Connect with us

Bico do Papagaio

Guerrilha do Araguaia: encontrada fossa séptica

Publicado

em

guerrilhaEstojos de munição, frascos de inseticidas e remédiossão alguns dos objetos encontrados naquilo que seria uma fossa séptica usada por oficiais e soldados do Exército Brasileiro na base de Xambioá, no estado do Tocantins, por ocasião do episódio conhecido como Guerrilha do Araguaia (1972 a 1974).

Os objetos foram encontrados no início da tarde de domingo, 4, por técnicos do Grupo de Trabalho Tocantins (GTT), força tarefa composta pela Polícia Federal; peritos forenses do Ministério da Defesa; governo do Pará, representado por Paulo Fonteles Filho; Exército Brasileiro; além de parentes de guerrilheiros mortos e desaparecidos durante a guerrilha. Até o momento, é o que se pode considerar de um resultado bastante produtivo, considerando que em outras 13 expedições realizadas com o intuito de localizar restos, ou vestígios de guerrilheiros mortos na região do Araguaia os resultados foram tímidos.

As buscas do GTT ontem se concentraram em dois pontos: um local denominado de “Pimenteira”, em São Geraldo do Araguaia, e outro local onde funcionava a base do Exército em Xambioá, à margem esquerda do rio Araguaia.

Seria neste local onde o corpo do guerrilheiro Osvaldo Orlando da Costa, o “Osvaldão” teria sido sepultado. Ele, de acordo com o livro “Bacaba”, teria sido executado no dia 7 de fevereiro de 1974 em função de uma “tocaia”, tendo como atirador o mateiro Arlindo Vieira da Silva.

Um dos ex-guerrilheiros, Josias Gonçalves, que na época usava o codinome “Jonas” foi quem sepultou o que restou do guerrilheiro. Ele disse que enterrou “Osvaldão”, numa sepultura de sete palmos, atrás de onde funcionava uma enfermaria, tendo como referência uma pista de pouso usada pelos militares. “Jonas” tinha como referência uma cisterna, que atualmente está aterrada e dentro dela nasceu uma árvore. Quem ajuda nas buscas na antiga base são dois ex-soldados, Raimundo Pereira de Melo e Antonio Adalberto Fonseca, este chamado de Raul.

Ambos colaboraram com informações que levaram até o local da antiga base. “Raul”, por exemplo, citou que havia a fossa onde ele, por diversas vezes jogou objetos dentro.

“Fico feliz por ter contribuído e percebo que as buscas estão tendo algum resultado, pois encontramos alguns objetos que os militares usavam naquela época como os inseticidas”. O registro dos produtos data de outubro e agosto de 1967 e 1968, respectivamente.

“Jonas” tem certeza, “como dois e dois são quatro” que “Osvaldão” foi sepultado às proximidades dessa cisterna. “Foi eu que enterrei o corpo dele, inclusive estava fedendo bastante, o que indica que havia sido morto há dois dias. Lembro como se fosse hoje. Chegaram com o corpo dele no final da tarde e no dia seguinte o ‘Doutor João’ pegou na minha orelha e disse: ‘vai enterrar o teu irmão’, lembra.

Segundo Antônio Adalberto Fonseca, na antiga base de Xambioá, seguramente foram enterrados os corpos dos guerrilheiros “Peri” e “Batista”. “Vi estes dois guerrilheiros chegarem aqui e foram mortos e enterrados nos fundos da enfermaria”. O fato de os peritos localizarem a fossa séptica indica que ele estava certo ao apontar o local onde os guerrilheiros foram mortos. “Lembro perfeitamente, aí no fundo era o local onde se praticava tiros, daí a quantidade de estojos. Do lado tinha uma quadra de voleibol e aqui (aponta em direção a uma demarcação) havia a fossa que, graças a Deus, foi encontrada”.

Assim, acredita que as sepulturas dos guerrilheiros estão localizadas no quadrante, onde ele, o Pereira e o Jonas indicaram. Raul, emocionado contou que se sentia aliviado, pois de todas as excursões esta tem maiores chances de se localizar restos mortais de guerrilheiros. Entre as histórias de execuções de guerrilheiros o ex-soldado Pereira de Melo, que tirou serviço na base durante dois meses, uma chamou muita a atenção e ainda hoje lhe causa indignação que é a execução da guerrilheira conhecida por Lia. Esta mulher foi capturada no dia 7 de setembro de 1974, mesmo dia em que ele chegou na base e no dia seguinte foi morta. As buscas continuam hoje, uma vez que restam quatro pontos a serem escavados na antiga base militar e está previsto para esta terça-feira, escavações na base de selva Cabo Rosa em Marabá. (Diário do Pará)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
2 Comments

Bico do Papagaio

TOCANTINÓPOLIS: Cacique faz denúncias graves contra gestão Paulo Gomes e descaso com saúde de indígena

Publicado

em

Cacique Orlando Apinajé fez um desabafo grave, alertando quando a suposto descaso da Prefeitura de Tocantinópolis, quando a saúde de indígenas no município. O cacique quede socorro das autoridades.

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Aquiles manda recado para assentados, “Não sou governado pelo rabo”

Publicado

em

O prefeito de Araguatins, no Bico do Papagaio, Aquiles da Areia (PP), ficou irritado por estar sendo cobrado por moradores de diversas regiões de assentamentos e distritos, por conta das más condições das estradas vicinais, que tem dificultado a vida dessa parte da população que necessita se locomover até a cidade.

O gestor gravou um vídeo e divulgou nas redes sociais, respondendo os críticos. Assista:

Continue lendo

Bico do Papagaio

AUGUSTINÓPOLIS: Estelionatário especialista em falsificação de diplomas de medicina é preso após desligar padrões de energia

Publicado

em

Por força de mandado judicial pelo crime de estelionato, a Polícia Militar realizou a prisão de um homem de 33 anos, na noite de segunda-feira, 24, na cidade de Augustinópolis, no Bico do Papagaio. 

A prisão foi feita pela equipe de policiais militares do 9º Batalhão da PM (9º BPM) e contou com o apoio de um militar que se encontrava de folga e agentes da Polícia Civil, que auxiliaram com informações que levaram a prisão do indivíduo.

As primeiras informações que chegaram para a Polícia Militar davam conta de que moradores da área central da cidade de Augustinópolis estariam amedrontados devido uma pessoa estar desligando o padrão de energia das casas durante a noite.

No local, a PM foi recebida por moradores que disseram para a polícia o nome do possível suspeito da ação e o indivíduo acabou sendo localizado pela equipe de policiais militares e preso. 

Através de consulta ao Banco Nacional de Mandados de Prisão, o sistema apontou que havia um mandado judicial aberto em desfavor do foragido, acusado pelo crime de estelionato. Segundo informações, o indivíduo era especialista em falsificação de certificados escolares e universitários, principalmente de curso de medicina.

O autor foi apresentado na Central de Flagrantes para as providências cabíveis.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze