O policial militar Carlos Eduardo Nunes Pereira, acusado de matar a própria companheira e um suposto amante, será autuado por feminicídio – crime contra mulher por questões de gênero. O caso aconteceu neste sábado (25) no Condomínio Pacífico I, no bairro Vicente Fialho, em São Luís.

Após o crime, o policial teria entregado a arma para o tio, que é sargento da polícia. Depois, o PM foi preso e levado para o presídio militar em São Luís, onde ficará à disposição da Justiça.

Segundo testemunhas, Carlos Eduardo teria chegado mais cedo em casa e flagrado a traição da mulher com quem tinha uma união estável, Bruna Lícia. Ela estava com um homem identificado como José Willian.

Irritado, o militar teria efetuado sete disparos contra os dois, que morreram na hora. Em depoimento, o policial disse que viu os dois fazendo sexo e que houve luta corporal antes dos disparos.

A polícia civil investiga o caso, mas, por enquanto, ainda não acredita que houve luta corporal. Para a delegada do Departamento de Feminicídio, Viviane Azambuja, Carlos Eduardo já foi autuado por feminicídio por conta do crime contra Bruna.

Bruna Lícia foi sepultada durante a tarde deste domingo (26) no cemitério Jardim da Paz, em São José de Ribamar. (G1/Imagem TV Mirante)

Bruna Lícia Fonseca e o policial militar Carlos Eduardo Nunes Pereira
- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.