Connect with us

Pará

Em Marabá-PA, pé amputado é furtado de Hospital e encontrado no centro da cidade

Publicado

em

f_pe-amputado

Um pé amputado de uma paciente do Hospital Municipal de Marabá (HMM), localizado na Nova Marabá, no último dia 10 (quinta-feira) desapareceu do necrotério da casa de saúde nesta segunda-feira (14) e reapareceu pouco depois no Núcleo Cidade, em posse de um homem com aparentes transtornos mentais. Ele viajava tranquilamente em um ônibus coletivo, levando o pé embrulhado em papel jornal e dentro de uma sacola, até que foi percebido.

O caso foi apresentado na 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil e, conforme a diretora, delegada Simone Felinto, os diretores do hospital deverão ser intimados na próxima semana para prestarem esclarecimentos sobre o destino dado aos membros amputados naquela casa de saúde. Conforme o sargento José Alves da Costa, uma pessoa visualizou o homem transportando o pé e acionou o Núcleo Integrado de Operações Policiais (Niop-190).

“O Niop repassou a informação às viaturas e fizemos incursões até conseguirmos realizar a abordagem próximo ao prédio do INSS. Foi constatado que realmente ele estava em posse de um pé metido dentro da calça, então o trouxemos para a delegacia”, informou, acrescentando que a guarnição questionou o homem sobre a procedência do membro, ao que ele informou ter pegado o pé no HMM. “Fomos ao hospital e constatamos que realmente foi amputado de uma pessoa que estava internada”.

O homem declarou à Polícia Militar, ainda, que acreditava se tratar do pé da avó – que está internada no local para ser submetida a uma cirurgia de amputação – e que pretendia guardar o membro para sepultá-lo junto do corpo dela, quando esta falecesse.  “Segundo o serviço social do HMM no dia da cirurgia tinha sido comunicado à uma empresa funerária que o membro estava lá, mas os agentes funerários estavam envolvidos em outras situações e achamos que eles acabaram esquecendo”, comentou o sargento.

Conforme ele, o caso demonstra, no entanto, insegurança no necrotério da unidade hospitalar. “O certo seria que o HMM tivesse um local trancado ou uma pessoa tomando conta desse necrotério porque se um cidadão igual a este chega lá e furta um membro pode chegar e furtar um corpo, de uma criança, por exemplo, que é fácil de carregar. Essa pessoa visivelmente apresenta um transtorno mental”, acrescentou.

A assistente social Rita de Cássia Costa, do Serviço Social do HMM, esteve na delegacia e esclareceu à Polícia Civil que o pé foi amputado de uma mulher em decorrência de uma doença arterial crônica e que nestes casos o hospital comunica à funerária para que esta faça o sepultamento. A assistente acrescentou que a situação foi devidamente comunicada à funerária ainda no dia 10, mas não houve o recolhimento. Ela informou, ainda, que o homem que subtraiu o membro já esteve internado na ala psicossocial do HMM e possivelmente apresenta distúrbio mental, além de ser dependente químico. Por fim, a servidora acrescentou que ele entrou na unidade hospitalar pulando o muro.

“A gente acionou a funerária para levar, mas infelizmente eles demoraram para buscar e aconteceu isso. Quando é amputado membro de paciente a gente aciona a funerária que providencia o sepultamento autorizado pela família. Inclusive temos a documentação para comprovar e o membro fica no necrotério até eles (funerária) buscarem”, informou ela.

Procurado, o homem detido preferiu não se manifestar. De acordo com a delegada Simone Felinto, em relação à subtração do membro o caso não se enquadra em nenhum tipo penal, por isso o homem responsável pela situação foi liberado. Ela diz que o caso não pode ser tratado como furto, por exemplo, por que este se trata apenas de crime patrimonial. A delegada acrescentou, ainda, que não foi possível colher o depoimento dele, uma vez que ele não estava dizendo frases coerentes. O membro foi encaminhado para sepultamento.

Saiba mais

Procurada, a assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal de Marabá (PMM) confirmou as informações prestadas pela assistente social do Hospital Municipal, informando que em caso de amputação o membro é levado para o necrotério e o hospital entra em contato com a funerária para recolhê-lo e realizar os procedimentos legais. No caso em questão, no entanto, o hospital ainda estava aguardando o recolhimento quando o homem entrou no local e retirou o pé. (Luciana Marschall/Correio Tocantins)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Hospitais públicos estão com vagas de emprego em Ananindeua e Belém, no Pará

Publicado

em

A Pró-Saúde, uma das maiores entidades filantrópicas de gestão hospitalar do país, está com vagas de emprego abertas para atuação em duas regiões no Pará. As oportunidades contemplam o município de Ananindeua, na Região Metropolitana, e Belém, capital paraense.

No Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, as vagas são para auxiliar de farmácia e auxiliar de higienização e limpeza, com prazo para inscrição até a próxima quinta-feira, 22. Há vagas também para técnico de enfermagem e enfermeiro, com prazo até o dia 26 de abril.

No Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), localizado em Belém, as oportunidades são para auxiliar de manutenção e farmacêutico (temporário). As inscrições vão até o final do mês de abril.

