, e no Ministério Público ele falou a mesma coisa e quando fui na Delegacia não me atenderam, não atenderam a família do Francisco. Nós queremos as respostas pra esse caso porque tá muito difícil”.

Continue lendo

Bico do Papagaio

Justiça proíbe fogos de artifício em campanhas em Augustinópolis, Carrasco, Praia Norte, Sampaio e São Sebastião

Publicado

em

A Justiça Eleitoral, proibiu o uso de fogos de artifício nas campanhas eleitorais de 2020, nos municípios de Augustinópolis, Carrasco Bonito, Praia Norte, Sampaio, São Sebastião, área da 21ª Zona Eleitoral.

A Portaria veta o uso de fogos ou quaisquer outros instrumentos sonoros ou sinais acústicos que venham a causar perturbação do sossego público ou eventual poluição e queimadas, durante carreatas, passeatas, comícios ou outros atos relativos à propaganda, no âmbito desta 21ª Zona Eleitoral.

A queima de fogos e estampidos em reuniões políticas só será permitida no evento de comemoração da vitória após as eleições (após as 18h do dia 15/11/2020), desde que seja até as 22h e mediante comunicação à Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar locais, que poderão fiscalizar as condições de isolamento e segurança dos explosivos.

Caso os servidores da Justiça Eleitoral ou agentes policiais flagrem a ocorrência de queima de fogos em comício ou em atividades de eventuais candidatos, o responsável será devidamente notificado para cessar a atividade, inclusive verbalmente, sob pena de o evento ser imediatamente suspenso, dissolvido e finalizado; os fogos de artifícios serão apreendidos e o proprietário dos explosivos será pessoalmente notificado, cuja reincidência importará no cometimento do crime previsto no artigo 347 do Código Eleitoral Brasileiro.

Os representantes das coligações partidárias e responsáveis por partidos políticos que permitirem a queima de fogos em comício, passeata ou carreata de sua campanha são solidariamente responsáveis no âmbito cível por eventuais danos morais e materiais decorrentes de possível explosão dolosa ou acidental.

Clique AQUI e veja a Portaria completa.

Continue lendo

Bico do Papagaio

TOCANTINÓPOLIS: Município tem 18ª morte por Covid-19

Publicado

em

Segundo informações do Boletim Epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde, desta terça, 29, o município de Tocantinópolis, no Bico do Papagaio, chega a sua 18ª vítima da Covid-19.

A vítima é uma mulher de 88 anos, que tinha hipertensão. Ela morreu na última sexta, 25, no Hospital de Doenças Tropicais, em Araguaína.

Continue lendo
publicidade Bronze