Connect with us

Pará

Concurso da PM registra mais de 105 mil inscritos, no PA

Publicado

em

A Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), organizadora do concurso da Polícia Militar do Pará, divulgou nesta segunda-feira (18) a demanda de candidatos por vaga para o certame. Os cargos com as maiores concorrências nos três editais são os de oficial feminino (286,94 candidatas por vaga), praça feminino (113,76 candidatas por vaga) e oficial com especialidade em Fisioterapia (250 para cada vaga ofertada). As informações podem ser conferidas aqui.

Dos mais de 105 mil candidatos inscritos no concurso, 87.786 optaram por fazer o Curso Formação de Praças (CFP), que tem a maior concorrência. Eles disputarão duas mil vagas, das quais 200 para mulheres e 1,8 mil para homens – o que estabelece, de acordo com a demanda, a concorrência de 113,76 candidatas por vaga, no caso feminino, e 36,13 candidatos para cada vaga ofertada, no masculino.

Já o Curso de Formação de Oficiais (CFO) registrou 14.617 inscritos para as 144 vagas ofertadas, gerando a demanda de 286,94 candidatas por vaga e 69,63 concorrentes do sexo masculino por vaga. O Curso de Adaptação de Oficiais (Cado) tem 2.345 inscritos para 34 vagas oferecidas pela corporação. Pela demanda, depois de Fisioterapeuta, os cargos mais concorridos são o de cirurgião dentista – clínico geral (211 candidatos por vaga) e farmacêutico (194 candidatos).

O concurso oferece o total de 2.194 vagas para soldados, oficiais e oficiais da área da saúde. As provas de conhecimentos gerais serão aplicadas no próximo dia 31 de julho, nas cidades de Belém, Santarém, Marabá e Altamira, nos seguintes horários: Cado, das 8h ao meio-dia; CFP, das 8h ao meio-dia, e CFO, das 14h30 às 18h30.

Haverá cinco etapas para os três cargos. Os candidatos aos cargos de oficiais na área de saúde e do quadro complementar farão, ainda, prova de títulos. Além da prova de conhecimentos gerais (com redação para os oficiais), serão feitas avaliações de saúde e psicológica, teste físico e investigação de antecedentes criminais.

A Secretaria de Estado da Administração (Sead) chama a atenção dos candidatos inscritos para que leiam o edital na íntegra e atentem para as seguintes recomendações:

– O candidato deve comparecer ao local das provas com antecedência mínima de 60 minutos do horário de início, portando comprovante de inscrição, documento de identificação original com foto e caneta esferográfica de corpo transparente, de tinta azul ou preta;

– São proibidos, durante as provas, qualquer tipo de comunicação entre os candidatos e o uso de máquinas calculadoras ou similares, livros, anotações, réguas de cálculo, impressos ou qualquer outro material de consulta, protetor auricular, lápis, borracha ou corretivo;

– Não é permitido ao candidato ingressar na sala de provas sem o devido recolhimento, com respectiva identificação, dos seguintes equipamentos: bip, telefone celular, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, iPod, iPad, tablet, smartphone, mp3, mp4, receptor, gravador, calculadora, câmera fotográfica, controle de alarme de carro e relógio de qualquer modelo. O descumprimento desta determinação implicará na eliminação do candidato, configurando-se tentativa de fraude. Para evitar qualquer situação neste sentido, o candidato deve evitar portar quaisquer equipamentos acima citados no local da prova;

– É proibido fazer prova portando arma. Caso o candidato leve arma no dia da prova de conhecimentos, deverá comunicar o fato à Fadesp, que providenciará o encaminhamento do candidato à Polícia Civil para que se faça o devido acautelamento, nos termos da legislação pertinente;

– É proibido ao candidato afastar-se da sala de aplicação das provas sem o devido acompanhamento do fiscal;

– O candidato só pode sair do local das provas duas horas após o início da etapa;

– O candidato não pode levar o Boletim de Questões. Ele será divulgado no site da Fadesp no dia seguinte às provas, juntamente com o gabarito preliminar. (Com informações da Ascom Fadesp)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

No Pará, ‘Triagem Pós-Covid’ vai tratar sequelas da doença

Publicado

em

O Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), lançou na noite desta terça-feira (24) o Programa Triagem Pós-Covid, que atenderá pacientes oriundos de todas as regiões do Estado que tiveram a doença e apresentam sequelas, como alteração no paladar e olfato, ansiedade, rinite, insônia ou hipertensão arterial. O programa, lançado no Palácio do Governo, em Belém, também atenderá pacientes que já faziam acompanhamento médico e precisaram interromper devido à pandemia.

“A nossa intenção com este programa é continuar o cuidado com o nosso paciente. São muitas pessoas que, mesmo após a doença, continuam procurando atendimento, pois ficaram com alguns sintomas residuais. Sabemos que se trata de uma ideia inovadora, que pode, inclusive, servir de referência para outros Estados”, ressaltou o titular da Sespa, Rômulo Rodovalho.