Cada fase do processo seletivo, como provas e entrevistas, será realizada no próprio local da vaga. Todas as etapas são eliminatórias.

Saiba como participar do processo seletivo

As oportunidades contemplam vários níveis de escolaridade e são para as áreas assistenciais e de apoio. Pessoas com Deficiência (PCD) podem se candidatar.

Para participar, é necessário que o candidato acesse o site da Pró-Saúde, no endereço: https://www.prosaude.org.br.

Em seguida, no menu “Trabalhe Conosco”, selecione a opção “Conheça nossas oportunidades”. Clique na vaga desejada e, depois, acesse a opção “Cadastre seu Currículo”.

Todos os detalhes das vagas, como requisitos básicos para candidatura, estão disponíveis no portal.

Para concluir o processo de inscrição, os candidatos devem ter perfil no portal VAGAS (www.vagas.com.br), plataforma externa reconhecida no mercado e que proporciona transparência ao processo.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Pequenas empresas já podem acessar link para pedir crédito especial ao Banco do Povo

Publicado

em

As pequenas empresas, associações e cooperativas de serviço e de trabalho de Parauapebas já podem solicitar empréstimo especial ao Banco do Povo, no valor de até R$ 10 mil, a partir desta segunda-feira, 19.

Basta acessar o site da prefeitura no endereço parauapebas.pa.gov.br e clicar no banner de cadastro do Banco do Povo.

O cadastro ficará disponível pela prefeitura até o valor total dos pedidos alcançar R$ 10 milhões.

Conforme o Decreto Municipal nº 1.189/21, publicado na última sexta-feira, 17, para ter direito ao benefício as empresas devem estar instaladas há pelo menos um ano em Parauapebas. Já as associações e cooperativas precisam comprovar que estão em atividade há mais de seis meses no município e que têm pelo menos 70% do quadro social composto de micro e pequenos empresários.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Campanha de doação de sangue tem resultados positivos

Publicado

em

No último final de semana, 17 e 18 (sábado e domingo), foi realizada a campanha de doação de sangue, com tema: “Em tempos de pandemia, distribua amor, doe sangue”.

A campanha foi destinada aos doadores com fator Rh tipo “O” por ser o mais escasso durante esse período de pandemia da covid-19, que levou à queda no número de doações de sangue. Por essa razão, diversos hemocentros operam em estado crítico. Diversas medidas foram adotadas para diminuir o risco de contágio pelo coronavírus, todos os voluntários foram previamente agendados, dessa forma evitando aglomerações.

A campanha foi promovida no município pela Prefeitura Municipal de Parauapebas, através da Secretaria Municipal da Saúde (Semsa), em parceria com o Hemocentro de Marabá.

De acordo com a organizadora da campanha no município, Aline Ferreira, Coordenadora da Agência Transfusional de Parauapebas, as doações foram bem significativas. “Conseguimos coletar 175 bolsas de sangue durante o fim de semana, ultrapassamos a meta que estava proposta para 160 bolsas. Esse número é muito importante, pois nos estimula a trabalhar ainda mais e criar novas campanhas no município”, comemora.

Segundo o secretário de saúde, Gilberto Laranjeiras, mesmo em período de pandemia as doações não podem parar. “Em tempos de pandemia os bancos de sangue estão sendo monitorados e já apresentam uma diminuição nos estoques de bolsas. O Ministério da Saúde orienta que as doações não devem parar. Segundo a Colsan (Associação Beneficente de Coleta de Sangue), os postos de coleta de sangue já tiveram uma queda de 30%, e com esta preocupação organizamos está campanha seguindo todas as orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde), para garantir segurança de quem gentilmente doou sangue nesse final de semana. Quero agradecer a parceria dos munícipes da nossa cidade que com a ajuda deles ultrapassamos a meta de doações”.

Entenda um pouco mais sobre a doação de sangue

Doação de sangue é o processo pelo qual um doador voluntário tem seu sangue coletado para armazenamento em um banco de sangue ou hemocentro para uso subsequente em transfusões de sangue.

O sangue é um composto de células que cumprem funções como levar oxigênio a cada parte do nosso corpo, defender nosso organismo contra infecções e participar na coagulação. Não existe nada que substitua o sangue.

A quantidade de sangue retirada não afeta a sua saúde porque a recuperação é imediata após a doação. Uma pessoa adulta tem em média cinco litros de sangue e em uma doação são coletados no máximo 450 ml de sangue. É pouco para você e muito para quem precisa! Você passará por uma entrevista que tem o objetivo de dar maior segurança para você e aos pacientes que receberão o seu sangue. Seja sincero ao responder as perguntas!

Todo sangue doado é separado em diferentes componentes (hemácias, plaquetas e plasma) e assim poderá beneficiar mais de um paciente com apenas uma unidade coletada. Os componentes são distribuídos para os hospitais para atender aos casos de emergência e aos pacientes internados.

“Não existe nada que substitua o sangue. A doação é um ato de solidariedade que ajuda a salvar vidas. Por isso, seja um doador frequente. Essa corrente precisa de você”, enfatiza o Secretário adjunto de saúde, Paulo Vilarinhos. (Nívea Lima / Foto: Renato Resende)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze