Connect with us

Geral

Estudo comprova presença do coronavírus no cérebro de pacientes

Publicado

em

Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) encontraram o novo coronavírus em cérebros de pacientes mortos pela doença, além de alterações morfológicas – que se referem à forma e à estrutura – no cérebro de pessoas com quadros moderados de covid-19. O resultado deve ajudar em tratamentos mais efetivos de pacientes de covid-19 que apresentam sintomas neurológicos, como anosmia, confusão mental, convulsões e zumbido no ouvido.

“O que identificamos agora é que o vírus é sim capaz de chegar no sistema nervoso central, no cérebro. Não só detectamos o vírus no cérebro de pessoas que morreram com a covid-19 – coletamos os cérebros delas post mortem -, mas nós fizemos também análises de imagem, escaneamos os cérebros de pacientes com covid-19 moderada e alterações significativas foram observadas”, disse o professor de bioquímica da Unicamp, Daniel Martins-de-Souza, coordenador da pesquisa. O estudo foi divulgado essa semana, em plataforma preprint, ainda sem revisão por pares.

Ele ressalta que até o momento não existem evidências disso na literatura, apesar de alguns pacientes apresentarem sintomas neurológicos. “Esse é um estudo feito com centenas de pacientes moderados, não são nem pacientes graves, e que demonstra que as alterações morfológicas estão correlacionadas com a covid-19”, disse. Segundo ele, as consequências nos pacientes ainda estão sendo observadas porque a covid-19 é uma doença nova. “Não deu tempo de vermos o que vai acontecer no longo prazo, mas fato é que pessoas já curadas ainda tem queixas de sintomas neurológicos mesmo depois de o vírus já ter saído do corpo”.

Os pesquisadores já haviam comprovado em testes in vitro que o novo coronavírus era capaz de infectar os neurônios. No entanto, em testes em humanos, eles identificaram a presença do vírus em uma outra célula do cérebro, chamada astrócito.

“Vimos que o vírus está no cérebro de algumas das pessoas que morreram de covid-19, não tanto nos neurônios, mas em uma outra célula que chama astrócito. Esta é uma célula que auxilia os neurônios a se comunicarem. No laboratório, fizemos um experimento mostrando que os astrócitos infectados podem produzir substâncias que matam neurônios e essa pode ser a causa de a gente ver aquelas alterações nas imagens do cérebro [de pessoas vivas infectadas]”, explicou.

Tratamento

O pesquisador afirma que essas informações são a primeira pista para que se tenha tratamentos mais efetivos especialmente para aqueles pacientes que tiveram acometimentos neurológicos. “Nem todos vão ter [sintomas neurológicos], uma média de 30% a 35% são os que têm esses sintomas. Para esses, é bom saber que os sintomas podem sim ser derivados de infecção no cérebro”.

Martins-de-Souza explicou que o que se acreditava até agora é que os sintomas neurológicos eram causados apenas por uma infecção sistêmica. “Pensava-se até aqui que os sintomas neurológicos seriam uma consequência de inflamação em outros lugares – como o pulmão – e que afetava secundariamente o cérebro. Mas aqui vemos que isso [sintomas neurológicos] pode acontecer também porque o vírus chega sim ao cérebro”, disse.

Além desses resultados, os pesquisadores vão continuar as investigações para entender melhor o papel dos vírus dentro dos astrócitos, as consequências disso no longo prazo, além de uma questão que Martins-de-Souza considera essencial: como é que o vírus chega no cérebro. (Agência Brasil)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Geral

Obesidade e câncer de mama: nutróloga e endocrinologista explica a relação entre as doenças

Publicado

em

Young blonde long-haired curvy topless woman performing breast self exam against white background

Uma pesquisa divulgada neste mês pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que mais de um quarto dos brasileiros, acima dos 18 anos, concluiu o ano de 2019 na obesidade. O total de 41,2 milhões de pessoas, ou 25,9%, pesando mais do que o recomendado pelos médicos. Para além das questões estéticas e a busca pelo corpo ideal, o sobrepeso chama a atenção para questões sérias relacionadas à saúde, tais como o aumento na incidência de doenças graves, como o câncer. 

Ainda de acordo com a pesquisa, as mulheres foram as mais atingidas pela enfermidade no ano passado, com 29,5% dos casos, o equivalente a 25 milhões de brasileiras. Ao todo, 21,8% dos homens, ou 16,2 milhões, foram considerados obesos. Já as estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), também alertam para um problema grave: segundo as projeções, no Brasil mais 66.280 novos casos de câncer  devem surgir apenas em 2020.

Para a nutróloga e endocrinologista Bruna Manes, a prevenção do câncer de mama – um dos que mais mata no país – está diretamente ligada ao controle do peso.

“O sobrepeso, a obesidade, o sedentarismo, a má alimentação estão entre os principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença. No caso das mulheres, em especial, o acúmulo de tecido adiposo provocado pela obesidade, pode produzir proteínas inflamatórias e enzimas aromatase, que metabolizam alguns hormônios e aumentam o risco de câncer de mama”, detalhou,

No Outubro Rosa, mês em que se reforça a prevenção da doença, a especialista orienta para importância do acompanhamento médico para uma alimentação saudável e controle de doenças. 

Continue lendo

Geral

Belezas do Norte: Influenciadora digital Layse Cohen mostra cultura nortista pelas redes sociais

Publicado

em

O que vêm à mente quando se fala do Norte do Brasil? Para muitos brasileiros, que nunca tiveram a oportunidade de conhecer os estados dessa região, provavelmente a imagem de uma floresta, índios, animais à solta e pessoas seminuas recriam o cenário local. A realidade de quem vive por lá, entretanto, é bem diferente dessa montada no imaginário popular, repleto de histórias, de folclore e de natureza exuberante. 

“Aqui ninguém anda pelado, nem pintado na rua. Aqui existe civilização, não é só mato, floresta, ocas e barcos… Temos pessoas inteligentes e qualificadas, mas muita gente acha que aqui é tudo atrasado. Que só tem tribo indígena, que ninguém estuda ou trabalha. Já me perguntaram se é preciso caçar para comer”,  relatou a  digital influencer Layse Cohen, moradora do município de Tefé, no Amazonas. Habituada com mudanças, Layse já fez de diferentes cidades do país seu lar, graças ao emprego do pai e, agora, ao do marido, ambos militares. “Nasci no Rio de Janeiro, mas já morei em diversas partes do país, já conheço quase o Brasil inteiro. Acho bom ter conhecido bastante coisa por aí para passar minha visão, né? Eu tento mudar a visão das pessoas de fora em relação à Amazônia, tento desmistificar”, afirma.

Dados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que atualmente apenas 8% de toda a população brasileira esteja no Norte brasileiro, e segundo a influenciadora, o desconhecimento sobre as outras regiões do país também é uma realidade para quem vive nessa região. “Na cidade onde moro hoje, com pouco mais de 60 mil habitantes, só se chega de avião ou barco. Há quem nunca tenha tido contato com pessoas de longe e que não fazem ideia de como seja São Paulo, Rio… Gosto de ser essa ponte, de mostrar para eles outras culturas do Brasil, especialmente pela moda e de levar as riquezas daqui para o restante do país pelas redes sociais”, comenta. 

Recentemente, a influenciadora que conta com mais de 600 mil pessoas no Instagram, publicou um vídeo brincando com  “o que as pessoas pensam e como realmente é morar no Amazonas”. O vídeo teve milhões de visualizações, curtidas e rendeu tantos comentários, que Layse resolveu postar uma nova edição. Além disso, diariamente ela faz postagens sobre o dia a dia com os filhos, a rotina de empresária no ramo da moda e o cotidiano nortista. 

“Aqui tudo é diferenciado para mim. Por exemplo, aqui ainda não tem shopping e eu ia muito aos shoppings com minha família, mas agora meus passeios são mais ao ar livre, durante o dia. Em relação à moda, claro que ninguém anda pelado (risos), mas com pouca roupa sim, roupas bem leves e nada com muito brilho e tanta pompa, isso pelo fato dos passeios e lugares que frequentamos sejam diferentes”, explicou. 

Continue lendo

Geral

Índice de evolução do emprego em setembro é maior dos últimos oito anos na construção, aponta CNI

Publicado

em

A Sondagem Indústria da Construção, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra a retomada da indústria de construção civil em setembro. O índice de evolução do número de empregados cresceu para 50,1 pontos no mês. É a quarta alta consecutiva do índice, que se afastou ainda mais da sua média histórica de 43,9 pontos. O índice é o maior desde abril de 2012, confirmando o bom momento do emprego do setor. Foram entrevistadas 170 empresas de pequeno porte, 197 de médio porte e 94 grandes, entre 1º a 14 de outubro de 2020.

“Se olharmos a série histórica, vamos ver que faz muito tempo que o índice de evolução do emprego não cruza a linha divisória de cinquenta pontos como ocorreu no mês de setembro. Esse é um dado importante. Só não podemos esquecer que as altas registradas foram precedidas por fortes quedas observadas em março e abril, que haviam levado o emprego a um patamar muito baixo”, explica o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

Os índices variam de 0 a 100, sendo que valores acima dos 50 pontos refletem crescimento do nível de atividade e do emprego. E quanto mais distantes da linha divisória de 50 pontos mais forte e mais disseminado é esse crescimento.

O índice de evolução do nível de atividade está em 51,2 pontos, queda de 0,2 ponto em relação a agosto. A ligeira queda é pouco significativa, pois o índice está acima da linha divisória de 50 pontos pelo segundo mês consecutivo. Isso indica aumento do nível de atividade da indústria da construção na comparação com o mês anterior.

Indústria da construção opera com 62% da sua capacidade

A Utilização da Capacidade Operacional (UCO) cresceu em setembro pelo quinto mês consecutivo ao apresentar alta de dois pontos percentuais frente a agosto e atingindo 62%. O percentual é idêntico ao registrado em setembro de 2019, e supera os percentuais registrados entre os anos de 2015 a 2018

Situação financeira menos desfavorável no trimestre

O indicador de satisfação com a situação financeira aumentou 6 pontos na comparação trimestral, alcançando 44,7 pontos no terceiro trimestre. O resultado supera a média da série de 44 pontos da série, iniciada em 2009.

Confiança do empresário da construção fica estável em outubro

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-Construção) se manteve estável entre setembro e outubro, em 56,7 pontos. A estabilidade ocorre após cinco altas seguidas, se dá em patamar elevado e aponta para um sentimento de confiança otimista e disseminado entre os empresários da indústria da construção.

Industriais da construção seguem otimistas

Os índices de expectativa apresentaram queda em outubro, à exceção do índice de expectativas de números de empregados. Apesar das quedas, todos os índices permanecem acima da linha divisória de 50 pontos, indicando que os empresários da indústria da construção mantêm o sentimento de otimismo.

Continue lendo
publicidade Bronze