A meta do programa é oferecer 130 consultas por dia, sendo 50 vagas para homens, 50 para mulheres e 30 para atendimento infantil. “Vamos fazer atendimento pediátrico com consultas com psicólogos, nutricionistas e fonoaudiólogos. Tudo isso pensando nas sequelas de crianças que passaram muito tempo em casa, tiveram aumento de peso, pois não conseguiram controlar a alimentação, e que, além disso, estão esse tempo todo fora da sala de aula. Tudo isso vem trazendo muitos transtornos para toda a família, por isso estamos disponibilizando esses atendimentos fundamentais”, informou Luiz Fausto Silva, diretor da Policlínica Metropolitana.

O Programa Triagem Pós-Covid foi elaborado após a equipe técnica da Sespa, em conversa com diretores de hospitais e profissionais da área de saúde que fazem parte da linha de frente no combate à Covid-19, constatar que muitos pacientes ainda precisam de atendimento, mesmo após a recuperação da doença, mas não sabem onde procurar. Quem já teve Covid-19 e está sem sintomas gripais, mas sente sintomas que podem ser consequência do novo coronavírus (dores no peito, nas pernas e na cabeça, ou cansaço, sintomas inexistentes antes do contágio), tem o perfil para o atendimento oferecido pelo programa.

O objetivo do governo estadual é expandir o programa para as demais regiões do Pará. “Nós temos que pensar em todo o Estado, e temos que trabalhar para que os serviços cheguem aos 144 municípios. Neste momento estamos lançando e iniciando os serviços na Policlínica Metropolitana (em Belém), mas é fundamental que os hospitais regionais estejam com esses serviços disponíveis, para que independentemente das distâncias, todos que precisem e tenham diagnóstico de sintomas pós-Covid também sejam prontamente atendidos”, enfatizou o governador Helder Barbalho.

Procedimento – O atendimento será realizado sem a necessidade de encaminhamento. Basta que o paciente entre em contato com a Policlínica pela Central de Atendimento, por meio do telefone 4005-0510 e pelos números de WhatsApp: (91) 98521-5110 / 98564-7638 e 98526-9319.

Ao chegar à Policlínica o paciente será encaminhado a um clínico geral, e em seguida fará um check-up básico, com exames de sangue e radiografia. Também receberá orientações e encaminhamento para um especialista, se necessário.

“O agendamento dos atendimentos será realizado exclusivamente através da nossa central telefônica/WhatsApp, no número 4005-0510. O paciente não necessita vir até a Policlínica para agendar. Uma vez agendado o atendimento, o paciente receberá via WhatsApp a confirmação do dia e do horário para realização dos exames e avaliações médicas (clínica e pediátrica). No dia marcado, basta o paciente comparecer à Policlínica 40 minutos antes da hora da consulta, com seus documentos pessoais: RG, CPF, comprovante de residência com CEP e cartão do SUS”, explicou Lilian Gomes, diretora executiva da Policlínica Metropolitana.

As consultas serão oferecidas de segunda a sexta-feira, das 7 às 19 h, na Policlínica Metropolitana, localizada na Avenida Almirante Barroso, entre a Avenida Dr. Freitas e a Travessa Perebebuí, bairro do Marco. (Agencia Pará)

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Homicida integrante de facção criminosa é preso

Publicado

em

Um homem suspeito de participar de uma facção criminosa e ter envolvimento em duas mortes ocorridas em maio deste ano, em Parauapebas, foi preso no início da tarde desta segunda-feira, 23. A ação da Polícia Civil deu cumprimento ao mandado de prisão preventiva expedido pela 2ª Vara Criminal do município. 

O investigado compareceu à Delegacia do Município para denunciar uma suposta abordagem de agentes de segurança contra ele, logo foi reconhecido e recebeu voz de prisão.  

Com a prisão do indiciado, foram contabilizadas cinco prisões de membros de uma facção criminosa, os quais estariam envolvidos na morte de dois amigos ocorrida em maio, cujos corpos foram encontrados em um sítio localizado na zona rural de Parauapebas.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Travestis dão surra em cliente após recusar pagar programa

Publicado

em

Uma guarnição da Polícia Militar foi acionada por volta das 3h da manhã deste domingo (22) para atender a uma ocorrência de agressão. Segundo a denúncia, três travestis estavam espancando um homem a golpes de capacete, no Bairro Beira Rio I, perto da Estação Rodoviária em Parauapebas, município Sudeste Paraense.

Ao chegar no local, os militares conseguiu prender os travestis identificados como João Vitor Magalhaes dos Santos e Diemerson Douglas da Silva. Eles estavam tentando fugir da cena do crime, mas foram reconhecidos por uma testemunha.

A vítima, Jhon Willis Penha Teles, foi socorrida por uma equipe do Corpo de Bombeiros e encaminhado de ambulância a um hospital da região com várias lesões pela face. Para a polícia, as travestis disseram que, a vítima teria contratado um programa com uma delas, mas no final de tudo não quis pagar pelo serviço. Diante disso, se iniciou uma confusão e outras duas travestis foram ajudar a colega e acabaram espancando Jhon Willis.

A guarnição da Polícia Militar conduziu as acusadas para a Delegacia de Polícia Civil para os procedimentos cabíveis. Dependendo do entendimento da autoridade policial, as duas travestis podem responder por lesão corporal grave ou por tentativa de homicídio.

Continue lendo
publicidade Bronze